Tem­po som­brio

Correio da Bahia - - Brasil -

En­tra­mos em um mo­men­to som­brio da hu­ma­ni­da­de. As pa­la­vras ame­nas di­tas por Do­nald Trump não in­di­cam mo­de­ra­ção. São só a na­tu­ral de­fe­sa da união em tor­no de­le. Trump já no­me­ou pes­so­as do lobby do pe­tró­leo pa­ra a tran­si­ção na ener­gia e no meio am­bi­en­te e avi­sou que vai aca­bar com o pro­gra­ma de saú­de de Oba­ma. Ele não tem po­der pa­ra fa­zer tu­do o que dis­se, mas o que fi­zer se­rá es­tra­go su­fi­ci­en­te. Nes­tes pri­mei­ros di­as pós-elei­ção, Trump tem usa­do pa­la­vras su­a­ves em re­la­ção aos ex-ad­ver­sá­ri­os na cam­pa­nha — elo­gi­ou Hil­lary e dis­se que po­de pe­dir con­se­lhos a Oba­ma — mas tem fei­to es­co­lhas que con­fir­mam os pi­o­res te­mo­res so­bre ele. Par­te das ofen­sas que es­pa­lhou con­tra di­ver­sos gru­pos era es­tra­té­gia de mar­ke­ting co­pi­a­da dos re­a­lity shows nos quais quem gri­ta e ata­ca mais cap­tu­ra mais aten­ção. Mas além das fra­ses bi­zar­ras, ele de­fen­deu po­lí­ti­cas que con­cre­ta­men­te re­pre­sen­tam re­tro­ces­so. Nem to­das são exequí­veis, mas até a ten­ta­ti­va já fa­rá es­tra­go.

Na ques­tão am­bi­en­tal e cli­má­ti­ca, tem si­do fei­to um tra­ba­lho de­mo­ra­do de con­ven­ci­men­to das em­pre­sas pa­ra ado­tar no­vos pa­drões de pro­du­ção e uso de ener­gia pa­ra re­du­zir as emis­sões. Na era Bush, fo­ram mui­tos os es­tu­dos fi­nan­ci­a­dos pe­la in­dús­tria do pe­tró­leo e car­vão que in­flu­en­ci­a­ram a po­lí­ti­ca pú­bli­ca so­bre a mu­dan­ça cli­má­ti­ca. Oi­to anos de­pois, os Es­ta­dos Uni­dos po­dem vol­tar pa­ra um tem­po ain­da mais ana­crô­ni­co. Ao in­di­car que no­me­a­rá dois lo­bis­tas do se­tor de pe­tró­leo pa­ra cui­dar de ener­gia e meio am­bi­en­te, ele dei­xou cla­ro que es­tá fa­lan­do sé­rio so­bre re­vo­gar as es­co­lhas fei­tas pe­lo país nos úl­ti­mos anos.

My­ron Ebell e Mi­ke McKen­na for­mam a du­pla da su­jei­ra em du­as áre­as fun­da­men­tais: am­bi­en­tal e ener­gia. A EPA, agên­cia am­bi­en­tal ame­ri­ca­na, foi mui­to for­ta­le­ci­da no go­ver­no Oba­ma em seus po­de­res re­gu­la­tó­ri­os. Uma das idei­as de­fen­di­das por Trump era re­du­zir a sua for­ça. Ebell é de uma ONG fi­nan­ci­a­da pe­la in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra e di­ri­ge um gru­po de en­ti­da­des — Co­a­li­zão das Ca­be­ças Fri­as — cu­jo tra­ba­lho é de­nun­ci­ar o alar­mis­mo em tor­no da mu­dan­ça cli­má­ti­ca e lu­tar con­tra a subs­ti­tui­ção dos com­bus­tí­veis fós­seis. McKen­na co­or­de­na o gru­po de tran­si­ção pa­ra ener­gia. Ele é do­no de uma con­sul­to­ria que as­ses­so­ra em­pre­sas do se­tor de pe­tró­leo. O jor­nal New York Ti­mes aler­tou pa­ra o fa­to de que Trump ne­ga, a ca­da es­co­lha pa­ra o gru­po de tran­si­ção, tu­do o que fa­lou con­tra os lo­bis­tas de Washing­ton. Ele fez dis­cur­so mo­ra­lis­ta con­tra a cor­rup­ção e a re­la­ção pro­mís­cua en­tre as em­pre­sas e os po­lí­ti­cos. Mas até ago­ra no­me­ou vá­ri­os lo­bis­tas. Um exem­plo da­do pe­lo jor­nal: Jef­frey Ei­se­na­ch, que tra­ba­lhou anos de­fen­den­do os in­te­res­ses da Ve­ri­zon, li­de­ra o gru­po que vai es­co­lher os no­mes pa­ra a Co­mis­são Fe­de­ral de Te­le­co­mu­ni­ca­ções.

