Juí­za é con­de­na­da por re­la­ção com tra­fi­can­te

Correio da Bahia - - Bahia -

PROXIMIDADE A juí­za Ol­ga Re­gi­na de Sou­za San­ti­a­go, do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da Bahia (TJ-BA), foi con­de­na­da on­tem pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ) por en­vol­vi­men­to com o nar­co­tra­fi­can­te co­lom­bi­a­no Gus­ta­vo Du­ran Bau­tis­ta, lí­der de um gru­po cri­mi­no­so es­pe­ci­a­li­za­do na ex­por­ta­ção de co­caí­na da Amé­ri­ca do Sul pa­ra a Eu­ro­pa. A juí­za era in­ves­ti­ga­da des­de 2007 na Ope­ra­ção São Fran­cis­co após ser fla­gra­da em con­ver­sas te­lefô­ni­cas com Bau­tis­ta - o com­pa­nhei­ro da juí­za, Bal­doí­no Di­as San­ta­na, tam­bém foi fla­gra­do nas con­ver­sas. Ne­las, foi cons­ta­ta­do o re­ce­bi­men­to de va­lo­res e a tro­ca de fa­vo­res da ma­gis­tra­da com o nar­co­tra­fi­can­te. “Obri­ga­da pe­las uvas, es­ta­vam ma­ra­vi­lho­sas” foi uma das fra­ses di­tas pe­la juí­za, se­gun­do o CNJ. A ma­gis­tra­da foi con­de­na­da à apo­sen­ta­do­ria com­pul­só­ria – pu­ni­ção má­xi­ma pre­vis­ta na Lei Or­gâ­ni­ca da Ma­gis­tra­tu­ra (Lo­man). O vo­to pe­la apo­sen­ta­do­ria com­pul­só­ria foi da­do pe­lo con­se­lhei­ro do CNJ Nor­ber­to Cam­pe­lo em um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo dis­ci­pli­nar (PAD) que pas­sou a tra­mi­tar no CNJ em 2013. O con­se­lhei­ro foi se­gui­do por una­ni­mi­da­de pe­los de­mais mem­bros. Uma ação pe­nal con­tra a juí­za cor­re na Jus­ti­ça bai­a­na. Ela é acu­sa­da de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro. Ain­da de acor­do com as in­ves­ti­ga­ções, as re­la­ções en­tre Ol­ga, seu com­pa­nhei­ro e Bau­tis­ta ti­ve­ram iní­cio em 2001, quan­do ela ino­cen­tou o nar­co­tra­fi­can­te em uma ação cri­mi­nal em que ele foi pre­so em fla­gran­te por trá­fi­co de dro­gas. A ins­pe­ção, re­a­li­za­da pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral, ocor­reu após uma de­nún­cia de tra­ba­lho es­cra­vo na Fa­zen­da Ma­ri­ad, que per­ten­cia ao tra­fi­can­te. A re­tri­bui­ção te­ria acon­te­ci­do em 2006. Gus­ta­vo Bau­tis­ta é acu- sa­do de de­po­si­tar a quan­tia de R$ 14,8 mil pa­ra a ma­gis­tra­da. Ele não che­gou a fa­zer o pa­ga­men­to to­tal, pois foi pre­so. “Além de to­dos es­ses fa­vo­res, (a juí­za) cui­dou pa­ra que Bau­tis­ta ti­ves­se no­tí­cia de tais pro­vi­dên­ci­as di­re­ta­men­te por ela, pas­san­do-lhe as in­for­ma­ções por te­le­fo­ne”, diz o vo­to do CNJ. Du­ran­te a ses­são, o con­se­lhei­ro No­ber­to Cam­pe­lo ex­pli­cou que o re­pas­se de va­lo­res do tra­fi­can­te pa­ra a juí­za era fei­to atra­vés de trans­fe­rên­ci­as ban­cá­ri­as e en­ve­lo­pes com di­nhei­ro en­tre­gues pes­so­al­men­te. Em um dos re­ce­bi­men­tos, Bau­tis­ta ad­qui­riu por R$ 160 mil uma ca­sa que per­ten­cia ao fi­lho de Ol­ga e que te­ria lhe cus­ta­do ape­nas R$ 15 mil. A ne­go­ci­a­ção es­tá sen­do in­ves­ti­ga­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co co­mo la­va­gem de di­nhei­ro. O Tri­bu­nal de Jus­ti­ça in­for­mou que a juí­za já ha­via si­do afas­ta­da de su­as ati­vi­da­des des­de a aber­tu­ra do pro­ces­so no TJ-BA, em 2008. De­pois, por in­va­li­dez, ela foi apo­sen­ta­da, mas, ago­ra, com a de­ci­são do CNJ, po­de­rá ter o be­ne­fí­cio re­vi­sa­do pro­por­ci­o­nal­men­te ao tem­po de ser­vi­ço. De­fen­sor da juí­za, o ad­vo­ga­do Már­cio Me­dei­ros Bas­tos afir­mou ao si­te UOL que vai re­cor­rer da de­ci­são.

Ol­ga Re­gi­na de Sou­za San­ti­a­go já es­tá apo­sen­ta­da por in­va­li­dez

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.