As­som­bro­sas dis­cre­pân­ci­as

Correio da Bahia - - Front Page -

O bra­si­lei­ro não fa­la­va ou­tra coi­sa na ma­nhã de quar­ta-fei­ra pas­sa­da, quan­do acor­dou e deu de ca­ra com a ines­pe­ra­da vi­tó­ria de Do­nal­do Trump so­bre Hil­lary Clin­ton nos Es­ta­dos Uni­dos. E ago­ra, o que se­rá do mun­do?, di­zia, mais as­sus­ta­do que a mai­o­ria dos pró­pri­os ame­ri­ca­nos. Pâ­ni­co na Bol­sa? Trump é o cul­pa­do. Se o Irã e a Rús­sia gos­ta­ram do re­sul­ta­do da elei­ção, idem. Te­ve gen­te pre­ven­do até uma no­va guer­ra em es­ca­la glo­bal, ali­men­ta­da por pro­fe­ci­as de Nos­tra­da­mus vi­ra­li­za­das em re­des so­ci­ais e cor­ren­tes de men­sa­gem. Só fal­tou um de­ta­lhe, o prin­ci­pal de­les. Em de­mo­cra­ci­as ma­du­ras e for­tes, e os EUA são o me­lhor exem­plo de­las, o po­der se al­ter­na, mas a na­ção per­ma­ne­ce uni­da.

Trump as­su­mi­rá o co­man­do do país mais po­de­ro­so do mun­do e go­ver­na­rá pa­ra um po­vo ci­o­so de sua tra­je­tó­ria de­mo­crá­ti­ca, cu­jos me­ca­nis­mos de con­tro­le po­lí­ti­co in­ter­no im­pe­dem a efe­ti­vi­da­de de de­ci­sões to­ma­das no ca­lor de um even­tu­al de­lí­rio. Se­ja ele o pre­si­den­te. Des­de o iní­cio do sé­cu­lo XIX, re­pu­bli­ca­nos e de­mo­cra­tas tro­cam de lu­gar na Ca­sa Bran­ca. Pas­sa­da a dis­pu­ta, ain­da que te­nha si­do in­ten­sa co­mo a des­te ano, olham pa­ra a fren­te. Sen­tam com ci­vi­li­da­de, fa­zem a tran­si­ção de for­ma su­a­ve e, em mui­tos ca­sos, ofe­re­cem aju­da ao ad­ver­sá­rio. Sa­bem há mais de dois sé­cu­los que ba­ta­lha elei­to­ral é uma coi­sa, o fu­tu­ro da pá­tria é ou­tra.

Tan­to que o Trump pa­re­cia uma no­va pes­soa ao anun­ci­ar o de­se­jo de ter Ba­rack Oba­ma co­mo con­se­lhei­ro in­for­mal, de­pois de ter si­do ele­gan­te­men­te con­vi­da­do e re­ce­bi­do pa­ra a pri­mei­ra con­ver­sa com o atu­al che­fe dos EUA. Aqui, no Bra­sil, a úl­ti­ma vez que se viu tal cor­te­sia en­tre la­dos opos­tos, ain­da que em do­se me­nor, foi du­ran­te a tran­si­ção dos anos Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so pa­ra a era Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. Is­so ocor­re lá por­que os dois la­dos se man­têm for­tes no ta­bu­lei­ro do po­der e têm no­ção de que fa­zem par­te da mes­ma mo­e­da.

No Con­gres­so dos EUA, re­pu­bli­ca­nos e de­mo­cra­tas po­dem atin­gir mai­o­ria nu­mé­ri­ca, po­rém, não a pon­to de de­se­qui­li­brar o jo­go po­lí­ti­co. Não ra­ras ve­zes se­to­res re­pu­bli­ca­nos se ali­am aos de­mo­cra­tas, e vi­ce-ver­sa, quan­do há ris­cos à na­ção. Foi o que acon­te­ceu em ou­tu­bro de 2015, quan­do a Câ­ma­ra ame­ri­ca­na apro­vou me­di­das pa­ra per­mi­tir ao go­ver­no Oba­ma to­mar em­prés­ti­mos e evi­tar uma cri­se or­ça­men­tá­ria em su­as con­tas an­tes de dei­xar o po­der. Mes­mo com me­nos re­pre­sen­tan­tes na Ca­sa, os de­mo­cra­tas con­se­gui­ram a ade­são dos ri­vais pa­ra em­pla­car a ma­té­ria. Se um pre­si­den­te exer­ce o man­da­to de for­ma te­me­ro­sa, bé­li­ca ou eco­no­mi­ca­men­te, se­rá di­fí­cil pa­ra ele con­se­guir sus­ten­ta­ção e to­car o bar­co adi­an­te.

Cla­ro que par­te des­se te­mor se de­ve ao es­ti­lo ca­nas­trão e ca­ri­ca­to de Trump, às po­lê­mi­cas ma­chis­tas e xe­no­fó­bi­cas, às de­cla­ra­ções que o dei­xam com ar de lu­ná­ti­co pre­con­cei­tu­o­so e con­ser­va­dor. Mas Do­nald não é pa­to; seus co­le­gas re­pu­bli­ca­nos e os ri­vais de­mo­cra­tas também. As mais ab­sur­das pro­mes­sas fei­tas por ele na cam­pa­nha mui­to pro­va­vel­men­te fi­ca­rão no cam­po da re­tó­ri­ca pa­ra atrair os vo­tos que o ele­ge­ram. A es­tru­tu­ra do go­ver­no, da po­lí­ti­ca e da Jus­ti­ça dos EUA, ali­a­da à al­ta fis­ca­li­za­ção e con­tro­le so­ci­al, im­põe du­ras tra­vas pa­ra man­ter blin­da­dos os va­lo­res econô­mi­cos e glo­bais que for­ta­le­ce­ram a na­ção. Ha­ve­rá gui­na­das ao con­ser­va­do­ris­mo? Ób­vio, mas in­su­fi­ci­en­te pa­ra tor­nar re­al o as­som­bro des­me­di­do do bra­si­lei­ro mé­dio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.