Pre­ven­ção é a cha­ve pa­ra con­ter avan­ço do di­a­be­tes

Correio da Bahia - - Mais -

mai­o­ria das cha­ma­das dis­fun­ções se­xu­ais, quem ado­e­ce não é o pê­nis, mas as ar­té­ri­as, que per­dem a ca­pa­ci­da­de de elas­ti­ci­da­de e re­la­xa­men­to, fi­can­do rí­gi­das e com pla­cas de gor­du­ras, as cha­ma­das ate­ros­cle­ro­ses.

“As ar­té­ri­as no pê­nis são fi­nas, mas pos­si­bi­li­tam um flu­xo gran­de de san­gue, que é o que per­mi­te a ere­ção, quan­do es­sas ar­té­ri­as ado­e­cem, as dis­fun­ções sur­gem”, ex­pli­ca o mé­di­co, lem­bran­do que cui­dar da saú­de se­xu­al é bem se­me­lhan­te aos cui­da­dos com a saú­de do co­ra­ção.

INIMIGA SI­LEN­CI­O­SA

A en­do­cri­no­lo­gis­ta e pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia Ana Cláu­dia Ra­ma­lho ex­pli­ca que exis­tem dois ti­pos de di­a­be­tes: o ti­po 1 e o 2. Na pri­mei­ra, o in­di­ví­duo nas­ce com a al­te­ra­ção me­ta­bó­li­ca e, co­mo o or­ga­nis­mo não pro­duz in­su­li­na, o por­ta­dor pas­sa a ser de­pen­den­te des­sa subs­tân­cia pa­ra vi­ver. O ti­po 1 é a for­ma mais fre­quen­te da do­en­ça em in­di­ví­du­os até os 18 anos. No ti­po 2, a in­su­li­na não age bem e pa­ra com­pen­sar o or­ga­nis­mo co­me­ça a ten­tar se­cre­tar mais in­su­li­na a pon­to de cri­ar uma exaus­tão e, por fim, dei­xar de pro­du­zir. “A gli­ce­mia al­ta po­de ocor­rer por anos e, len­ta­men­te, ir cau­san­do da­nos ir­re­pa­rá­veis ao or­ga­nis­mo”, es­cla­re­ce a pro­fes­so­ra, res­sal­tan­do que o es­ti­lo de vi­da e o se­den­ta­ris­mo pos­su­em uma gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da pa­to­lo­gia e su­as com­pli­ca­ções. Ana Cláu­dia des­ta­ca que a ado­ção de um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel aju­da a re­tar­dar o di­a­be­tes ti­po 2 nas pes­so­as que pos­su­em pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca. “Quan­do os mé­di­cos aler­tam pa­ra a ne­ces­si­da­de da ati­vi­da­de fí­si­ca e de uma di­e­ta mais sau­dá­vel não se tra­ta de um dis­cur­so li­mi­ta­dor, mas de uma al­ter­na­ti­va re­al e efi­ci­en­te pa­ra evi­tar as inú­me­ras com­pli­ca­ções ad­vin­das da do­en­ça”, ex­pli­ca a mé­di­ca que é por­ta­do­ra do ti­po 1 e que re­co­nhe­ce na pró­pria ro­ti­na a ne­ces­si­da­de de ca­da vez mais pes­so­as bus­quem o acom­pa­nha­men­to e a pre­ven­ção.

PARAÍSOS ARTIFICIAIS Quan­do a pre­ven­ção dei­xa de ser fei­ta e a dis­fun­ção se­xu­al che­ga, a saí­da é ape­lar pa­ra os tra­ta­men­tos. O uro­lo­gis­ta João Ri­car­do Fi­guei­re­do, do Cen­tro de Me­di­ci­na Re­pro­du­ti­va(Ce­na­fert) res­sal­ta que os ca­sos de dis­fun­ção se­xu­al per­dem ape­nas pa­ra os pro­ble­mas pro­tás­ti­co em ter­mos de pro­cu­ra nos con­sul­tó­ri­os. “No ca­so da dis­fun­ção eré­til, exis­tem três li­nhas de tra­ta­men­to: a me­di­ca­men­to­sa, as in­je­ções na has­te pe­ni­a­na e a ci­rur­gia pa­ra co­lo­ca­ção de pró­te­se”, es­cla­re­ce, res­sal­tan­do que os ca­sos pre­ci­sam ser bem ava­li­a­dos pa­ra que a in­di­ca­ção se­ja a mais ade­qua­da pa­ra ca­da um dos pa­ci­en­tes.

Lu­cas Ba­tis­ta des­ta­ca que no tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so são usa­das dro­gas fa­ci­li­ta­do­ras da ere­ção, com re­sul­ta­dos mui­to rá­pi­dos, a exem­plo de dro­gas de ni­tra­to (sil­de­na­fil, var­de­na­fil e ta­la­da­fil; e a apo­mor­fi­na). “Quan­do a me­di­ca­ção não res­pon­de, a saí­da po­de ser a bom­ba de vá­cuo, que é um dis­po­si­ti­vo mui­to usa­do na Eu­ro­pa e Es­ta­dos Uni­dos, mas pou­co co­nhe­ci­do no Bra­sil. Ou ain­da as in­je­ções nos cor­pos ca­ver­no­sos do pê­nis”, pon­tua, o mé­di­co.

Ba­tis­ta ex­pli­ca que es­tão dis­po­ní­veis três mo­de­los no mer­ca­do: a se­mir­rí­gi­da, que man­tem o pê­nis sem­pre ere­to, a de dois vo­lu­mes e a de três vo­lu­mes. Os va­lo­res des­sa pró­te­se po­de va­ri­ar de R$ 5mil a R$ 30 mil. Mais de 16 mi­lhões de bra­si­lei­ros (8,1%) so­frem com o di­a­be­tes e cer­ca de 72 mil pes­so­as mor­rem por ano no Bra­sil em vir­tu­de da do­en­ça, de acor­do com a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de. No dia 14 de no­vem­bro, o Dia Mun­di­al e Na­ci­o­nal do Di­a­be­tes, é im­por­tan­te lem­brar a ne­ces­si­da­de de pre­ven­ção e con­tro­le. A nu­tri­ci­o­nis­ta Ga­bryel­la Ba­tis­ta, do Ins­ti­tu­to Ali­an­ça, res­sal­ta que ali­men­ta­ção e di­a­be­tes es­tão in­ter­li­ga­das. Uma má ali­men­ta­ção po­de cau­sar o des­con­tro­le da do­en­ça e com­pli­ca­ções co­mo o com­pro­me­ti­men­to da fun­ção re­nal, ce­guei­ra, am­pu­ta­ção de mem­bros, al­te­ra­ção da ca­pa­ci­da­de de co­a­gu­la­ção san­guí­nea den­tre ou­tras.To­dos as pes­so­as com di­a­be­tes de­ve­rão ser ori­en­ta­das a sem­pre le­var con­si­go o mo­ni­tor de gli­co­se, bem co­mo ali­men­tos pa­ra o ade­qua­do tra­ta­men­to da hi­po­gli­ce­mia, além de lem­brar que os ca­boi­dra­tos pre­ci­sam ser con­tro­la­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.