Pa­trimô­nio vi­vo

Correio da Bahia - - Mais - Lau­ra Fer­nan­des lau­ra.fer­nan­des@re­de­bahia.com.br

Qu­a­tor­ze anos se pas­sa­ram des­de a ide­a­li­za­ção do Museu Na­ci­o­nal da Cul­tu­ra Afro-Bra­si­lei­ra (Mun­cab) e, por in­crí­vel que pa­re­ça, o es­pa­ço ca­ri­nho­sa­men­te ape­li­da­do de “museu em pro­ces­so” es­tá lon­ge de con­cluir su­as obras. “Per­da cul­tu­ral imen­sa”, na opi­nião do di­re­tor do Mun­cab, Jo­sé Carlos Ca­pi­nan, 75 anos, que de­ci­diu fa­zer um “zum­bi­do” pa­ra cha­mar a aten­ção das di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das no es­pa­ço. Per­sis­ten­te, o po­e­ta e com­po­si­tor tro­pi­ca­lis­ta con­ver­sa com o CORREIO so­bre pro­ble­mas que vão de ala­ga­men­tos e ris­co às obras, até o pro­ces­so de fe­de­ra­li­za­ção ain­da pen­den­te. Tam­bém pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Ami­gos da Cul­tu­ra Afro-Bra­si­lei­ra (Ama­fro), Ca­pi­nan re­ve­la pro­je­tos ar­tís­ti­cos e ar­qui­tetô­ni­cos pa­ra o museu, con­ver­sa so­bre o pro­je­to Zum­bi­do no Mun­cab, que te­rá show de Pau­li­nho da Vi­o­la, e cri­ti­ca o re­tro­ces­so da so­ci­e­da­de atu­al. Con­fi­ra. A pro­pos­ta de cri­a­ção do museu sur­ge em 2002, fei­ta pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, e a ideia era cri­ar cin­co mu­seus fe­de­rais em di­fe­ren­tes es­ta­dos. En­tre eles, ha­via um de­di­ca­do à cul­tu­ra afro-bra­si­lei­ra e de­fi­niu­se que o melhor lu­gar pa­ra a im­plan­ta­ção des­se museu se­ria a Bahia, por sua pró­pria his­tó­ria, pe­la for­ça da cul­tu­ra afro-bra­si­lei­ra aqui. A ideia era que o museu ti­ves­se uma ges­tão mis­ta - com par­ti­ci­pa­ção do es­ta­do, do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e de uma Os­cip (Or­ga­ni­za­ção da So­ci­e­da­de Ci­vil de In­te­res­se Pú­bli­co) -, em fun­ção de su­pe­rar um pro­ble­ma que era vi­vi­do na épo­ca e que Po­e­ta e com­po­si­tor bai­a­no, o ar­tis­ta é au­tor de mú­si­cas co­mo Papel Ma­ché, com­pos­ta em par­ce­ria com João Bos­co, e Soy Lo­co Por Ti Ame­ri­ca, que mar­cou o mo­vi­men­to tro­pi­ca­lis­ta no fi­nal da dé­ca­da de 60, ao la­do de ar­tis­tas co­mo Tom Zé, Gil­ber­to Gil, Gal Gos­ta, Ma­ria Bethâ­nia e Ca­e­ta­no Veloso. Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Ami­gos da Cul­tu­ra Afro-Bra­si­lei­ra

(Ama­fro), Ca­pi­nan es­tá à fren­te do Museu Na­ci­o­nal da Cul­tu­ra Afro-Bra­si­lei­ra (Mun­cab) e, des­de 2006, ocu­pa a ca­dei­ra nú­me­ro 36 da Academia de Le­tras da Bahia. con­ti­nua ho­je. Não só um pro­ble­ma de ges­tão, mas de re­cur­sos que per­mi­tis­sem in­ves­tir em ati­vi­da­des edu­ca­ti­vas e cul­tu­rais, que é mais ou me­nos o mo­de­lo que es­ta­mos ten­tan­do im­plan­tar aqui. Ou se­ja, o pro­je­to es­ta­va pla­ne­ja­do pa­ra ser exe­cu­ta­do em dois anos, a par­tir de 2002, sen­do que sua par­te fun­da­men­tal se­ria a fe­de­ra­li­za­ção, na qual, atra­vés de um de­cre­to-lei, es­se museu vi­ra­ria fe­de­ral. Ocor­re­ram al­gu­mas in­ter­rup­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas e is­so já atra­sou em dois anos o tra­ba­lho. Em 2004, ti­ve­mos o pri­mei­ro pa­tro­cí­nio da Cai­xa Econô­mi­ca, pa­ra fa­zer ca­das­tro dos dois pré­di­os, pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co, mu­se­o­ló­gi­co e pro­je­tos com­ple­men­ta­res. Nós cap­ta­mos atra­vés da Lei Rou­a­net, mas não foi su­fi­ci­en­te pa­ra de­sen­vol­ver as obras de res­tau­ro. En­tão, em 2010, con­ti­nuá­va­mos com di­fi­cul­da­des. Aí veio a cri­a­ção de um con­vê­nio com o Fun­do Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra, no va­lor apro­xi­ma­do de R$ 10 mi­lhões. En­tre­tan­to, os re­pas­ses par­ce­la­dos fo­ram sus­pen­sos em 2011, de­vi­do a ir­re­gu­la­ri­da­des nas obras en­con­tra­das pe­la CGU (Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União). Em fun­ção dis­so, nós abri­mos uma ação con­tra a em­prei­tei­ra e es­sa ação ain­da es­tá sen­do jul­ga­da. Obra é uma coi­sa mui­to com­pli­ca­da, so­bre­tu­do obra de ruí­nas. Por exem­plo, es­ta­mos vi­ven­do um pro­ble­ma com as chu­vas que con­ti­nu­am ala­gan­do o museu. Qu­e­re­mos a li­be­ra­ção do que es­tá re­ti­do pa­ra dar­mos con­ti­nui­da­de a es­sas obras e fa­zer a re­a­de­qua­ção no te­lha­do. Te­mos um acer­vo mui­to im­por­tan­te que es­tá ame­a­ça­do. Pre­ci­sa­mos dar con­ti­nui­da­de, por­que te­mos 80% de obra re­a­li­za­da des­se la­do do pré­dio e a gen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.