De­fei­tos do sis­te­ma

Correio da Bahia - - Economia -

As fi­las e o en­tu­si­as­mo dos elei­to­res co­me­ça­ram a de­sa­nu­vi­ar o cli­ma ten­so dos úl­ti­mos di­as de ata­ques en­tre os can­di­da­tos ame­ri­ca­nos, mas ain­da há um lon­go ca­mi­nho até se cu­rar as fe­ri­das des­ta cam­pa­nha. Ela po­de­ria ter si­do uma dis­pu­ta bo­ni­ta, en­tre a pri­mei­ra mu­lher e o pri­mei­ro out­si­der de um sis­te­ma que já mos­trou seu en­ve­lhe­ci­men­to. A ta­re­fa ago­ra se­rá reu­nir o país.

Quan­do foi vo­tar, Hil­lary Clin­ton ou­viu a per­gun­ta so­bre se ha­via pen­sa­do na mãe de­la, na­que­le dia. Do­rothy Rodham nas­ceu no dia em que foi apro­va­do o di­rei­to de vo­to pa­ra as mu­lhe­res. Era im­pos­sí­vel não pen­sar no quan­to a so­ci­e­da­de ame­ri­ca­na avan­çou na re­de­fi­ni­ção do pa­pel da mu­lher. Da mes­ma for­ma co­mo foi im­pres­si­o­nan­te a tra­je­tó­ria de Ba­rack Oba­ma, nas­ci­do an­tes da apro­va­ção dos di­rei­tos ci­vis.

Do­nald Trump Jr., num ca­nal de TV, fa­lou do con­ta­to do seu pai com mi­lha­res de ame­ri­ca­nos que trou­xe­ram a ele su­as frus­tra­ções. Is­so é ver­da­de. Por mais que o pró­prio can­di­da­to pa­re­ces­se a tan­tos uma ca­ri­ca­tu­ra, os vo­tos que Trump con­quis­tou ex­pres­sam o sen­ti­men­to re­al de mi­lhões de fa­mí­li­as de que a mai­or eco­no­mia do mun­do, mes­mo quan­do cres­ce, não pro­duz o mes­mo vo­lu­me de ri­que­za. Há um cres­ci­men­to econô­mi­co ho­je que não dá aos tra­ba­lha­do­res a mes­ma sen­sa­ção de afluên­cia de al­gu­mas dé­ca­das atrás. Não é cul­pa do pre­si­den­te Oba­ma, nem mes­mo da Chi­na ou do Mé­xi­co, co­mo dis­se Trump. O mun­do do tra­ba­lho mu­dou ra­di­cal­men­te, uma par­te da in­dús­tria es­tá em de­ca­dên­cia, sen­do subs­ti­tuí­da por ou­tros po­los pro­du­ti­vos. Mui­tos da­que­les tra­ba­lha­do­res, sem cur­so su­pe­ri­or, não con­se­guem o mes­mo sta­tus que seus pais ti­ve­ram.

Es­se te­ma, da qua­li­da­de do cres­ci­men­to econô­mi­co, po­de­ria até ter si­do dis­cu­ti­do mais pro­fun­da­men­te, não fos­se o vo­lu­me de de­ci­béis com que se tra­vou o con­fron­to de idei­as du­ran­te a cam­pa­nha. Uma elei­ção é sem­pre uma opor­tu­ni­da­de de dis­cu­tir pro­ble­mas que re­al­men­te afe­tem o país. A dis­pu­ta en­tre Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump foi de­fi­ni­da co­mo “feia” e “su­ja” pe­la im­pren­sa, pe­la vi­o­lên­cia dos ata­ques en­tre os can­di­da­tos e pe­la au­sên­cia de te­mas re­le­van­tes em dis­cus­são. O mais im­por­tan­te ago­ra se­rá pa­vi­men­tar a re­cons­tru­ção do con­sen­so em tor­no de al­guns va­lo­res.

Em 2008, na elei­ção que le­vou Ba­rack Oba­ma ao po­der, a cri­se fi­nan­cei­ra ex­plo­diu na re­ta fi­nal da dis­pu­ta e is­so vi­rou as­sun­to, evi­den­te­men­te, mas o can­di­da­to de­mo­cra­ta ti­nha le­va­do pa­ra os de­ba­tes o te­ma emer­gen­te da mu­dan­ça cli­má­ti­ca. E com ar­te e com­pe­tên­cia mis­tu­rou os dois as­sun­tos, de­fen­den­do que par­te da re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca ame­ri­ca­na po­de­ria ocor­rer atra­vés do de­sen­vol­vi­men­to da ener­gia lim­pa ou da ado­ção de for­mas de pro­du­ção de bai­xo car­bo­no. De fa­to, is­so fez par­te do cres­ci­men­to ame­ri­ca­no que pas­sou a ocor­rer — ain­da que em rit­mo len­to — após 2010. Nes­ta elei­ção nos Es­ta­dos Uni­dos na­da de con­teú­do foi dis­cu­ti­do e o aque­ci­men­to glo­bal se­quer foi to­ca­do nos de­ba­tes ou te­ve es­pa­ços na mí­dia.

Fo­ram ex­pos­tas ape­nas as fra­tu­ras da so­ci­e­da­de ame­ri­ca­na e há mui­to a re­fle­tir di­an­te do mo­vi­men­to que le­vou tão lon­ge uma pes­soa es­tra­nha ao mun­do po­lí­ti­co e com idei­as exó­ti­cas co­mo Do­nald Trump. O “New York Ti­mes” em um edi­to­ri­al o de­fi­niu co­mo “ig­no­ran­te e ti­ra­no”. Sem mei­as pa­la­vras. Aliás, es­ta foi uma cam­pa­nha que ex­tin­guiu as de­li­ca­de­zas.

Ao fim de­la, to­dos têm mui­to em que pen­sar. O Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no ga­nhou as du­as elei­ções com Ge­or­ge Bush e nos dois man­da­tos de Ba­rack Oba­ma con­se­guiu ter mai­o­ria em uma ou nas du­as Ca­sas. Mes­mo as­sim, não cons­truiu uma li­de­ran­ça ca­paz de se con­tra­por a Do­nald Trump. Ele ven­ceu 16 opo­nen­tes an­tes de se im­por co­mo can­di­da­to do par­ti­do. O Par­ti­do De­mo­cra­ta, de­pois de dois man­da­tos pre­si­den­ci­ais, com o pre­si­den­te au­men­tan­do a sua po­pu­la­ri­da­de em fim de go­ver­no, en­fren­tou mui­tas di­fi­cul­da­des em inú­me­ros dis­tri­tos. O sis­te­ma bi­par­ti­dá­rio não re­fle­te a plu­ra­li­da­de da so­ci­e­da­de ame­ri­ca­na. A elei­ção mos­trou que enor­mes par­ce­las do elei­to­ra­do não se sen­tem re­pre­sen­ta­dos pe­los dois ve­lhos par­ti­dos. Não fo­ram dis­cu­ti­dos te­mas im­por­tan­tes, mas es­sa cam­pa­nha con­se­guiu — com maus mo­dos — re­ve­lar tra­ba­lhos ur­gen­tes pa­ra cor­ri­gir os de­fei­tos da de­mo­cra­cia ame­ri­ca­na.

__________

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.