Trump, CUT e Ó paí ó

Correio da Bahia - - Mais -

A So­ci­e­da­de do Es­pe­tá­cu­lo. Quan­do acor­dei, ter­ça-fei­ra, Trump es­ta­va elei­to su­ces­sor de Oba­ma na Pre­si­dên­cia dos USA. Há oi­to anos, es­cre­vi uma tri­lha emo­ci­o­na­da pa­ra a vitória de Oba­ma, hu­ma­no ne­gro que chegou à Pre­si­dên­cia de um re­gi­me ex-es­cra­vo­cra­ta, por mais que os es­ta­du­ni­den­ses pró­xi­mos me aler­tas­sem que Oba­ma era bran­co. Na ter­ça, quan­do li Trump vi­to­ri­o­so, re­cor­dei Guy De­bord, o fran­cês que vi­veu en­tre 1931 e 1994, pen­sou e es­cre­veu pa­ra o Mo­vi­men­to de 68, na Fran­ça, é au­tor d’A So­ci­e­da­de do Es­pe­tá­cu­lo, e que tal­vez te­nha se ma­ta­do por­que não su­por­ta­ria vi­ver o que es­ta­mos vi­ven­do. Há Trump no seu tex­to. An­tes de­le, Ge­or­ge Orwell (1903.1950) e Al­dous Hux­ley (1937.1963) que não se ma­ta­ram, pro­je­ta­ram es­sas so­ci­e­da­des do sé­cu­lo 21 em 1984 e Ad­mi­rá­vel Mun­do No­vo, que Han­nah Arendt (1906.1975) avi­sou que, sem pen­sar, vi­ve­ri­am sob a Ba­na­li­da­de do Mal quan­do es­cre­veu so­bre o jul­ga­men­to de Ei­ch­mann. Pou­cos le­em tu­do is­so, tal­vez por is­so tan­ta sur­pre­sa com tu­do is­so.

TRUMP E A BARONESA DO JAZZ

O mun­do sem­pre foi uma Al­deia Glo­bal. Nós não sa­bía­mos por­que não exis­tia web, mas ele foi des­de que Lucy fi­cou de pé e co­me­çou o de­lí­rio bí­pe­de de ca­da dia. Es­ta­va len­do A Baronesa do Jazz, a bi­o­gra­fia da in­gle­sa Pan­no­ni­ca Roths­child que aban­do­nou ma­ri­do e cin­co fi­lhos pa­ra cui­dar de The­lo­ni­ous Monk em NY, es­cri­ta por Han­nah Roths­child, quan­do Trump ven­ceu a elei­ção es­ta­du­ni­den­se con­tra tu­do e to­dos que, até a vés­pe­ra, ga­ran­ti­am a vitória de Hil­lary Clin­ton. No li­vro, li que os se­nho­res dos afri­ca­nos es­cra­vi­za­dos nos USA dis­tri­buíam co­caí­na nos cam­pos de al­go­dão pa­ra que os es­cra­vos co­mes­sem pou­co e tra­ba­lhas­sem mui­to, e que tal­vez por is­so a dro­ga te­nha se tor­na­do um clássico en­tre os ar­tis­tas do jazz que, já fa­mo­sos, nos anos 1950, fa­zi­am shows fo­ra de NY e de­pois dos shows, tar­de da noi­te, ro­da­vam de car­ro por até seis ho­ras pa­ra achar um lu­gar que ser­vis­se co­mi­da a ne­gros. Es­sas prá­ti­cas his­to­ri­ca­men­te re­cen­tes, há 70, 200 anos, me si­na­li­zam que os USA são um país mui­to ri­co, mas que es­tá dis­tan­te da ci­vi­li­da­de.

Em­pre­en­di uma cam­pa­nha pa­ra ele­ger Dil­ma Rous­seff, ex-pre­si­den­te do Bra­sil, pre­si­den­te do PT, mas os

ma­chos bar­bu­dos que acha­vam Dil­ma óti­ma na

pre­si­dên­cia do país jo­ga­ram-na no con­se­lho da Per­seu Abra­mo.

Per­seu o quê?

DIL­MA NA PER­SEU O QUÊ?

Em­pre­en­di uma cam­pa­nha pa­ra ele­ger Dil­ma Rous­seff, ex-pre­si­den­te do Bra­sil, pre­si­den­te do PT, mas os ma­chos bar­bu­dos que acha­vam Dil­ma óti­ma na Pre­si­dên­cia do país jo­ga­ram-na no con­se­lho da Per­seu Abra­mo. Per­seu o quê? O PT precisa es­tu­dar ló­gi­ca, além de ges­tão, éti­ca, his­tó­ria do Bra­sil e eco­no­mia. Se Dil­ma era boa pra pre­si­dir o Bra­sil e afas­tá-la foi um gol­pe, por que ela não po­de pre­si­dir o PT?

A FI­LA DO FERRY!

On­tem, a CUT pro­me­teu co­lo­car 150 mil pes­so­as nas ru­as pa­ra pro­tes­tar con­tra a PEC 241. Fun­ci­o­ná­ri­os da Re­pú­bli­ca que eu pre­si­do re­ce­be­ram avi­sos de que só fos­sem às ru­as se fos­sem às ma­ni­fes­ta­ções. Re­sul­ta­do: em Sal­va­dor, a CUT pôs gru­pi­nhos de 20, 30 cu­tis­tas nas ru­as, pro­vo­cou um en­gar­ra­fa­men­to in­su­por­tá­vel e, pos­si­vel­men­te, a mai­or con­cen­tra­ção con­tra a PEC acon­te­ceu na fi­la do ferry-bo­at a ca­mi­nho da Ilha.

Ó PAÍ Ó, JA­QUES WAG­NER?

Pas­si­vo pa­ra Ja­ques Wag­ner nas pla­ni­lhas da Ode­bre­cht es­ta­va de bom ta­ma­nho. Ó Paí, Ó que nun­ca de­ve­ria ter dei­xa­do de ser uma sim­pá­ti­ca ex­pres­são idi­o­má­ti­ca bai­a­na, foi trans­for­ma­da em ca­ri­ca­tu­ra da Baía po­pu­lar e, ago­ra, em co­di­no­me pa­ra pa­ga­men­to de pro­pi­na!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.