Aqui não, Ar­gen­ti­na!

Correio da Bahia - - Esporte -

Ama­nhã é dia de as­sis­tir ao mai­or clás­si­co do fu­te­bol mun­di­al. Bra­sil e Ar­gen­ti­na se en­fren­ta­rão pe­la 11ª ro­da­da das Eli­mi­na­tó­ri­as Sul-Ame­ri­ca­nas pa­ra a Co­pa do Mun­do de 2018, na Rús­sia. En­quan­to a equi­pe ver­de e ama­re­la li­de­ra a com­pe­ti­ção, os her­ma­nos fi­gu­ram ape­nas na sex­ta co­lo­ca­ção, fo­ra até mes­mo da zo­na de clas­si­fi­ca­ção pa­ra a re­pes­ca­gem. O pal­co do du­e­lo se­rá o Mi­nei­rão e, ape­nas por es­se mo­ti­vo, o jo­go já ga­nha in­gre­di­en­tes es­pe­ci­ais, afi­nal, foi lá que a Se­le­ção so­freu a sua pi­or der­ro­ta na his­tó­ria. Mas pre­fi­ro não me alon­gar na go­le­a­da de 7x1 da Ale­ma­nha, na se­mi­fi­nal do Mun­di­al de 2014.

Pa­ra en­ten­der um pou­co da ri­va­li­da­de en­tre Bra­sil e Ar­gen­ti­na, é pre­ci­so vol­tar um pou­qui­nho no tem­po, mais pre­ci­sa­men­te em 1494, ano em que foi as­si­na­do o Tra­ta­do de Tor­de­si­lhas. Por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis ini­ci­a­ram es­sa con­fu­são lo­go após o des­co­bri­men­to da Amé­ri­ca, quan­do di­vi­di­ram as su­as ter­ras. Po­de-se di­zer que, ain­da de for­ma em­bri­o­ná­ria, es­sa foi a pri­mei­ra se­pa­ra­ção en­tre os paí­ses sul-ame­ri­ca­nos.

Mais tar­de, en­tre 1825 e 1828, os paí­ses en­tra­ram em con­fli­to na Guer­ra da Cis­pla­ti­na, que con­sis­tia na pos­se do ter­ri­tó­rio on­de ho­je fi­ca o Uru­guai – na épo­ca, cha­ma­do de Pro­vín­ci­as Uni­das do Rio da Pra­ta. Ne­nhum dos dois saiu ven­ce­dor e os uru­guai­os con­se­gui­ram a in­de­pen­dên­cia. A ri­va­li­da­de é tan­ta que, nos li­vros de his­tó­ria da Ar­gen­ti­na, a ba­ta­lha fi­cou co­nhe­ci­da co­mo Guer­ra do Bra­sil.

Ou­tra dis­pu­ta po­lí­ti­ca acon­te­ceu na dé­ca­da de 70, du­ran­te a cons­tru­ção de Usi­na de Itai­pu, no Rio Pa­ra­ná, na fron­tei­ra en­tre o Bra­sil e Pa­ra­guai. Cons­truí­da em par­ce­ria com os pa­ra­guai­os, a obra da­va ca­la­fri­os aos ar­gen­ti­nos. Par­te da im­pren­sa de Bu­e­nos Ai­res no­ti­ci­a­va que, ca­so as com­por­tas do lo­cal fos­sem aber­tas, a ca­pi­tal fi­ca­ria sub­mer­sa de­vi­do ao va­za­men­to de 40 km³ de água. A Ar­gen­ti­na, além dis­so, tam­bém ti­nha o de­se­jo de cons­truir uma usi­na com os pa­ra­guai­os. Um acor­do di­plo­má­ti­co, no en­tan­to, deu fim a es­sa dis­cus­são. A par­tir de 1991, com a cri­a­ção do Mer­co­sul, a re­la­ção en­tre Bra­sil e Ar­gen­ti­na me­lho­rou con­si­de­ra­vel­men­te. Den­tro das qua­tro li­nhas, no en­tan­to, o cli­ma ten­so só au­men­ta com o pas­sar dos anos. O pri­mei­ro em­ba­te acon­te­ceu no dia 20 de se­tem­bro de 1914, num amis­to­so re­a­li­za­do em Bu­e­nos Ai­res. Vi­tó­ria de 3x0 pa­ra os ar­gen­ti­nos. Uma se­ma­na de­pois, en­tre­tan­to, o ti­me ca­na­ri­nho con­quis­tou a Co­pa Ro­ca lá mes­mo com o triun­fo por 1x0. Ho­je, o jo­go é co­nhe­ci­do co­mo Su­per­clás­si­co das Amé­ri­cas e não acon­te­ce des­de 2014. Ao to­do, são 11 tí­tu­los bra­si­lei­ros e qua­tro ar­gen­ti­nos.

