O (de­sa) fo­ro pri­vi­le­gi­a­do

Correio da Bahia - - Front Page -

Um le­van­ta­men­to da Fo­lha de S.Pau­lo, com in­for­ma­ções for­ne­ci­das pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral a pe­di­do do pró­prio jor­nal, de­mons­trou que 84 ações pe­nais que tra­mi­tam no STF con­tra se­na­do­res e de­pu­ta­dos es­tão sem con­clu­são, em mé­dia, há se­te anos e oi­to me­ses. Des­ses pro­ces­sos, 22 (26%) se ar­ras­tam há mais de dez anos. Ou­tros 37 (44%) per­ma­ne­cem in­con­clu­sos há mais de seis anos. Mais qua­tro pro­ces­sos cri­mi­nais que têm con­gres­sis­tas co­mo réus es­pe­ram há mais de 15 anos pe­la ba­ti­da, ina­pe­lá­vel, do len­to mar­te­lo da Su­pre­ma Cor­te.

O ca­so mais em­ble­má­ti­co é o do se­na­dor Val­dir Raupp (PMDB-RO), réu em três ações cri­mi­nais, a pri­mei­ra ori­gi­ná­ria de um inqué­ri­to aber­to em 1998 pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra apu­rar su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des em sa­ques do FGTS pe­lo es­ta­do de Rondô­nia, en­tão go­ver­na­do pe­lo atu­al se­na­dor. O des­fe­cho dos jul­ga­men­tos dos pro­ces­sos cri­mi­nais con­tra de­pu­ta­dos e se­na­do­res po­de­ria ser bem mais cé­le­re se es­sas ações tra­mi­tas­sem na pri­mei­ra ins­tân­cia (Jus­ti­ça Co­mum). Ve­ja­mos a di­fe­ren­ça abis­sal: 22 ca­sos in­ves­ti­ga­dos pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to já fo­ram jul­ga­dos, com sen­ten­ças pro­la­ta­das pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro, em um tem­po mé­dio de um ano e seis me­ses.

Os pro­ces­sos con­tra de­pu­ta­dos e se­na­do­res vão pa­ra o STF de­vi­do a uma ex­cres­cên­cia que de­ve ser ex­tir­pa­da da le­gis­la­ção bra­si­lei­ra: o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do. Em bre­ve sín­te­se, atu­al­men­te a Cons­ti­tui­ção de 1988 con­fe­re ao Se­na­do Fe­de­ral com­pe­tên­cia pa­ra jul­gar o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o vi­ce-pre­si­den­te, os mi­nis­tros do STF, o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca e o ad­vo­ga­do-ge­ral da União, nos cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de (Art. 52, I e II). Ao STF ca­be jul­gar o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o vi­ce-pre­si­den­te, os mem­bros do Con­gres­so Na­ci­o­nal, seus pró­pri­os mi­nis­tros e o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca nos cri­mes co­muns e, nas in­fra­ções pe­nais co­muns e nos cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de, os mi­nis­tros de Es­ta­do, os mem­bros dos Tri­bu­nais Su­pe­ri­o­res (STJ, TST, TSE e STM), do Tri­bu­nal de Con­tas da União e che­fes de mis­são di­plo­má­ti­ca de ca­rá­ter per­ma­nen­te (Art. 102, I, “b” e “c”, CF/88).

O pa­ra­do­xo bra­si­lei­ro con­sis­te no fa­to de que o de­sa­fo­ra­men­to de­ve­ria, sim, ace­le­rar a con­clu­são des­ses pro­ces­sos, uma vez que con­tra a de­ci­são do STF não ca­be re­cur­so. Não é o que ve­mos. Pe­lo con­trá­rio, es­tar sob a ju­ris­di­ção do STF equi­va­le qua­se a uma blin­da­gem pa­ra de­lin­quir, pois são ra­ros os ca­sos de con­de­na­ção ju­di­ci­al de po­lí­ti­cos que se uti­li­zam da má­qui­na pú­bli­ca pa­ra se lo­cu­ple­tar e co­me­ter ou­tros cri­mes co­muns. Con­vém des­ta­car que o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral não pos­sui es­tru­tu­ra nem vo­ca­ção pa­ra pro­ces­sar po­lí­ti­cos, sen­do uma ins­tân­cia emi­nen­te­men­te re­cur­sal. Por es­sa ra­zão, pre­va­le­ce nes­sas ações a abo­mi­ná­vel im­pu­ni­da­de dos po­lí­ti­cos in­ves­ti­ga­dos ou pro­ces­sa­dos pe­ran­te o STF. A pro­pó­si­to, re­cen­te­men­te as­sis­ti­mos a ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ofe­re­cer um car­go de mi­nis­tro a um ou­tro ex-pre­si­den­te, com ca­rac­te­rís­ti­cas tí­pi­cas de um sal­vo con­du­to, a fim de so­cor­rê-lo com o tal fo­ro pri­vi­le­gi­a­do em ca­so de even­tu­al de­nún­cia cri­mi­nal con­tra ele. Mi­nis­tro não, si­nis­tro!

Pois bem! O mo­men­to atu­al de cor­rup­ção sis­tê­mi­ca no país é pro­mis­sor pa­ra que ha­ja um pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção le­gis­la­ti­va, com o fim do abo­mi­ná­vel fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, que, co­mo o pró­prio no­me su­ge­re, é um pri­vi­lé­gio des­ca­bi­do e acin­to­so aos prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais de igual­da­de e mo­ra­li­da­de. A tu­do is­so, acres­ce-se que a lon­ga tra­mi­ta­ção dos pro­ces­sos no STF au­men­ta o ris­co de pres­cri­ção das pe­nas. Pa­ra a sor­te de mui­tos po­lí­ti­cos e o de­sa­len­to do po­vo bra­si­lei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.