Odair Jo­sé ro­quenr­rol

Correio da Bahia - - Vida -

Em meu co­men­tá­rio so­bre o CD Dia 16, ti­tu­la­do por mim Odair Jo­sé Rein­ven­ta­do, es­cre­vi: “Odair Jo­sé lan­çou seu 35º dis­co de mú­si­cas iné­di­tas. Lá es­tão 12 fai­xas que ele cri­ou pa­ra tri­lhar o ca­mi­nho do rock’n’roll, dei­xan­do aflo­rar a sua por­ção ro­quei­ra”. Con­ti­nu­ei: “De­ci­são co­ra­jo­sa de um ar­tis­ta que atu­rou a pe­jo­ra­ti­va al­cu­nha de ‘ter­ror das em­pre­ga­das’, nos anos 1970. À épo­ca, al­guns de seus su­ces­sos fo­ram avas­sa­la­do­res, ca­so de Vou Ti­rar Vo­cê Des­te Lu­gar e Pa­re de To­mar a Pí­lu­la (...)”.

E se­gui: “Ca­da rock com­pos­to e gra­va­do por Odair Jo­sé de al­gu­ma for­ma sim­bo­li­za a vi­da co­ti­di­a­na, com su­as ilu­sões e dú­vi­das. As­sim, não foi à toa que a for­mu­la­ção es­té­ti­ca e exis­ten­ci­al do CD co­mo que ‘pe­diu’ ins­tru­men­tis­tas que com­pac­tu­as­sem o de­se­jo de Odair Jo­sé de tra­zer a sau­dá­vel ‘su­jei­ra’ do som ro­quei­ro pa­ra os ar­ran­jos (...)”.

Nes­te dis­co, gra­va­do em 2015, Odair Jo­sé cer­cou-se de ape­nas três ins­tru­men­tis­tas. E ago­ra, me­nos de um ano de­pois – re­lan­çan­do-se co­mo ro­quei­ro –, es­tão com ele ape­nas dois dos três mú­si­cos res­pon­sá­veis pe­los ins­tru­men­tais no CD an­te­ri­or: Ju­ni­or Freitas, que di­vi­diu a gui­tar­ra com Odair e ain­da to­cou bai­xo, te­cla­do e pi­a­no; e Caio Man­ci­ni, na ba­te­ria e na per­cus­são. O ál­bum atu­al tem tí­tu­lo bas­tan­te su­ges­ti­vo pa­ra uma al­ma ro­quei­ra, Ga­tos & Ra­tos (Ma­xi­mus Bra­sil). Pa­ra que se en­ten­da o que vai pe­la ca­be­ça de Odair Jo­sé, ao tra­zer a gui­tar­ra e sua “su­jei­ra” pa­ra seu mun­do mu­si­cal, va­le a pe­na ler o que ele diz so­bre o no­vo tra­ba­lho. Trans­cre­vo res­pei­tan­do as pon­tu­a­ções e os pa­rá­gra­fos do tex­to que es­tá no re­le­a­se: “Res­pei­tar as di­fe­ren­ças e ca­da um no seu qua­dra­do. Por trás des­sa cor­ti­na além da fron­tei­ra, o fu­tu­ro vol­ta ao pas­sa­do! Somos o lu­xo do li­xo, o la­do in­de­cen­te da men­te, a con­tra­cul­tu­ra. Mo­ra­mos na rua... é Car­ne Crua!

A mo­ral imo­ral de um pre­con­cei­to não acei­to e de re­pres­são no olhar... Cor­re, che­ga, en­cos­ta e quer pas­sar uma in­sa­na im­pu­ni­da­de que não po­de es­pe­rar!

Re­ve­lar o se­gre­do sem me­do, an­tes de che­gar o in­ver­no, pois o ca­mi­nho pro céu pas­sa per­to do in­fer­no!

A cul­pa é de quem jul­ga, con­de­na mas não jus­ti­fi­ca e nem ex­pli­ca... Pra on­de vão nos­sos im­pos­tos que de tu­do e a to­do mo­men­to são co­bra­dos? Sen­ta a pua, ago­ra vão ta­xar até mu­lher que fi­ca nua... O mun­do olha e não vê a cor do pe­ca­do!

Meu do­ce amar­go de açú­car mas­ca­vo...

Quem diz pra vo­cê não er­rar, ape­nas so­bre­vi­ve...

Faz tu­do er­ra­do, pre­so ao sis­te­ma não vi­ve...

Li­vre.”

O san­gue ro­quei­ro de Odair pul­sa em su­as vei­as. Sua ca­be­ça gi­ra ao som da gui­tar­ra. A mú­si­ca se­gue com ele. E as­sim, ele se­gue sua tra­je­tó­ria ru­mo (quem sa­be?) às pa­ra­das de su­ces­so, mais uma vez.

Nas dez fai­xas de Ga­tos & Ra­tos, sen­te-se cer­ta for­ça­da de mão pa­ra or­nar sua por­ção rock’n’roll. Con­tu­do, tal co­mo o seu vi­gor, sua sin­ce­ri­da­de é di­la­ce­ran­te. Ve­jo em Odair Jo­sé um can­tor/com­po­si­tor que não se de­tém di­an­te de li­mi­ta­ções que pos­sam in­ter­rom­per sua bus­ca pe­lo ro­quenr­rol que o re­di­mi­rá e o le­va­rá de vol­ta aos bra­ços da mul­ti­dão.

O san­gue ro­quei­ro de Odair pul­sa em su­as vei­as. Sua ca­be­ça gi­ra ao som da gui­tar­ra. A mú­si­ca se­gue com ele. E

as­sim, ele se­gue sua tra­je­tó­ria ru­mo (quem sa­be?) às pa­ra­das de su­ces­so, mais

uma vez.

aqui­lesmpb4@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.