O Mi­nis­té­rio da Saú­de clas­si­fi­cou a si­tu­a­ção que o Bra­sil en­fren­ta co­mo uma epi­de­mia de sí­fi­lis. Quais os pos­sí­veis mo­ti­vos que po­dem ter cau­sa­do es­se au­men­to nos úl­ti­mos anos?

Correio da Bahia - - Mais - Car­men.vas­con­ce­los@re­de­bahia.com.br

Nos úl­ti­mos anos a no­ti­fi­ca­ção com­pul­só­ria de sí­fi­lis tem me­lho­ra­do. Ain­da as­sim acre­di­ta-se que exis­tem mui­tos ca­sos sub­no­ti­fi­ca­dos, o que le­va a uma es­ti­ma­ti­va mai­or de ca­sos de sí­fi­lis do que co­nhe­ce­mos atu­al­men­te. Exis­te uma ten­dên­cia en­tre as po­pu­la­ções de di­mi­nuir o uso de pre­ser­va­ti­vos por acre­di­tar que as do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis não vão atin­gi-los. Is­so le­va a en­con­tros ín­ti­mos des­pro­te­gi­dos e dis­se­mi­na­ção de ou­tras DSTs, não só de sí­fi­lis, co­mo até o HIV, por exem­plo. Pre­ven­ção é o me­lhor me­ca­nis­mo. Usar pre­ser­va­ti­vo é a me­lhor ma­nei­ra de se pre­ve­nir. To­das as pes­so­as têm que fa­zer tri­a­gem so­ro­ló­gi­ca anu­al pa­ra cui­dar da saú­de e ini­ci­ar o tra­ta­men­to ade­qua­do, ca­so ne­ces­sá­rio. O es­ti­lo de vi­da re­ple­to de ur­gên­ci­as que cau­sam de­pres­são, es­tres­se e an­si­e­da­de; ta­ba­gis­mo, obe­si­da­de, dis­li­pi­de­mia, hi­per­ten­são e a di­a­be­tes es­tão im­pac­tan­do a saú­de se­xu­al mas­cu­li­na. Da­dos mais re­cen­tes da li­te­ra­tu­ra mé­di­ca in­di­cam que 50% dos ho­mens mai­o­res de 40 anos têm dis­fun­ção eré­til e que, em 2025, 322 mi­lhões de ho­mens te­rão o pro­ble­ma no mun­do. Já a eja­cu­la­ção pre­co­ce atin­ge 40% do pú­bli­co mas­cu­li­no, in­de­pen­den­te da ida­de.

No mês em que se co­me­mo­ra o No­vem­bro Azul, va­le lem­brar que a for­ma de com­ba­ter es­se pro­ble­ma é re­la­ti­va­men­te sim­ples e que as dis­fun­ções se­xu­ais en­con­tram tra­ta­men­to na re­de pú­bli­ca e pri­va­da, bas­tan­do que o pa­ci­en­te ven­ça qual­quer re­sis­tên­cia e apos­te na sua qua­li­da­de de vi­da.

De acor­do com o che­fe do ser­vi­ço da Car­dio Pul­mo­nar e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe- de­ral da Bahia (Uf­ba), o uro­lo­gis­ta Lu­cas Ba­tis­ta, quan­do o pú­bli­co mas­cu­li­no in­ves­te em cui­da­dos sim­ples, os re­sul­ta­dos são sur­pre­en­den­tes e per­mi­tem que os ho­mens des­fru­tem de uma vi­da se­xu­al sa­tis­fa­tó­ria por mui­to mais tem­po. “Quan­do o pa­ci­en­te con­se­gue se man­ter no pe­so, sair do se­den­ta­ris­mo, ter la­zer que ga­ran­ta a saú­de fí­si­ca e men­tal, não con­su­mir co­mi­da mui­to in­dus­tri­a­li­za­da, re­du­zir o con­su­mo de gor­du­ras sa­tu­ra­das e evi­tar do há­bi­to de fu­mar, ele cui­da do co­ra­ção e pê­nis, pois a ca­pa­ci­da­de vas­cu­lar fi­ca pre­ser­va­da”, ex­pli­ca o mé­di­co, lem­bran­do que na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.