O mun­do co­me­çou a se­ma­na pen­san­do em co­mo ir além de Pa­ris, em Mar­ra­kesh, on­de es­tá reu­ni­da a COP 22. A vi­tó­ria do ano pas­sa­do em Pa­ris per­mi­tiu o acor­do que du­ran­te es­te ano foi fir­ma­do por 175 paí­ses e en­trou em vi­gor. Mas é pre­ci­so bus­car no­vos com­pro­mis­sos. O es­for­ço até ago­ra foi bom, mas in­su­fi­ci­en­te. O que pa­re­cia ser o pi­so pa­ra mais am­bi­ções ago­ra não es­tá mais ga­ran­ti­do. Co­mo o se­gun­do país de mai­or emis­são, o pri­mei­ro em emis­são per ca­pi­ta, os Es­ta­dos Uni­dos são o país-cha­ve pa­ra se ob­ter su­ces­so no acor­do cli­má­ti­co. O pre­si­den­te elei­to pas­sou a cam­pa­nha ne­gan­do que o pro­ble­ma exis­ta e se cer­cou de pes­so­as que têm in­te­res­ses di­re­tos com a in­dús­tria do car­bo­no e também ne­gam a mu­dan­ça cli­má­ti­ca. A re­gu­la­ção da EPA e as es­co­lhas da Se­cre­ta­ria de Ener­gia po­dem fa­zer um enor­me es­tra­go. No co­mér­cio, ha­ve­rá li­mi­tes pa­ra o seu pro­te­ci­o­nis­mo. A es­tru­tu­ra pro­du­ti­va dos Es­ta­dos Uni­dos de­pen­de da im­por­ta­ção, por is­so a bar­rei­ra ao pro­du­to im­por­ta­do te­rá re­a­ção da pró­pria in­dús­tria ame­ri­ca­na. Mes­mo as­sim, seu dis­cur­so an­ti­co­mér­cio foi mui­to for­te du­ran­te a cam­pa­nha e ele to­ma­rá me­di­das nes­sa di­re­ção num mo­men­to em que o co­mér­cio cres­ce abai­xo do PIB mun­di­al pe­la pri­mei­ra vez em 15 anos.

Ho­je to­da a es­pe­ran­ça que re­cai so­bre Trump é cons­truí­da em ci­ma de uma ne­ga­ção: a de que su­as idei­as são tão ruins, em tan­tas áre­as, que ele não po­de es­tar fa­lan­do sé­rio. Mas, em mui­tos ca­sos, es­tá sim. E é is­so que nos le­va­rá ao tem­po som­brio. RECURSOS A mi­nis­tra Ro­sa We­ber do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) uni­ver­sa­li­zou a or­dem de de­pó­si­to ju­di­ci­al de va­lo­res da re­pa­tri­a­ção que já ha­via be­ne­fi­ci­a­do os es­ta­dos do Pi­auí e de Per­nam­bu­co. Com a de­ci­são li­mi­nar, 23 es­ta­dos e o Dis­tri­to ob­ti­ve­ram o blo­queio dos recursos. An­te­on­tem à noi­te, a mi­nis­tra de­ci­diu con­ce­der a ou­tros en­tes que en­tra­ram com ação no Su­pre­mo li­mi­na­res que de­ter­mi­nam à União de­po­si­tar em con­ta ju­di­ci­al um mon­tan­te su­pe­ri­or ao va­lor ini­ci­al­men­te des­ti­na­do a es­sas uni­da­des da fe­de­ra­ção co­mo co­ta do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Es­ta­dos (FPE) re­fe­ren­te à ar­re­ca­da­ção com a re­pa­tri­a­ção. Com is­so, o di­nhei­ro ar­re­ca­da­do com a mul­ta de 15% so­bre os va­lo­res le­ga­li­za­dos den­tro do pro­gra­ma te­rá de fi­car de­po­si­ta­do em juí­zo à es­pe­ra da de­ci­são so­bre o mé­ri­to pe­lo STF. O jul­ga­men­to fi­nal dos pro­ces­sos ain­da não es­tá mar­ca­do. Além de Pi­auí e Per­nam­bu­co, es­tão en­tre os li­ti­gan­tes be­ne­fi­ci­a­dos: Dis­tri­to Fe­de­ral, Rio de Ja­nei­ro, Ala­go­as, Ama­pá, Ama­zo­nas, Bahia, Es­pí­ri­to San­to, Goiás, Mi­nas Ge­rais, Ma­to Gros­so do Sul, Ma­to Gros­so, San­ta Ca­ta­ri­na, Ro­rai­ma, Pa­rá, Rio Gran­de do Sul e To­can­tins. Ou­tros es­ta­dos que também en­tra­ram com ações se­me­lhan­tes fo­ram aten­di­dos: Acre, Ce­a­rá, Ma­ra­nhão, Pa­raí­ba, Ser­gi­pe e Rio Gran­de do Nor­te. Após a apro­va­ção da Lei da Re­pa­tri­a­ção, a en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff ve­tou a pos­si­bi­li­da­de de os es­ta­dos fi­ca­rem com par­te da mul­ta, de­ter­mi­nan­do que ape­nas os va­lo­res ar­re­ca­da­dos com os 15% do Im­pos­to de Ren­da se­ri­am com­par­ti­lha­dos com es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da, o Pro­gra­ma de Re­pa­tri­a­ção ar­re­ca­dou R$ 46,8 bi­lhões, dos quais R$ 4,026 bi­lhões fi­ca­ram com os es­ta­dos - to­tal de 21,5% do Im­pos­to de Ren­da, di­vi­di­dos na mes­ma pro­por­ção do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Es­ta­dos (FPE). Ou­tros 24,5% (R$ 4,214 bi­lhões) são re­pas­sa­dos às pre­fei­tu­ras, por meio do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ções dos Mu­ni­cí­pi­os (FPM). Se os es­ta­dos con­se­gui­rem que o Su­pre­mo de­ter­mi­ne a di­vi­são da mul­ta também, es­ses va­lo­res do­bram.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.