24h

Correio da Bahia - - Front Page -

Foi um no­vo Do­nald Trump que sur­giu na ma­dru­ga­da de on­tem, no sa­lão de bai­le do ho­tel Hil­ton, em No­va York pa­ra fa­zer o tra­di­ci­o­nal dis­cur­so da vi­tó­ria. Saiu de ce­na o ha­ter (aque­le que des­ti­la ódio), o ma­chis­ta ho­mo­fó­bi­co xe­nó­fo­bo que pro­ta­go­ni­zou ga­fes e es­cân­da­los du­ran­te to­da a elei­ção e co­man­dou ata­ques que fi­ze­ram des­ta a mais vi­o­len­ta dis­pu­ta pre­si­den­ci­al da his­tó­ria dos Es­ta­dos Uni­dos.

Sur­giu um ho­mem que ga­ran­tiu go­ver­nar pa­ra to­dos os ame­ri­ca­nos a par­tir da pos­se, em ja­nei­ro. Pe­din­do a união de re­pu­bli­ca­nos e de­mo­cra­tas (os dois mai­o­res par­ti­dos do país), Trump pro­me­teu: “Tra­ba­lhan­do jun­tos, va­mos co­me­çar a ta­re­fa ur­gen­te de reu­nir nos­sa na­ção. É is­so que que­ro fa­zer ago­ra por nos­so país”. So­brou elo­gi­os até pa­ra sua con­cor­ren­te, Hil­lary Clin­ton: “Aca­bo de re­ce­ber uma li­ga­ção da se­cre­tá­ria Clin­ton. Ela nos con­gra­tu­lou pe­la nos­sa vi­tó­ria e eu con­gra­tu­lei ela e sua fa­mí­lia por uma cam­pa­nha mui­to du­ra. Ela lu­tou mui­to. Nós de­ve­mos a ela uma dí­vi­da de gra­ti­dão por seu ser­vi­ço ao país”.

E vol­tou a pro­me­ter a seus elei­to­res que tra­ba­lha­rá pe­los “es­que­ci­dos”. “Os ho­mens e mu­lhe­res es­que­ci­dos não se­rão mais es­que­ci­dos. Va­mos co­lo­car mi­lhões pa­ra tra­ba­lhar en­quan­to re­cons­trui­mos (o país). Va­mos do­brar nos­so cres­ci­men­to e ter a eco­no­mia mais for­te do mun­do”.

SUR­PRE­SA

Até pou­cas ho­ras an­tes, a de­mo­cra­ta era a fa­vo­ri­ta pa­ra ga­nhar a elei­ção. E a vi­tó­ria do re­pu­bli­ca­no sur­pre­en­deu não só por des­men­tir os ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa, mas pe­lo te­or das pro­mes­sas elei­to­rais do re­pu­bli­ca­no. In­ter­na­men­te, as idei­as de ex­pul­sar imi­gran­tes, im­pe­dir a en­tra­da de mu­çul­ma­nos ou cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co le­va­ram os EUA - um país de po­pu­la­ção mul­ti­cul­tu­ral - a um grau de ra­di­ca­li­za­ção iné­di­to.

Ex­ter­na­men­te, as ga­ran­ti­as de que os EUA - a mai­or po­tên­cia econô­mi­ca e mi­li­tar do pla­ne­ta - se re­ti­ra­ri­am da Otan, de que re­vo­ga­ri­am o acor­do cli­má­ti­co glo­bal e que pu­ni­ri­am em­pre­sas que dei­xas­sem o país cau­sa­vam pâ­ni­co em par­cei­ros co­me­ri­ci­as e po­lí­ti­cos es­tra­té­gi­cos.

O que des­tas pa­la­vras - da cam­pa­nha ou do dis­cur­so da vi­tó­ria - se­rá cum­pri­do ou le­va­do pe­lo ven­to põe um no­vo in­gre­di­en­te de ins­ta­bi­li­da­de no mun­do. Se­rá Trump, um mag­na­ta que fa­liu di­ver­sos ne­gó­ci­os, um apre­sen­ta­dor de TV que se no­ta­bi­li­zou pe­lo bor­dão “You’re fi­red” (Vo­cê es­tá de­mi­ti­do), ou um em­pre­sá­rio que ex­plo­rou tra­ba­lha­do­res me­xi­ca­nos ile­gais ca­paz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.