De­sem­pe­nho e re­sul­ta­do

Correio da Bahia - - Esporte - El­ton Ser­ra

Fal­tam ape­nas qua­tro ro­da­das pa­ra o fim da Sé­rie B, e o Bahia pas­sou a in­te­grar o G4 após ven­cer o Vi­la No­va por 1x0, fo­ra de ca­sa, na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra. Um pas­so im­por­tan­te num mo­men­to cru­ci­al do cam­pe­o­na­to, con­quis­ta­do gra­ças aos re­sul­ta­dos dos úl­ti­mos jo­gos – fo­ram 13 pon­tos so­ma­dos nos úl­ti­mos 15 dis­pu­ta­dos. Uma cam­pa­nha que con­so­li­da o tri­co­lor co­mo o se­gun­do me­lhor ti­me do se­gun­do tur­no, atrás ape­nas do Avaí. O téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra e seus co­man­da­dos, jo­go a jo­go, são ques­ti­o­na­dos pe­lo de­sem­pe­nho do ti­me lon­ge de Sal­va­dor.

Uma pos­tu­ra por mui­tas ve­zes pre­ca­vi­da, bei­ran­do a co­var­dia. O aves­so da equi­pe que se im­põe na Fon­te No­va. Co­mo re­sul­ta­do, a 10ª cam­pa­nha da Sé­rie B en­tre os vi­si­tan­tes, com três triun­fos, seis em­pa­tes e oi­to der­ro­tas. En­tre os ti­mes que bri­gam pa­ra su­bir, é o pi­or nes­se que­si­to. Se não fos­sem os ex­ce­len­tes nú­me­ros co­mo man­dan­te, cer­ta­men­te o Bahia es­ta­ria lon­ge da dis­pu­ta pe­lo aces­so.

É cer­to que os re­sul­ta­dos fo­ra de Sal­va­dor es­tão atre­la­dos ao de­sem­pe­nho do ti­me. Po­rém, con­tra o Vi­la No­va, pe­la pri­mei­ra vez o Bahia saiu de cam­po ven­ce­dor atu­an­do pi­or que o do­no da ca­sa – con­tra Goiás, no mes­mo Ser­ra Dou­ra­da, e Avaí, na Res­sa­ca­da, foi su­pe­ri­or. Fal­tan­do pou­co pa­ra o fim da Sé­rie B, tal­vez o re­sul­ta­do mais ex­pres­si­vo do tri­co­lor na se­gun­da me­ta­de do cam­pe­o­na­to. Com o pla­car de 1x0 em Goi­â­nia, ali­a­do a tro­pe­ços de seus con­cor­ren­tes, o Bahia po­de ga­ran­tir o aces­so da­qui a du­as ro­da­das: ven­cen­do Sampaio Cor­rêa e Lu­ver­den­se, e tor­cen­do pa­ra que Náu­ti­co so­me ape­nas um pon­to; o Lon­dri­na fa­ça, no má­xi­mo, dois; e o CRB per­ca, ao me­nos, uma par­ti­da. É um ce­ná­rio fac­tí­vel e que mu­da a re­a­li­da­de do Es­qua­drão de Aço den­tro da com­pe­ti­ção. A dis­cus­são “de­sem­pe­nho x re­sul­ta­do” ga­nha for­ça nes­te fim de Sé­rie B, e com al­gu­mas ra­zões. O Bahia tem ti­me pa­ra jo­gar me­lhor do que tem jo­ga­do fo­ra de ca­sa. Di­an­te do Vi­la, Gu­to Fer­rei­ra ar­ris­cou com Ré­gis no lu­gar de Re­na­to Ca­já, ga­nhan­do um meia de in­fil­tra­ção e pro­pon­do um jo­go mais ver­ti­cal por den­tro, mas com­pen­sou com a en­tra­da de Victor Ran­gel, jo­ga­dor de pou­ca mo­vi­men­ta­ção la­te­ral. Mes­mo com a in­ten­ção de dei­xar o ti­me mais con­tun­den­te, pe­cou na pos­tu­ra de sem­pre: pas­si­vi­da­de, mar­ca­ção baixa e con­ces­são de es­pa­ços pa­ra pres­são do ad­ver­sá­rio. Po­rém, no fi­nal das con­tas, saiu ven­ce­dor e re­for­çou o dis­cur­so de que “o mais im­por­tan­te são os três pon­tos”. In­fe­liz­men­te, a es­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to, os re­sul­ta­dos são mais im­por­tan­tes do que um bom de­sem­pe­nho den­tro de cam­po. In­fe­liz­men­te por­que, co­mo ad­mi­ra­dor de um bom fu­te­bol, gos­ta­ria de ver equi­pes ven­cen­do jo­gos com atu­a­ções con­vin­cen­tes, res­ga­tan­do a es­sên­cia do en­tre­te­ni­men­to que o es­por­te sem­pre se propôs en­tre­gar aos seus se­gui­do­res. No en­tan­to, não adi­an­ta jo­gar bem e, no fim das con­tas, ter­mi­nar o ano na quin­ta co­lo­ca­ção.

A tor­ci­da do Bahia, nos tem­pos áu­re­os do ti­me, se acos­tu­mou com um fu­te­bol com­pe­ti­ti­vo, mas vis­to­so. Foi bem acos­tu­ma­do com equi­pes ven­ce­do­ras e exu­be­ran­tes. En­xer­gan­do uma Sé­rie B de ní­vel téc­ni­co con­tes­tá­vel e um elen­co tri­co­lor aci­ma de mui­tos ri­vais na com­pe­ti­ção, tem ra­zão em exi­gir atu­a­ções mais con­vin­cen­tes. Ago­ra, no en­tan­to, o mais im­por­tan­te é tor­cer ape­nas por re­sul­ta­dos nos pró­xi­mos 19 di­as e co­me­mo­rar o aces­so à Sé­rie A do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. Após is­so, é obri­ga­ção da di­re­to­ria do clu­be re­pen­sar a pos­tu­ra pa­ra 2017. Se tem pas­sa­do su­fo­co pa­ra se ga­ran­tir en­tre os qua­tro pri­mei­ros da se­gun­da di­vi­são na­ci­o­nal, não po­de re­pe­tir a re­cei­ta num dos cam­pe­o­na­tos na­ci­o­nais mais equi­li­bra­dos do pla­ne­ta na pró­xi­ma tem­po­ra­da.

A dis­cus­são “de­sem­pe­nho x re­sul­ta­do” ga­nha for­ça nes­te fim de

Sé­rie B, e com al­gu­mas ra­zões. O Bahia tem ti­me pa­ra jo­gar me­lhor do que

tem jo­ga­do fo­ra de ca­sa

el­ton.ser­ra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.