Su­pe­ra­po­sen­ta­do­ri­as

Correio da Bahia - - Esporte - Cla­ris­sa Pa­che­co, Ju­li­a­na Mon­ta­nha e Pris­ci­la Na­ti­vi­da­de mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Ser­vi­do­res do TJ se apo­sen­tam com ga­nhos aci­ma de R$ 20 mil

En­quan­to o va­lor mé­dio do be­ne­fí­cio de um apo­sen­ta­do bai­a­no, se­gun­do a Pre­vi­dên­cia So­ci­al, é de R$ 1.069, a ser­vi­do­ra do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da Bahia (TJ-BA) Aí­ra Mo­ta Al­ves, 51 anos, se apo­sen­tou há 14 di­as com di­rei­to a um be­ne­fí­cio men­sal de R$ 27.891,42, fru­to do sa­lá­rio bá­si­co (R$ 5.052,95) e de gra­ti­fi­ca­ções in­cor­po­ra­das (R$ 22.838,47).

O va­lor que da­ria pa­ra pa­gar, pe­lo me­nos, 26 apo­sen­ta­do­ri­as pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS). Aí­ra não era uma ma­gis­tra­da, que se apo­sen­tou no to­po da car­rei­ra. Seu úl­ti­mo car­go foi o de aten­den­te de re­cep­ção na 3ª Va­ra do Sis­te­ma de Jui­za­dos Es­pe­ci­ais Cri­mi­nais. A mes­ma fun­ção que no se­tor pri­va­do, se­gun­do Ma­pa de Car­rei­ras do si­te Va­gas.com, não al­can­ça­ria mais de R$ 1.052.

Ca­sos co­mo o de Aí­ra não são iso­la­dos. En­tre 1º de se­tem­bro e 1º de no­vem­bro des­te ano, o TJ-BA con­ce­deu 52 apo­sen­ta­do­ri­as vo­lun­tá­ri­as pa­ra ser­vi­do­res das co­mar­cas de Sal­va­dor e de ou­tros 31 mu­ni­cí­pi­os cu­jos va­lo­res in­te­grais va­ri­am de R$ 5.174,09 a R$ 27.891,42 (ver ao la­do).

En­tre os car­gos de ser­vi­do­res apo­sen­ta­dos com es­tas re­mu­ne­ra­ções, além de aten­den­te de re­cep­ção, es­tão os de ní­vel mé­dio, di­gi­ta­dor, es­cre­ven­te e téc­ni­co em saú­de. So­ma­dos, os va­lo­res che­gam a R$ 669.889,27. O le­van­ta­men­to foi fei­to pe­lo CORREIO a par­tir das pu­bli­ca­ções no Diá­rio da Jus­ti­ça Ele­trô­ni­co, do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da Bahia.

PERSPECTIVAS

O va­lor dos sa­lá­ri­os e dos be­ne­fí­ci­os dos ser­vi­do­res na com­pa­ra­ção com os va­lo­res pa­gos pe­lo se­tor pri­va­do cha­ma a aten­ção, so­bre­tu­do quan­do o país se pre­pa­ra pa­ra de­ba­ter o pro­je­to de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que se­rá apre­sen­ta­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral ao Con­gres­so até o 13 de de­zem­bro.

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Ser­vi­do­res do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da Bahia (As­set-BA), Antô­nio Maia Di­a­man­ti­no, re­co­nhe­ce que os va­lo­res per­ce­bi­dos por Aí­ra e ou­tros ser­vi­do­res es­tão aci­ma do que se po­de­ria cha­mar de nor­ma­li­da­de, mas res­sal­ta que não são ile­gais. “Não é que não é al­to, mas não é ile­gal. Exis­tem pes­so­as que du­ran­te 30 anos ocu­pa­ram não sei quan­tos car­gos co­mis­si­o­na­dos, que ho­je não exis­tem mais e que a lei, in­fe­liz­men­te, aca­bou”.

São dis­tor­ções co­mo es­tas que o go­ver­no usa pa­ra jus­ti­fi­car a re­for­ma. Uma das me­di­das pre­vis­tas é uni­fi­car as re­gras do sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio, co­lo­can­do sob um mes­mo re­gi­me tra­ba­lha­do­res pú­bli­cos e pri­va­dos, in­cluin­do os do Ju­di­ciá­rio e Le­gis­la­ti­vo.

“A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é pa­ra ga­ran­tir, pa­ra pre­ser­var. Se não re­for­mar, nos­so sis­te­ma vai es­tou­rar. Nós ti­ve­mos, no ano pas­sa­do, R$ 86 bi­lhões de dé­fi­cit, nes­te ano en­tre R$ 145 bi­lhões a R$ 150 bi­lhões. E no ano que vem en­tre R$ 180 bi­lhões a R$ 200 bi­lhões. É im­pos­sí­vel nós ir­mos as­si­mi­lan­do es­se dé­fi­cit. Pre­ci­sa­mos dar um bas­ta nis­so”, pon­tu­ou o mi­nis­tro che­fe da Ca­sa Ci­vil, Eli­seu Pa­di­lha.

