DE­CI­SÃO DO SU­PRE­MO

Correio da Bahia - - Mais -

quan­to do va­quei­ro”, de­fen­deu o ad­vo­ga­do da ABV, Mar­cel Car­va­lhal.

LAMENTO SERTANEJO

Com 63 anos de ida­de, Eli­e­zer Car­nei­ro é um dos que car­re­gam a tra­di­ção de ser va­quei­ro des­de os 8 anos, quan­do apren­deu o ofí­cio com pai. “Meu pai apren­deu com o pai de­le tam­bém e is­so é sus­ten­to do ho­mem do ser­tão. Tem mui­ta gen­te que vi­ve dis­so. Se ti­ver al­guém que mal­tra­te um ani­mal, ele de­ve ser pu­ni­do e não aca­bar com o que ga­ran­te a so­bre­vi­vên­cia da gen­te”, dis­se o va­quei­ro, que veio do mu­ni­cí­pio de Pe­drão, no Cen­tro-nor­te do es­ta­do, pa­ra par­ti­ci­par do mo­vi­men­to. “Ser va­quei­ro é vi­ver a la­bu­ta do cam­po e ti­rar de­le o sus­ten­to”, com­ple­tou.

O ad­mi­nis­tra­dor ru­ral e pra­ti­can­te de ca­val­ga­da, Tar­cí­sio Co­e­lho, tam­bém de­fen­de a va­que­ja­da. “Uma ca­ne­ta­da não po­de aca­bar com is­so sem pro­mo­ver uma au­di­ên­cia pú­bli­ca e ou­vir os se­to­res en­vol­vi­dos. É pre­ci­so en­ten­der a evo­lu­ção da va­que­ja­da. To­do mun­do gos­ta de uma pi­ca­nha na bra­sa, mas não sa­be o que se pas­sa pa­ra es­ta car­ne che­gar até a me­sa”, ilus­trou.

NÚ­ME­ROS

Se­gun­do da­dos da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Va­que­ja­da (ABVAQ), o Bra­sil tem atu­al­men­te 50 mo­da­li­da­des de es­por­tes que en­vol­vem bois e ca­va­los. O país pos­sui ain­da o mai­or re­ba­nho de ca­va­los da Amé­ri­ca La­ti­na e o ter­cei­ro do mun­do. Só no ano pas­sa­do, o fa­tu­ra­men­to da in­dús­tria do ca­va­lo che­gou a R$ 16 bi­lhões. Na Bahia, são re­a­li­za­dos mais de 4 mil even­tos li­ga­dos a va­que­ja­da que mo­vi­men­tam R$ 800 mi­lhões por ano. O es­ta­do é ain­da do­no do mai­or re­ba­nho de equí­de­os do Bra­sil (ca­va­los, bur­ros, as­nos e mu­las).

A lei bai­a­na san­ci­o­na­da em 2015 re­gu­la­men­ta as vaquejadas e ca­val­ga­das co­mo prá­ti­cas es­por­ti­vas e cul­tu­rais. Nos even­tos, é proi­bi­da a par­ti­ci­pa­ção de ani­mais com fe­ri­men­tos e de bois com chi­fres pon­ti­a­gu­dos, com des­clas­si­fi­ca­ção do va­quei­ro que mal­tra­tar os bi­chos. O Ple­ná­rio do STF jul­gou pro­ce­den­te a Ação Di­re­ta de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de ajui­za­da pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca con­tra a Lei 15.299/2013, do Ce­a­rá, que re­gu­la­men­ta a va­que­ja­da co­mo prá­ti­ca des­por­ti­va e cul­tu­ral. No dia 6 de ou­tu­bro, a mai­o­ria dos mi­nis­tros acom­pa­nhou o vo­to do re­la­tor, mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, que con­si­de­rou ha­ver “cru­el­da­de in­trín­se­ca” apli­ca­da aos ani­mais na va­que­ja­da. Con­fi­ra tre­chos do vo­to do re­la­tor.

De­fi­ni­ção Pa­ra o mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, a va­que­ja­da con­sis­te em “ato re­pen­ti­no e vi­o­len­to de tra­ci­o­nar o boi pe­lo ra­bo, as­sim co­mo a ver­da­dei­ra tor­tu­ra pré­via – in­clu­si­ve por meio de es­to­ca­das de cho­ques elé­tri­cos – à qual é sub­me­ti­do o ani­mal, pa­ra que saia do es­ta­do de man­si­dão e dis­pa­re em fu­ga a fim de vi­a­bi­li­zar a per­se­gui­ção”.

Con­tra­di­tó­rio Se­gun­do re­la­tor, “ar­gu­men­to em de­fe­sa da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da nor­ma, no sen­ti­do de a dis­ci­pli­na da prá­ti­ca per­mi­tir se­ja re­a­li­za­da sem ame­a­ça à saú­de dos ani­mais, não sub­sis­te”.

Maus-tra­tos “Ine­xis­te a mí­ni­ma pos­si­bi­li­da­de de o boi não so­frer vi­o­lên­cia fí­si­ca e men­tal quan­do sub­me­ti­do a es­se tra­ta­men­to”, con­clui o mi­nis­tro em seu vo­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.