Pen­sar feminino é se­gre­do de su­ces­so

Correio da Bahia - - Mais -

As ca­rac­te­rís­ti­cas mais co­nhe­ci­das das mu­lhe­res são exa­ta­men­te as que mais aju­dam no su­ces­so em­pre­sa­ri­al. É o que apon­ta o pre­si­den­te da ABRH-BA, Ce­zar Al­mei­da. “A gen­te brin­ca que a mu­lher con­se­gue pres­tar aten­ção a vá­ri­as coi­sas ao mes­mo tem­po e o ho­mem a uma só. Ho­je, es­sa co­mu­ni­ca­ção frag­men­ta­da é uma ne­ces­si­da­de de quem re­ce­be e-mail, WhatsApp e aten­de ao te­le­fo­ne”, exem­pli­fi­ca. Pa­ra ele, is­so é al­go mui­to pa­re­ci­do com o que a mu­lher já era acos­tu­ma­da, his­to­ri­ca­men­te: cui­dar dos fi­lhos, das ta­re­fas do lar, tra­ba­lhar fo­ra e dar con­ta de tu­do. “Brin­ca­dei­ras à par­te, é uma ha­bi­li­da­de fun­da­men­tal”, com­ple­ta.

Pa­ra a pre­si­den­te do Le­me, Mar­la Cruz, a mu­lher con­se­gue fa­zer vá­ri­as ati­vi­da­des ao mes­mo tem­po por­que é mais de­ta­lhis­ta. “A mu­lher tem sen­si­bi­li­da­de pa­ra per­ce­ber o que não es­tá tão às cla­ras, al­go que es­tá além das pa­la­vras, es­tá no com­por­ta­men­to. O ho­mem ra­ra­men­te con­se­gue is­so”.

O pre­si­den­te da ABRH de­fen­de que pe­lo me­nos três ca­rac­te­rís­ti­cas ti­pi­ca­men­te fe­mi­ni­nas são im­por­tan­tes em uma em­pre­sa mo­der­na: a va­lo­ri­za­ção dos re­la­ci­o­na­men­tos, a ca­pa­ci­da­de de cri­ar co­ne­xões emo­ci­o­nais e a fa­ci­li­da­de de co­mu­ni­ca­ção. “A em­pre­sa não pre­ci­sa ser for­ma­da só por mu­lhe­res. O que de­fen­do é que es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas se­jam va­lo­ri­za­das in­de­pen­den­te do lí­der. A em­pre­sa tem que ter cé­re­bro de mu­lher”, pro­põe.

No que diz res­pei­to aos re­la­ci­o­na­men­tos, ele apon­ta que as em­pre­sas de mai­or su­ces­so apos­tam al­to nes­te re­qui­si­to, tan­to com tra­ba­lha­do­res quan­to com for­ne­ce­do­res e cli­en­tes. “So­bre o la­do emo­ci­o­nal, as mu­lhe­res têm es­te la­do tal­vez mais de­sen­vol­vi­do. É uma qua­li­da­de que já foi sub­ju­ga­da nos ne­gó­ci­os, mas ho­je se vê a im­por­tân­cia das co­ne­xões emo­ci­o­nais”. Por úl­ti­mo, so­bre a co­mu­ni­ca­ção, Al­mei­da res­sal­ta que há um es­te­reó­ti­po so­bre as DRs (dis­cus­sões de re­la­ci­o­na­men­to). “Is­so na­da mais é do que ne­ces­si­da­de de se co­mu­ni­car. As or­ga­ni­za­ções ven­ce­do­ras fa­zem DRs com seus fun­ci­o­ná­ri­os e con­su­mi­do­res”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.