A co­lhei­ta en­ve­ne­na­da

Correio da Bahia - - Esporte -

Ca­so ti­ves­se cum­pri­do a pró­pria pro­mes­sa de le­var adi­an­te a ban­dei­ra de de­mo­cra­ti­za­ção do Vitória, o pre­si­den­te ru­bro-ne­gro, Rai­mun­do Vi­a­na, tal­vez não fos­se obri­ga­do ago­ra a en­fren­tar tan­tos con­cor­ren­tes ao car­go que, por en­quan­to, ain­da é seu.

Acon­te­ce que Vi­a­na op­tou pe­lo ca­mi­nho do boi­co­te. Train­do pa­la­vras que ele mes­mo pro­fe­riu, boi­co­tou a de­mo­cra­ti­za­ção, deu as cos­tas pa­ra a tor­ci­da, ten­tou em­pur­rar go­e­la abai­xo um pro­je­to de es­ta­tu­to ile­gal des­de a ori­gem e achou que te­ria sem­pre o su­por­te de um gru­po de con­se­lhei­ros que tam­bém não de­mons­tra­va mui­to apre­ço pe­la opi­nião dos só­ci­os. Mas aí, co­mo di­zem na po­lí­ti­ca, a ba­se ra­chou. Ago­ra, Vi­a­na mal con­se­gue gen­te pa­ra mon­tar a pró­pria cha­pa.

No ce­ná­rio des­ta se­ma­na (que, é sem­pre bom lem­brar, po­de até já ter mu­da­do quan­do es­te tex­to es­ti­ver pu­bli­ca­do), qua­tro “co­li­ga­ções” vão con­cor­rer às 270 ca­dei­ras do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo do Vitória. De­pois, os con­se­lhei­ros elei­tos é que es­co­lhem o pró­xi­mo pre­si­den­te do clu­be.

Pa­re­ce que o boi­co­te de Vi­a­na, jun­to com seu ba­laio de de­cla­ra­ções des­co­la­das da re­a­li­da­de (co­mo ba­ter pé fir­me na te­se de que o ti­me que pe­na pa­ra ficar na pri­mei­ra di­vi­são é mui­to qua­li­fi­ca­do) ser­viu, na ver­da­de, co­mo um der­ra­ma­men­to de pól­vo­ra nu­ma fo­guei­ra já ace­sa.

As in­sa­tis­fa­ções ex­plo­di­ram de tu­do que é la­do e o ba­te-cha­pa se­rá, no mí­ni­mo, bem mo­vi­men­ta­do. Até o ex-pre­si­den­te Pau­lo Car­nei­ro re­sol­veu bo­tar a ca­ra, se apre­sen­tan­do co­mo lí­der de mais uma cha­pa (com dis­cur­so) de opo­si­ção.

Tal­vez Rai­mun­do Vi­a­na te­nha ima­gi­na­do que, sem as elei­ções di­re­tas, sua re­e­lei­ção se­gui­ria o en­fa­do­nho ro­tei­ro já ba­ti­do no Vitória. Ele pos­tu­la­ria se­guir no car­go, di­fi­cil­men­te ia apa­re­cer al­guém pra con­cor­rer e seu no­me se­ria re­con­du­zi­do à pre­si­dên­cia por acla­ma­ção de um Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo acos­tu­ma­do a di­zer amém. Deu cha­bu. Con­se­lhei­ros que até um dia des­ses atu­a­vam no ti­me de Vi­a­na re­sol­ve­ram sair pro jogo em ou­tro plan­tel. Fo­ra da To­ca do Leão, os gru­pos de só­ci­os que já vi­nham se ar­ti­cu­lan­do mon­ta­ram uma cha­pa pró­pria, que ago­ra já são du­as - e nin­guém sa­be se vai parar por aí. No dia 10 de de­zem­bro, to­dos os só­ci­os com vín­cu­lo de pe­lo me­nos 18 me­ses po­de­rão vo­tar.

En­tre os con­cor­ren­tes à pre­si­dên­cia do clu­be, Rai­mun­do Vi­a­na é o que tem o ca­bo elei­to­ral mais ins­tá­vel: o ti­me do Vitória. Nin­guém espera que is­so acon­te­ça, mas se a equi­pe cair pa­ra a Sé­rie B, vai ficar bem ruim pa­ra o pre­si­den­te pe­dir vo­tos pa­ra sua cha­pa ape­nas uma se­ma­ni­nha de­pois de aca­ba­do o Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. Se­rá que é por is­so que o man­da­tá­rio ru­bro-ne­gro re­sol­veu in­sis­tir pa­ra que to­dos fo­quem so­men­te no cam­po?

Pois de­ve­ria ter pen­sa­do nis­so há me­ses, em vez de ta­par os ou­vi­dos pa­ra a ar­qui­ban­ca­da. Bas­ta­ria ter con­sul­ta­do o di­ci­o­ná­rio de cli­chês que to­do mun­do car­re­ga na me­mó­ria: a gen­te só co­lhe aqui­lo que se­meia.

Pa­re­ce que o boi­co­te de Vi­a­na, jun­to com seu ba­laio de de­cla­ra­ções des­co­la­das

da re­a­li­da­de ser­viu, na ver­da­de, co­mo um der­ra­ma­men­to de pól­vo­ra

nu­ma fo­guei­ra já ace­sa

GA­NHA JOGO

Não há dú­vi­da de que exis­te um en­deu­sa­men­to dos téc­ni­cos. Aliás, al­guns não me­re­ci­am nem ser va­lo­ri­za­dos, quan­to mais su­per­va­lo­ri­za­dos co­mo são. Há, no en­tan­to, aque­les treinadores que efe­ti­va­men­te ga­nham jogo. Mais do que is­so, é pre­ci­so re­co­nhe­cer quan­do treinadores con­se­guem es­tru­tu­rar um ti­me que jo­ga co­mo ti­me, o que só faz bem ao fu­te­bol dos cra­ques den­tro do plan­tel. Com pou­co tem­po de tra­ba­lho, Tite faz a Se­le­ção Bra­si­lei­ra jo­gar co­mo uma equi­pe, o que de­ve­ria ser re­gra. Ga­nha e con­ven­ce. E pen­sar que até ou­tro dia éra­mos obri­ga­dos a atu­rar Dun­ga.

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.