Em 1920, num ou­tro amis­to­so em Bu­e­nos Ai­res, a Se­le­ção Bra­si­lei­ra foi re­ce­bi­da pe­la im­pren­sa lo­cal com man­che­tes e char­ges de cu­nho ra­cis­ta, con­ten­do o ter­mo “ma­ca­qui­tos”, que até ho­je é a for­ma co­mo al­guns ar­gen­ti­nos se re­fe­rem aos bra­si­lei­ros. In­fe­liz­men­te, na­que­la oca­sião, os di­ri­gen­tes bra­si­lei­ros, ao in­vés de en­ca­ra­rem a si­tu­a­ção, re­ti­ra­ram os ne­gros do ti­me e mon­ta­ram uma equi­pe mes­cla­da, com jo­ga­do­res ar­gen­ti­nos, per­den­do o con­fron­to por 3x1.

Em Co­pas do Mun­do, os ri­vais fi­ze­ram par­ti­das em­ble­má­ti­cas. Na edi­ção de 1978, dis­pu­ta­da em ter­ri­tó­rio al­bi­ce­les­te, em­pa­te em 0x0 após um jo­go mui­to vi­o­len­to. De­pois, eles se clas­si­fi­ca­ram pa­ra a de­ci­são com uma go­le­a­da de 6x0 so­bre o Pe­ru. As sus­pei­tas de fa­ci­li­ta­ção por par­te dos pe­ru­a­nos per­du­ram até os di­as atu­ais.

Anos mais tar­de, na Co­pa de 1990, na Ale­ma­nha, uma eli­mi­na­ção doí­da pa­ra os bra­si­lei­ros. Em em­ba­te pe­las oi­ta­vas de fi­nal, 1x0 pa­ra os her­ma­nos, gol de Ca­nig­gia aos 35 mi­nu­tos do se­gun­do tem­po. Cré­di­to to­tal pa­ra Ma­ra­do­na, que pas­sou por qua­tro bra­si­lei­ros an­tes de ser­vir ao com­pa­nhei­ro. O jo­go tam­bém fi­cou mar­ca­do pe­la his­tó­ria, ad­mi­ti­da de­pois por Ma­ra­do­na, de que te­ria da­do uma água ba­ti­za­da com tran­qui­li­zan­tes pa­ra o la­te­ral-es­quer­do Bran­co.

Já na Co­pa Amé­ri­ca de 1989, dis­pu­ta­da no Bra­sil, vi­tó­ria nos­sa por 2x0 na de­ci­são, com di­rei­to a uma lin­da ta­ba­ca de Ro­má­rio em Ma­ra­do­na. Na edi­ção de 2004, Te­vez fez gra­ça an­tes do jo­go ter­mi­nar e Adri­a­no Im­pe­ra­dor em­pa­tou no úl­ti­mo mi­nu­to, le­van­do a de­ci­são pa­ra os pê­nal­tis e ti­ran­do um tí­tu­lo que já es­ta­va nas mãos ar­gen­ti­nas. Na Co­pa das Con­fe­de­ra­ções de 2005, em ou­tra de­ci­são, hu­mi­lhan­te go­le­a­da so­bre eles por 4x1. Ka­ká, Ro­nal­di­nho, Adri­a­no e Ro­bi­nho fi­ze­ram es­tra­go. Pois é... Ama­nhã tem Bra­sil x Ar­gen­ti­na, ami­gos!

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.