Gra­ti­fi­ca­ção au­men­ta em até 150% o sa­lá­rio de ser­vi­dor

Correio da Bahia - - Mais -

lo­jas: a Ka­mi-Ka­ri, um co­mér­cio de brin­que­dos em Stel­la Ma­ris, e a Lolly Bob, uma lo­ja de rou­pas in­fan­tis no Shop­ping Pa­ra­le­la. A pri­mei­ra lo­ja não per­ten­ce mais a Aí­ra há pe­lo me­nos qua­tro anos, mas a se­gun­da cos­tu­ma con­tar com a pre­sen­ça da ago­ra ex-re­cep­ci­o­nis­ta, às tar­des.

A ex­pli­ca­ção do pro­fes­sor de Di­rei­to Pre­vi­den­ciá­rio da Fa­cul­da­de Ruy Bar­bo­sa Edu­ar­do Has­san, pa­ra que o sa­lá­rio e, con­se­quen­te­men­te, o va­lor da apo­sen­ta­do­ria de Aí­ra se­jam tão al­tos são as di­fe­ren­tes leis de re­mu­ne­ra­ção en­tre mu­ni­cí­pi­os, es­ta­dos e União quan­to aos seus ser­vi­do­res. “O que é le­va­do em con­ta na ho­ra do cál­cu­lo da apo­sen­ta­do­ria é o sa­lá­rio to­tal que ela re­ce­bia e de quan­to era des­con­ta­do em con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria”.

Ape­sar da va­li­da­de le­gal da apo­sen­ta­do­ria, o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos Pre­vi­den­ciá­ri­os (Ie­prev), Ro­ber­to de Car­va­lho, re­for­ça que os al­tos ren­di­men­tos do TJ es­tão bem dis­tan­tes da re­a­li­da­de. “Os atu­ais 33 mi­lhões de apo­sen­ta­dos e pen­si­o­nis­tas do INSS no país ga­nham um be­ne­fí­cio mé­dio de R$ 1,2 mil. Quan­do fa­la­mos das de­mais ca­te­go­ri­ais, co­mo ser­vi­do­res pú­bli­cos e ma­gis­tra­dos, não há dú­vi­das que os sa­lá­ri­os e be­ne­fí­ci­os es­tão aci­ma do que é pra­ti­ca­do no mun­do”. Co­mo é atu­al­men­te: Os tra­ba­lha­do­res ru­rais se apo­sen­tam aos 55 anos (mu­lhe­res) e aos 60 anos (ho­mens) sem con­tri­buir. Co­mo po­de fi­car: Es­tu­da-se es­ta­be­le­cer uma alí­quo­ta de 5% de con­tri­bui­ção.

4Co­mo é atu­al­men­te: O de­pen­den­te acu­mu­la pen­são e apo­sen­ta­do­ria (se ti­ver).

Co­mo po­de fi­car: Exis­te a pos­si­bi­li­da­de do fa­vo­re­ci­do ter que op­tar por ape­nas um dos be­ne­fí­ci­os. Co­mo é atu­al­men­te: De­pen­den­tes re­ce­bem 100% da re­mu­ne­ra­ção.

Co­mo po­de fi­car: Os de­pen­den­tes não vão mais re­ce­ber a pen­são de for­ma au­to­má­ti­ca co­mo é ho­je. Há uma ideia de que o va­lor não se­ria 100% da re­mu­ne­ra­ção, mas sim 50% do va­lor e mais 10% por de­pen­den­te. O Adi­ci­o­nal de Fun­ção In­cor­po­ra­do (AFI Sím­bo­lo) – uma das gra­ti­fi­ca­ções que en­gor­da­ram o sa­lá­rio de ser­vi­do­ras co­mo Aí­ra Mo­ta em qua­se R$ 18 mil– foi uma gra­ti­fi­ca­ção cri­a­da pa­ra ser­vi­do­res dos três po­de­res. Se­gun­do o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Ser­vi­do­res do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da Bahia (As­set-BA), Antô­nio Maia, o abo­no po­de­ria va­ri­ar de 1% a 150% so­bre o sa­lá­rio, cu­jo per­cen­tu­al era es­ti­pu­la­do pe­lo ges­tor do fun­ci­o­ná­rio, com ba­se ape­nas no cri­té­rio de ava­li­a­ção des­te ges­tor. Além da ser­vi­do­ra, ou­tros se­te fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos que ti­ve­ram o pe­di­do de apo­sen­ta­do­ria vo­lun­tá­ria con­ce­di­do nos úl­ti­mos dois me­ses re­ce­bi­am o AFI Sím­bo­lo, com va­lo­res en­tre R$ 1.638,01 a R$ 18.193,69. Pa­ra le­vá-lo até a apo­sen­ta­do­ria, é pre­ci­so re­ce­bê-lo por pe­lo me­nos cin­co anos. “As pes­so­as que re­ce­bem é que ocu­pa­ram car­gos re­le­van­tes e vão acu­mu­lan­do. Es­se ven­ci­men­to exis­te no Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do, na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, mas lá também tem um te­to. Não há ne­nhu­ma ile­ga­li­da­de”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.