Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio con­de­na po­lí­ti­ca in­dus­tri­al do Bra­sil

Correio da Bahia - - Economia -

DIS­PU­TA CO­MER­CI­AL A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC) con­de­nou a po­lí­ti­ca in­dus­tri­al bra­si­lei­ra e exi­ge que po­lí­ti­cas de in­cen­ti­vos fis­cais e re­du­ção de IPI ado­ta­da ain­da pe­lo go­ver­no de Dil­ma Rous­seff se­jam aban­do­na­das, pe­lo me­nos da for­ma que são apli­ca­das. O go­ver­no bra­si­lei­ro po­de­rá re­cor­rer da de­ci­são, que é um dos mai­o­res gol­pes já so­fri­dos pe­lo Bra­sil no or­ga­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal. Num in­for­me ain­da con­fi­den­ci­al de 400 pá­gi­nas, os juí­zes da en­ti­da­de aten­de­ram ao pe­di­do do Ja­pão e da União Eu­ro­peia, que ale­ga­vam que a po­lí­ti­ca de in­cen­ti­vos fis­cais aos se­to­res de te­le­co­mu­ni­ca­ções, au­to­mó­veis e tec­no­lo­gia é ile­gal e afe­ta em­pre­sas es­tran­gei­ras de for­ma “in­jus­ta”. O prin­ci­pal fo­co é o Ino­var Au­to, me­ca­nis­mo que ga­ran­tiu uma re­du­ção de im­pos­tos pa­ra o se­tor au­to­mo­ti­vo com fá­bri­cas ins­ta­la­das no país. O es­ta­be­le­ci­men­to do pro­ces­so ain­da con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de EUA, Ar­gen­ti­na, Aus­trá­lia, Chi­na, In­do­né­sia, Rús­sia e Co­reia, to­dos na con­di­ção de ob­ser­va­do­res. Dar in­cen­ti­vos fis­cais não se­ria uma vi­o­la­ção das re­gras. Mas a for­ma uti­li­za­da pe­lo Bra­sil re­pre­sen­tou uma ile­ga­li­da­de por con­ta das exi­gên­ci­as que o go­ver­no fez pa­ra be­ne­fi­ci­ar em­pre­sas com pro­du­ção lo­cal. Pa­ra os juí­zes, o cri­té­rio re­pre­sen­ta um sub­sí­dio dis­far­ça­do e, por­tan­to, ile­gal. “O Bra­sil in­tro­du­ziu uma sé­rie de me­di­das pa­ra per­mi­tir que as em­pre­sas do­més­ti­cas re­du­zam su­as obri­ga­ções pa­ra pa­gar im­pos­tos”, in­di­cou a de­le­ga­ção ja­po­ne­sa.

Em se­tem­bro de 2011, o go­ver­no es­ta­be­le­ceu uma isen­ção de IPI pa­ra car­ros de mon­ta­do­ras que se com­pro­me­te­ram a in­ves­tir no país e com­pras­sem pe­ças lo­cais. Em 2012, o pla­no foi re­no­va­do por mais cin­co anos, o que ir­ri­tou os países ri­cos. Du­ran­te a defesa, o Bra­sil ga­ran­tiu que os “pro­gra­mas fa­zem par­te do es­for­ço pa­ra pro­mo­ver um de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co em linha com os ob­je­ti­vos e prin­cí­pi­os da OMC”. O país apon­tou que os in­cen­ti­vos não es­tão li­ga­dos à ori­gem bra­si­lei­ra dos pro­du­tos, mas às me­tas de ino­va­ção e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel. O mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, afir­mou que, se ne­ces­sá­rio, o go­ver­no mu­da­rá os pro­gra­mas. “Va­mos aguar­dar uma aná­li­se des­sa de­ci­são da OMC e to­mar as me­di­das ne­ces­sá­ri­as”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.