PRIVILÉGIOS

De acor­do com o TJ-BA, os va­lo­res são fi­xa­dos por meio de pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos de apo­sen­ta­do­ri­as, são “to­dos ba­se­a­dos na le­gis­la­ção vi­gen­te e au­di­ta­dos pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do (TCE)”.

No ca­so de Aí­ra, o adi­ci­o­nal que acres­cen­ta mais de R$ 18 mil aos ven­ci­men­tos da ser­vi­do­ra foi ex­tin­to em 2010, mas pre­ser­va­do pa­ra os ser­vi­do­res que já o re­ce­bi­am.

Ain­da se­gun­do o tri­bu­nal, o or­ça­men­to to­tal do ór­gão é de cer­ca de R$ 2,3 bi­lhões. Pa­ra 2016, os recursos ne­ces­sá­ri­os pa­ra co­brir a fo­lha de pa­ga­men­to dos ser­vi­do­res res­pon­dem pe­la mai­or par­te do or­ça­men­to, já que che­gam a R$ 1,9 bi­lhão. Va­lor que se re­fe­re ape­nas à fo­lha dos ser­vi­do­res ati­vos já que a dos ina­ti­vos é pa­ga pe­lo Exe­cu­ti­vo. O TJ ne­go­cia com o Exe­cu­ti­vo cer­ca de R$ 200 mi­lhões de adi­ti­vo pa­ra fe­char as con­tas do ano.

Em 2016, fo­ram con­ce­di­das 276 apo­sen­ta­do­ri­as pe­lo TJ-BA, in­cluin­do as com­pul­só­ri­as e as vo­lun­tá­ri­as. O TJ-BA dis­se que es­sas apo­sen­ta­do­ri­as, es­pe­ci­fi­ca­men­te, não pro­vo­cam im­pac­to na fo­lha do tri­bu­nal, “pois a des­pe­sa dos ina­ti­vos con­ti­nua a in­ci­dir no côm­pu­to da des­pe­sa de pes­soa do Ju­di­ciá­rio, con­for­me a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal, re­gu­la­men­ta­da pe­la Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO) e a Lei Or­ça­men­tá­ria Anu­al (LOA) pa­ra o exer­cí­cio de 2017”.

LEGALIDADE

O CORREIO pro­cu­rou a ser­vi­do­ra pa­ra co­men­tar a re­per­cus­são em tor­no da sua apo­sen­ta­do­ria – que tem o va­lor mais al­to das 52 su­pe­ra­po­sen­ta­do­ri­as – mas ela não foi en­con­tra­da. Ten­ta­mos, du­ran­te uma se­ma­na, fa­lar com ela por te­le­fo­ne, e-mail, WhatsApp, Fa­ce­bo­ok e pes­so­al­men­te, sem su­ces­so. Há 32 anos, ela foi con­tra­ta­da pe­lo tri­bu­nal, apro­va­da em con­cur­so pa­ra ser aten­den­te de re­cep­ção.

De­pois, ela foi as­ses­so­ra di­re­ta de de­sem­bar­ga­do­res, tra­ba­lhou co­mo se­cre­tá­ria do pre­si­den­te Gil­ber­to Ca­ri­bé, e che­gou até a ser ce­di­da pa­ra a Cor­re­ge­do­ria-Ge­ral de Jus­ti­ça, em 2012.

Nos úl­ti­mos três anos, es­te­ve dis­tan­te dos cor­re­do­res do tri­bu­nal. Vi­rou re­cep­ci­o­nis­ta da 3ª Va­ra do Sis­te­ma de Jui­za­dos Es­pe­ci­ais Cri­mi­nal, em Ita­puã. “Ela che­gou aqui há três ou qua­tro anos e pe­diu apo­sen­ta­do­ria por­que, co­mo mui­tos ou­tros co­le­gas, já ti­nha atin­gi­do o tem­po de con­tri­bui­ção”, li­mi­tou-se a di­zer um co­le­ga da ser­vi­do­ra, iden­ti­fi­ca­do ape­nas co­mo Ro­gé­rio, na re­cep­ção da 3ª Va­ra.

A ri­gor, ela não ia até o lo­cal pe­lo me­nos des­de 1º de ju­nho, quan­do ga­nhou uma li­cen­ça-prê­mio de 153 di­as, en­cer­ra­da no dia 31 de ou­tu­bro, vés­pe­ra da da­ta em que o pe­di­do de apo­sen­ta­do­ria vo­lun­tá­ria fei­to pe­la ser­vi­do­ra foi acei­to pe­la pre­si­den­te do tri­bu­nal, a de­sem­bar­ga­do­ra Ma­ria do So­cor­ro Bar­re­to San­ti­a­go.

Aí­ra cur­sou Di­rei­to e, em ju­nho des­te ano, foi apro­va­da no exa­me da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil – Sec­ci­o­nal Bahia. Na pá­gi­na da ser­vi­do­ra no Fa­ce­bo­ok, ela re­gis­trou ter es­tu­da­do na Fa­cul­da­de Unyah­na e na Uni­jor­ge. Ou­tra ati­vi­da­de pa­ra­le­la de Aí­ra aos anos de­di­ca­dos ao TJ foi o co­mér­cio. Ela apa­re­ce co­mo só­cia de du­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.