24h Em de­poi­men­to, Cer­ve­ró rei­te­ra acu­sa­ções con­tra Lu­la e Dil­ma

Correio da Bahia - - Brasil -

LA­VA JA­TO Em de­poi­men­to pres­ta­do on­tem à Jus­ti­ça Fe­de­ral, o ex-di­re­tor da Área In­ter­na­ci­o­nal da Pe­tro­bras Nes­tor Cer­ve­ró rei­te­rou acu­sa­ções con­tra os ex-pre­si­den­tes Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va e Dil­ma Rous­seff. Ele dis­se que foi in­di­ca­do por Lu­la pa­ra o co­man­do da Di­re­to­ria Fi­nan­cei­ra da BR Dis­tri­bui­do­ra em 2008, co­mo re­tri­bui­ção por ter aju­da­do a qui­tar uma dí­vi­da do PT com re­cur­sos de um con­tra­to da es­ta­tal. Além dis­so, im­pli­cou Dil­ma nu­ma su­pos­ta tra­ma pa­ra li­vrá-lo da pri­são. O de­poi­men­to de Cer­ve­ró, por vi­de­o­con­fe­rên­cia, foi fei­to pe­la 10ª Va­ra Fe­de­ral de Brasília, pa­ra ins­truir ação pe­nal que ava­lia a su­pos­ta atu­a­ção de Lu­la e ou­tros réus da La­va Ja­to num es­que­ma pa­ra evi­tar que ele fe­chas­se acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da. Dil­ma não es­tá in­cluí­da en­tre os acu­sa­dos que res­pon­dem ao pro­ces­so.

O ex-di­re­tor con­tou que, em mar­ço de 2008, foi des­ti­tuí­do da di­re­ção da Pe­tro­bras. A de­mis­são, se­gun­do ele, se deu por pres­são da ban­ca­da do PMDB na Câ­ma­ra, que pre­ten­dia dar o car­go a Jor­ge Ze­la­da. Se­gun­do Cer­ve­ró, Lu­la te­ria ce­di­do ao pe­di­do pa­ra que os par­la­men­ta­res não vo­tas­sem con­tra o go­ver­no na ses­são que de­ci­di­ria so­bre a vol­ta da CPMF.

Cer­ve­ró foi co­mu­ni­ca­do da de­ci­são na reu­nião do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Pe­tro­bras do dia 3 da­que­le mês. Ho­ras de­pois, o ex-pre­si­den­te da BR Jo­sé Edu­ar­do Du­tra, que mor­reu em ou­tu­bro de 2015, avi­sou so­bre sua in­di­ca­ção pa­ra a dis­tri­bui­do­ra da es­ta­tal. “A in­for­ma­ção que me foi da­da é de que is­so se­ria um re­co­nhe­ci­men­to do tra­ba­lho que eu te­ria fei­to pa­ra li­qui­da­ção da dí­vi­da do PT em 2006”, de­cla­rou.

O ex-di­re­tor atu­ou na con­tra­ta­ção do Gru­po Schahin pa­ra ope­rar, por US$ 1,6 bi­lhão, o na­vio-son­da Vi­tó­ria 10.000 na Ba­cia de San­tos. Se­gun­do a for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to, o con­tra­to foi fir­ma­do em 2009 pa­ra que o Ban­co Schahin per­do­as­se dí­vi­da de R$ 12 mi­lhões con­traí­da pe­lo pe­cu­a­ris­ta Jo­sé Car­los Bum­lai, ami­go de Lu­la, a pe­di­do do PT. Cer­ve­ró pon­de­rou, con­tu­do, que não sou­be por Lu­la que a in­di­ca­ção par­tiu do pe­tis­ta e se deu por “gra­ti­dão”. “Na épo­ca, me foi di­to pe­lo pes­so­al do Ban­co Schahin”, in­for­mou. O ex-di­re­tor con­tou ain­da que, quan­do es­ta­va pre­so, seu ad­vo­ga­do, Edi­son Ri­bei­ro, le­vou a ele um re­ca­do do en­tão se­na­dor e lí­der de go­ver­no, Del­cí­dio Ama­ral (ex-PT), ho­je cas­sa­do, de que Dil­ma te­ria tra­ta­do in­di­re­ta­men­te de sua si­tu­a­ção jun­to ao Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça. “Es­ta­va acer­ta­do que o meu HC (ha­be­as cor­pus) sai­ria, mas que is­so não se­ria su­fi­ci­en­te. De­pois ha­ve­ria uma no­va or­dem de pri­são e que eu pre­ci­sa­va sair do país”, acres­cen­tou Cer­ve­ró. O ad­vo­ga­do de Lu­la, Jo­sé Ro­ber­to Ba­to­chio, dis­se que ne­nhum dos de­poi­men­tos da­dos nes­sa ação pe­nal ci­tou o ex-pre­si­den­te de “for­ma di­re­ta”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.