Jo­go fá­cil é coi­sa do pas­sa­do

Correio da Bahia - - Esporte - Her­bem Gra­ma­cho

Bahia 1x0 Sam­paio Cor­rêa, Vasco 1x1 Lu­ver­den­se, Oes­te 0x0 Avaí, Náu­ti­co 1x0 Goiás, Tu­pi 3x4 CRB, Lon­dri­na 2x3 Atlé­ti­co Goi­a­ni­en­se. Jo­go fá­cil? A re­ta fi­nal da Sé­rie B mos­tra que não é bem por aí. Não é mais ho­ra de co­brar gran­des atu­a­ções, e sim gran­des re­sul­ta­dos.

Foi is­so que o Bahia con­se­guiu nu­ma noi­te de ter­ça-fei­ra qu­a­se trá­gi­ca em que a Fon­te No­va trans­bor­da­va con­fi­an­ça e oti­mis­mo. Me­lhor man­dan­te, ad­ver­sá­rio lan­ter­ni­nha, re­cor­de de pú­bli­co no es­tá­dio, ação de mar­ke­ting dis­tri­buin­do es­cu­do de pa­pe­lão pa­ra a torcida. Di­fí­cil evi­tar que o tor­ce­dor crie um cli­ma de em­pol­ga­ção an­tes da bo­la ro­lar. Na ar­qui­ban­ca­da, ele se sen­tia co­mo se a par­ti­da já co­me­ças­se 2x0 e o ti­me fos­se fa­zer mais gols na ho­ra que qui­ses­se. Em cam­po, a ruin­da­de do Sam­paio e o iní­cio de par­ti­da do Bahia re­for­ça­vam o sen­ti­men­to.

Mas pra ga­nhar tem que pro­var. E o que se via ao lon­go dos 90 mi­nu­tos era ou­tro ce­ná­rio: Her­na­ne jo­gan­do pe­dra em to­dos os santos, la­te­rais cru­zan­do a es­mo, Ju­ni­nho sain­do ma­chu­ca­do lo­go após o in­ter­va­lo. Re­na­to Ca­já – que fa­zia uma par­ti­da me­di­a­na e saiu vai­a­do por­que o tor­ce­dor co­bra co­mo se ele fos­se Ro­nal­di­nho Gaú­cho no au­ge – foi subs­ti­tuí­do mi­nu­tos de­pois, o que ter­mi­na­va de dei­xar a equi­pe um tan­to acé­fa­la. Pi­or: Ré­gis, sus­pen­so, não es­ta­va no ban­co, e o ti­me trans­cor­reu o se­gun­do tem­po de­pen­den­te de so­lu­ções cri­a­ti­vas de Luiz An­to­nio, Re­nê Jú­ni­or, Al­la­no, Mi­sa­el. Re­al­men­te, jo­go du­ro. O Bahia ti­nha a bo­la, mas, na­que­la noi­te, não mos­tra­va ca­pa­ci­da­de de usá-la a seu fa­vor. As jo­ga­das não fluíam e a im­pa­ci­ên­cia au­men­ta­va. O des­fe­cho dra­má­ti­co e he­roi­co da par­ti­da não é mais no­vi­da­de pa­ra nin­guém. Nu­ma par­ti­da da qual a equi­pe te­ve pou­co a ex­trair tec­ni­ca­men­te e ta­ti­ca­men­te, me agra­da a pos­tu­ra pé no chão de Gu­to Fer­rei­ra, sem­pre ten­tan­do con­ter a eu­fo­ria que vai de fo­ra pa­ra den­tro do elen­co. O prag­ma­tis­mo tam­bém che­ga em boa ho­ra: “Da­qui pra fren­te não pre­ci­sa ser ne­nhu­ma vi­tó­ria de 3x0. Po­dem ser três triun­fos de 1x0. Pra mim é me­lhor três triun­fos de 1x0 do que um triun­fo de 3x0 e de­pois não triun­far nas ou­tras du­as”. De um em um, o Bahia tem en­chi­do o papo. Em­ba­lou sem jo­gar bem con­tra Vi­la No­va e Sam­paio Cor­rêa, am­bos ven­ci­dos por 1x0. São cin­co vi­tó­ri­as e um em­pa­te nos úl­ti­mos seis jo­gos, o me­lhor mo­men­to do clu­be na com­pe­ti­ção. O Lu­ver­den­se não quer mais na­da na Sé­rie B. Jo­go fá­cil? Me­lhor não con­tar com is­so.

O Bahia es­tá a du­as vi­tó­ri­as do aces­so pa­ra não de­pen­der de nin­guém. Ca­so che­gue a 65 pon­tos, o tri­co­lor só não su­bi­rá se uma com­bi­na­ção ir­re­al de re­sul­ta­dos acon­te­cer, a pon­to do Avaí ti­rar uma di­fe­ren­ça de 16 gols de sal­do. A ba­ta­lha ain­da é ár­dua, afi­nal, ga­nhar du­as de três par­ti­das é uma ta­re­fa di­fí­cil, ain­da mais com dois jo­gos fo­ra de ca­sa. Mas se es­tá di­fí­cil pa­ra o Bahia, ago­ra es­tá mais ain­da pa­ra Vasco, Avaí, Náu­ti­co e CRB.

Nu­ma par­ti­da da qual a equi­pe te­ve pou­co a ex­trair, me agra­da a pos­tu­ra pé no

chão de Gu­to Fer­rei­ra, sem­pre ten­tan­do con­ter a eu­fo­ria que vai de fo­ra pa­ra

den­tro do elen­co

BA-VI DE PRI­MEI­RA

Es­tá ca­da vez mais pró­xi­ma a con­fir­ma­ção (ou não) do Ba-Vi na pri­mei­ra di­vi­são em 2017. As­sim co­mo o aces­so do Bahia, a per­ma­nên­cia do Vi­tó­ria tam­bém é al­go pal­pá­vel. Pou­co pe­lo que o ru­bro-ne­gro tem fei­to até aqui e mui­to pe­lo que o In­ter­na­ci­o­nal tem dei­xa­do de fa­zer. Se acha­mos o Leão ex­ces­si­va­men­te de­pen­den­te de Ma­ri­nho, e é, o ti­me gaú­cho tem li­mi­ta­ções ain­da mai­o­res.

O Vi­tó­ria ga­nha mui­to com o fa­to da torcida ter abra­ça­do o ti­me nes­ta re­ta fi­nal, co­mo fez di­an­te do Cru­zei­ro e do Atlé­ti­co Pa­ra­na­en­se, am­bos com in­gres­so a R$ 10 e pú­bli­co su­pe­ri­or a 20 mil pa­gan­tes. Ape­sar da even­tu­al in­sa­tis­fa­ção com a di­re­to­ria, o tor­ce­dor não abre mão de es­tar per­to do seu ti­me quan­do ele mais pre­ci­sa.

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.