Pe­zão e a cri­se do Rio

Correio da Bahia - - Economia -

O go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão dis­se que 66% dos fun­ci­o­ná­ri­os do es­ta­do têm di­rei­to a apo­sen­ta­do­ria es­pe­ci­al e po­de­rão se apo­sen­tar com me­nos de 50 anos. “Eu não acho is­so nor­mal. Es­tou co­lo­can­do es­sa dis­cus­são no Fó­rum dos Go­ver­na­do­res, por­que se não dis­cu­tir­mos a Pre­vi­dên­cia ne­nhum es­ta­do fi­ca de pé”. O Rio não aces­sa o seu cai­xa des­de o dia 28 por­que um juiz blo­que­ou as con­tas.

Pe­zão re­cu­sa a pa­la­vra “con­fis­co” pa­ra de­fi­nir a sua ideia de co­brar 30% dos fun­ci­o­ná­ri­os e dos ina­ti­vos pa­ra a Pre­vi­dên­cia, mas evi­den­te­men­te es­sa é a pa­la­vra pa­ra um per­cen­tu­al tão gran­de de des­con­to no sa­lá­rio. De­pois da re­a­ção dos ser­vi­do­res, da Jus­ti­ça, e a de­vo­lu­ção do pro­je­to pe­la As­sem­bleia, o go­ver­na­dor con­ta ape­nas com as ou­tras pro­pos­tas, en­tre elas a de ele­var a alí­quo­ta da Pre­vi­dên­cia pa­ra 14%. — É um pon­to pa­cí­fi­co que vai ter dis­cus­são den­tro da As­sem­bleia de au­men­tar a alí­quo­ta de 11% pa­ra 14%. Já é um va­lor que se res­pi­ra, não é a so­lu­ção. A ideia é man­ter os 14% pa­ra sem­pre, as­sim co­mo a União dis­cu­te um au­men­to da alí­quo­ta e da ida­de. Nos­sa ex­pec­ta­ti­va de vi­da au­men­tou e não dá pa­ra se apo­sen­tar com 48 anos ou 49 anos co­mo a mai­o­ria do fun­ci­o­na­lis­mo do Rio. Não te­nho na­da con­tra di­rei­to ad­qui­ri­do, mas não dá pa­ra um co­ro­nel da PM se apo­sen­tar com 49 anos. Fui bus­car os dois úl­ti­mos co­man­dan­tes da PM já fo­ra da PM, apo­sen­ta­dos aos 49 anos — afir­mou.

Pe­zão me con­ce­deu uma en­tre­vis­ta on­tem na Glo­bo­news. Ele re­as­su­miu o go­ver­no de­pois de se­te me­ses de li­cen­ça pa­ra tra­ta­men­to de cân­cer. De­fi­ne-se co­mo uma pes­soa que es­tá “me­lhor por fo­ra do que por den­tro”, por cau­sa dos efei­tos co­la­te­rais do tra­ta­men­to. “A qui­mi­o­te­ra­pia cu­ra, mas é de­vas­ta­do­ra”. Vol­tou e propôs um pa­co­te de au­men­to de re­cei­ta e cor­te de des­pe­sas que pro­vo­cou uma re­jei­ção ime­di­a­ta. O Rio es­tá em es­ta­do de ca­la­mi­da­de fis­cal e ele dis­se que se o seu pa­co­te, que ad­mi­te que é du­ro, não for apro­va­do, no ano que vem ha­ve­rá di­nhei­ro ape­nas pa­ra pa­gar se­te fo­lhas de pa­ga­men­to. A pri­mei­ra das me­di­das, que ele­va­ria pa­ra 30% o pa­ga­men­to à pre­vi­dên­cia, já es­tá des­car­ta­da a es­sa al­tu­ra. A Se­cre­ta­ria do Te­sou­ro di­vul­gou re­cen­te­men­te um es­tu­do so­bre as fi­nan­ças dos es­ta­dos em que diz que o Rio foi o que mais au­men­tou as des­pe­sas de pes­so­al. Elas cres­ce­ram 70% de 2009 a 2015. Su­bi­ram até quan­do o Bra­sil já es­ta­va em re­ces­são. Pe­zão con­tes­tou os nú­me­ros e dis­se que pe­diu ao mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les uma equi­pe do Te­sou­ro pa­ra ava­li­ar as con­tas do Rio. Ele tam­bém ha­via di­to que es­tão er­ra­dos os nú­me­ros do Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do so­bre as isen­ções tri­bu­tá­ri­as da­das a gran­des em­pre­sas. En­tão eu per­gun­tei a ele quan­to era, afi­nal, o va­lor das isen­ções fis­cais, quan­to dei­xa de en­trar nos co­fres do go­ver­no pe­los sub­sí­di­os da­dos a em­pre­sá­ri­os:

— São R$ 33 bi­lhões, sen­do que R$ 20 bi são con­vê­ni­os que os 27 es­ta­dos as­si­nam no âm­bi­to do Con­faz, por­que são isen­ções de ces­ta bá­si­ca e de re­mé­di­os.

Mes­mo se fo­rem R$ 13 bi­lhões, é mui­to di­nhei­ro que faz fal­ta aos co­fres do Rio nes­te mo­men­to. Ele de­fen­de os in­cen­ti­vos e diz que só po­de se li­vrar de­les quan­do to­dos os es­ta­dos sus­pen­de­rem os in­cen­ti­vos:

— Se a gen­te não des­se in­cen­ti­vo, a Nis­san não es­ta­ria em Re­sen­de, es­ta­ria em São Pau­lo. A Land Ro­ver não es­ta­ria em Ita­ti­aia. Co­mo vai en­trar di­nhei­ro se a fá­bri­ca não vi­er? O Rio par­ti­ci­pou de uma guer­ra em que per­de­mos no­ve em­pre­sas. A BMW foi pa­ra San­ta Ca­ta­ri­na, a Volkswa­gen Fox pa­ra o Rio Gran­de do Sul. Per­de­mos di­ver­sas em­pre­sas. Nós bri­ga­mos com 15 es­ta­dos pa­ra tra­zer a Nis­san, que ho­je en­via car­ros da­qui pa­ra to­da a Amé­ri­ca La­ti­na e cri­ou mais de mil em­pre­gos.

Pe­zão dis­se que não es­tá pe­din­do aju­da ao Go­ver­no Fe­de­ral por­que sa­be que, se ti­ver que aju­dar o Rio, te­rá que aju­dar outros 26 es­ta­dos e 3.500 mu­ni­cí­pi­os. Mas pe­de que o Rio pos­sa se­cu­ri­ti­zar a dí­vi­da ati­va, por­que o es­ta­do tem R$ 66 bi­lhões que não con­se­gue re­ce­ber. Quer que se dis­cu­ta a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia dos es­ta­dos pa­ra au­men­tar a ida­de de apo­sen­ta­do­ria dos fun­ci­o­ná­ri­os. Quer tam­bém que o Su­pre­mo ava­lie se um juiz de pri­mei­ra ins­tân­cia tem mes­mo po­de­res pa­ra ar­res­tar as con­tas do es­ta­do, co­mo es­tá acon­te­cen­do ago­ra, pa­ra ga­ran­tir o pa­ga­men­to do Ju­di­ciá­rio. “Ele tem in­te­res­se pró­prio”, dis­se o go­ver­na­dor.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.