Plás­ti­co ver­de é usa­do pe­la Na­sa no es­pa­ço

Correio da Bahia - - Mais -

sain­do do Bra­sil. Es­ta­mos usan­do o cai­xa ge­ra­do no tri­mes­tre pa­ra re­du­zir as dí­vi­das, mas tam­bém pa­ra cri­ar fer­ra­men­tas ope­ra­ci­o­nais que nos fa­ça ope­rar em uma even­tu­al que­da do ci­clo a exem­plo dos investimentos nos Es­ta­dos Uni­dos, Mé­xi­co e Ca­ma­ça­ri, na Bahia. Es­ta­mos re­for­çan­do a me­lho­ria de com­pe­ti­ti­vi­da­de com uma mai­or in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção e bus­ca de ma­té­ri­as- pri­mas mais com­pe­ti­ti­vas”, ex­pli­cou. INVESTIMENTOS

A Bras­kem es­tá atu­al­men­te com fo­co de investimentos na no­va plan­ta de po­li­e­ti­le­no de Ul­tra-Al­to Pe­so Mo­le­cu­lar (UHMWPE), na ci­da­de de La Por­te, no Te­xas (EUA). O pre­si­den­te da com­pa­nhia ex­pli­ca que, por con­ta da elei­ção de Do­nald Trump, o mo­men­to é de ob­ser­va­ção, mas que os investimentos es­tão man­ti­dos.

“A vi­tó­ria de Trump era um ce­ná­rio pos­sí­vel, mas con­si­de­ra­do de bai­xa pro­ba­bi­li­da­de. Te­mos uma ope­ra­ção gran­de nos EUA e no Mé­xi­co e es­ses dois paí­ses se­rão os que so­fre­rão mai­or im­pac­to po­si­ti­vo ou negativo das ações do Trump”, ob­ser­vou, pa­ra com­ple­tar: “O dis­cur­so de­le so­bre a eco­no­mia ame­ri­ca­na se­ria bom com re­la­ção ao nos­so ne­gó­cio. Por ou­tro la­do, ele te­ve uma re­tó­ri­ca de afas­ta­men­to do Mé­xi­co. Pre­ci­sa­mos ver co­mo is­so vai se dar. Di­ria que de mo­do ge­ral é que te­mos que es­pe­rar pa­ra sa­ber o que ele pre­ten­de, de fa­to, fa­zer”.

A no­va plan­ta dos EUA de­ve en­trar em ope­ra­ção no fi­nal do ano e te­rá uma for­te li­ga­ção com a plan­ta da Bahia, que es­tá sen­do pre­pa­ra­da pa­ra re­ce­ber o eta­no que se­rá pro­du­zi­do em so­lo ame­ri­ca­no.

Pa­ra is­so, o in­ves­ti­men­to de R$ 380 mi­lhões – que te­ve seu anún­cio an­te­ci­pa­do em mar­ço pe­lo jor­na­lis­ta Do­nald­son Go­mes da co­lu­na Fa­rol Econô­mi­co do CORREIO – tem o ob­je­ti­vo de fa­zer a uni­da­de do Po­lo de Ca­ma­ça­ri ope­rar com até 15% de eta­no, pro­du­zi­do a par­tir do sha­le gás (gás de xis­to) ame­ri­ca­no.

Atu­al­men­te, o com­ple­xo da em­pre­sa em Ca­ma­ça­ri uti­li­za ape­nas a naf­ta co­mo ma­té­ria-pri­ma. A ideia é que no se­gun­do se­mes­tre de 2017, a uni­da­de bai­a­na já es­te­ja pre­pa­ra­da pa­ra re­ce­ber o eta­no dos EUA. “No mo­men­to, o eta­no é mais com­pe­ti­ti­vo e a ideia é re­du­zir o uso da naf­ta na Bahia”, jus­ti­fi­cou Mu­sa.

O pri­mei­ro es­tá­gio das obras co­me­çou no dia 3 de no­vem­bro e vai du­rar 40 di­as. “Elas es­tão sen­do fei­tas nes­se pe­río­do, pois é o mo­men­to que cha­ma­mos de pa­ra­da pre­ven­ti­va, quan­do a ope­ra­ção da plan­ta é sus­pen­sa. É uma pa­ra­da ge­ral pe­rió­di­ca, que acon­te­ce a ca­da 5 ou 6 anos e que, des­ta vez, es­ta­mos apro­vei­tan­do pa­ra fa­zer a pre­pa­ra­ção da plan­ta pa­ra re­ce­ber o ete­no dos EUA”, ex­pli­cou Mar­ce­lo Aran­tes, vi­ce-pre­si­den­te de Pes­so­as & Or­ga­ni­za­ção da Bras­kem, que tam­bém par­ti­ci­pou do anún­cio dos re­sul­ta­dos.

A pa­ra­da, se­gun­do re­for­ça Aran­tes, não te­rá im­pac­to na pro­du­ção nem nos ren­di­men­tos. “Co­mo fa­ze­mos is­so de for­ma pla­ne­ja­da não tem im­pac­to, pois re­for­ça­mos nos­sos es­to­ques e tam­bém com­bi­na­mos es­sa pa­ra­da com os nos­sos cli­en­tes que tam­bém fi­ze­ram re­for­ços nos seus es­to­ques”, com­ple­men­ta.

A ex­pec­ta­ti­va da com­pa­nhia é que to­do o pro­ces­so de fle­xi­bi­li­za­ção es­te­ja con­cluí­do a par­tir de ou­tu­bro de 2017, quan­do a plan­ta te­rá uma pro­du­ção mis­ta a par­tir da naf­ta e tam­bém do ete­no. Cha­ves de fen­da, co­nec­to­res e até mes­mo pre­si­lhas pa­ra pen­der ca­bos fei­tos de plás­ti­co. To­dos es­ses pro­du­tos, fa­bri­ca­dos com po­li­e­ti­le­no ver­de fei­to pe­la Bras­kem, es­tão sen­do uti­li­za­dos por as­tro­nau­tas na es­ta­ção es­pa­ci­al da Na­sa. De­sen­vol­vi­do em par­ce­ria com a em­pre­sa Ma­de in Spa­ce, os re­sul­ta­dos do pro­ces­so de pes­qui­sa e in­ves­ti­men­to que du­rou dois anos fo­ram apre­sen­ta­dos on­tem du­ran­te a co­le­ti­va de re­sul­ta­dos do ter­cei­ro tri­mes­tre da com­pa­nhia. O di­re­tor de ino­va­ção e tec­no­lo­gia da Bras­kem, Pa­trick Teys­son­ney­re, in­di­cou que o uso do po­li­e­ti­le­no ver­de foi so­li­ci­ta­do pe­la Na­sa co­mo uma for­ma de ter re­du­ção de cus­tos e al­ta per­for­man­ces. “Es­se pro­je­to tem co­mo ob­je­ti­vo in­ves­tir em pro­du­tos com me­lhor qua­li­da­de e efi­ci­ên­cia”, ex­pli­cou, des­ta­can­do que as pe­ças são fei­tas em im­pres­so­ras 3D.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.