Re­gi­me di­fe­ren­te co­la­bo­ra pa­ra que ha­ja mais dis­tor­ção

Correio da Bahia - - Mais -

Co­mo é atu­al­men­te: As re­gras da Pre­vi­dên­cia são di­fe­ren­tes pa­ra os tra­ba­lha­do­res de se­tor pú­bli­co e re­gi­me pri­va­do.

Co­mo po­de fi­car: O se­tor pú­bli­co de­ve se­guir o mol­de do re­gi­me pri­va­do, ou se­ja, de­ve con­tri­buir no te­to do INSS, e pa­ra ter um sa­lá­rio aci­ma do te­to, re­co­lher a di­fe­ren­ça por uma pre­vi­dên­cia com­ple­men­tar.

3Atu­al­men­te, o te­to má­xi­mo de apo­sen­ta­do­ri­as pa­gas pe­lo INSS é de R$ 5.189,82. Pa­ra o che­fe do Ser­vi­ço de Re­co­nhe­ci­men­to de Di­rei­tos Pre­vi­den­ciá­ri­os do INSS na Bahia, Ga­bri­el Cer­quei­ra, exis­tem dois pon­tos prin­ci­pais que de­fi­nem o pa­ga­men­to do be­ne­fí­cio no re­gi­me do INSS com­pa­ra­do a ou­tros re­gi­mes de Pre­vi­dên­cia de ór­gãos pú­bli­cos: “O pri­mei­ro pon­to es­tá na re­mu­ne­ra­ção. Di­fi­cil­men­te uma re­cep­ci­o­nis­ta, por exem­plo, do se­tor pri­va­do vai ter um mes­mo sa­lá­rio que a mes­ma pro­fis­si­o­nal re­ce­be­ria no se­tor pú­bli­co. Além dis­so, o INSS não pa­ga apo­sen­ta­do­ri­as mai­o­res que o te­to e ain­da as­sim elas são com­pa­tí­veis com o va­lor que o pro­fis­si­o­nal con­tri­buiu en­quan­to es­ta­va na ati­va”, ex­pli­ca. O di­nhei­ro não sai dos mes­mos co­fres. “São re­gi­mes dis­tin­tos, que também são re­gi­dos por le­gis­la­ções dis­tin­tas, acres­cen­ta Cer­quei­ra.

A apo­sen­ta­do­ria dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos não faz par­te do cai­xa da Pre­vi­dên­cia So­ci­al. Ela fi­ca sob o Re­gi­me Pró­prio de Pre­vi­dên­cia So­ci­al (RPPS). Par­te des­se re­cur­so é pa­ga pe­las con­tri­bui­ções dos pró­pri­os ser­vi­do­res, e ou­tra pe­lo go­ver­no. Em 2015, a ida­de mé­dia de apo­sen­ta­do­ria dos ser­vi­do­res pú­bli­cos da União foi de 60,7 anos. Da­dos do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Pre­vi­dên­cia So­ci­al mos­tram que no úl­ti­mo ano, as con­tas da Pre­vi­dên­cia da União che­ga­ram ao dé­fi­cit de R$ 72,5 bi­lhões – em 2014, fo­ram R$ 66,9 bi­lhões.

Na so­ma das es­fe­ras fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal, o país pos­sui 6.253.084 de ser­vi­do­res pú­bli­cos na ati­va e 2.458.260 de apo­sen­ta­dos se­gu­ra­dos. Na Bahia, se­gun­do a Se­cre­ta­ria de Ad­mi­nis­tra­ção do es­ta­do, o dé­fi­cit do Fun­do Fi­nan­cei­ro da Pre­vi­dên­cia So­ci­al dos Ser­vi­do­res Pú­bli­cos do Es­ta­do da Bahia (Fun­prev) em 2015 foi de R$ 2,4 bi­lhões e a pre­vi­são pa­ra 2016 é de che­gar a R$ 2,7 bi­lhões. Dos 94.420 ser­vi­do­res apo­sen­ta­dos, 86,87% de­les se apo­sen­ta­ram com gra­ti­fi­ca­ções in­cor­po­ra­das ao sa­lá­rio. O to­tal bru­to da fo­lha dos apo­sen­ta­dos atu­al­men­te é de mais de R$ 377,665 mi­lhões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.