Pe­zão sa­be co­mo co­me­ram o co­e­lho

Correio da Bahia - - Mais -

Ma­ria An­to­ni­e­ta, coi­ta­da, nun­ca man­dou que na fal­ta de pão os pa­ri­si­en­ses co­mes­sem bri­o­ches. Mui­to me­lhor fez o go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão, do Rio de Ja­nei­ro: pro­vo­cou o fe­cha­men­to de res­tau­ran­tes po­pu­la­res que ser­vi­am pra­tos de co­mi­da a R$ 2, quer cor­tar o alu­guel so­ci­al que am­pa­ra mi­lha­res de fa­mí­li­as de de­sa­bri­ga­dos e mu­dou-se do seu apar­ta­men­to no Le­blon pa­ra o Pa­lá­cio La­ran­jei­ras, on­de se­rá ser­vi­do pe­la cri­a­da­gem da man­são. Pe­zão ad­mi­nis­tra­rá a ruí­na do an­dar de bai­xo no lu­xo do an­dar de ci­ma. Go­ver­na um es­ta­do fa­li­do e vai mo­rar num pa­la­ce­te fran­cês cons­truí­do no ini­cio do sé­cu­lo pas­sa­do pa­ra ale­grar o mag­na­ta Edu­ar­do Guin­le. A ca­sa tem um mo­men­to de hu­mor na es­tá­tua de um nu feminino ex­pos­to no ter­ra­ço, com o tra­sei­ro vol­ta­do pa­ra o olhar do cas­te­lão. Quan­do os Guin­le pre­ci­sa­ram de di­nhei­ro, pas­sa­ram a pro­pri­e­da­de ao go­ver­no fe­de­ral que mais tar­de en­tre­gou-a ao es­ta­do do Rio. Foi no La­ran­jei­ras que se­nho­res de ter­no e gra­va­ta pra­ti­ca­ram na bi­bli­o­te­ca a in­de­cên­cia ju­rí­di­ca da edi­ção do Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal nº 5. Sob a ad­mi­nis­tra­ção do es­ta­do do Rio, se­nho­res sem ter­no, gra­va­ta ou fos­se lá o que fos­se, di­ver­ti­am-se na sa­la de jan­tar. Em to­dos os ca­sos, as con­tas fo­ram pa­ra os con­tri­buin­tes.

Não foi Pe­zão quem com­prou o pa­lá­cio. Quem o ou­ve apren­de também que, a seu juí­zo, na­da te­ve a ver com a fa­lên­cia do es­ta­do do Rio. Ou­tro dia, ele era en­tre­vis­ta­do por cin­co jor­na­lis­tas, ao vi­vo e a co­res, quan­do o re­pór­ter Oc­ta­vio Gu­e­des per­gun­tou-lhe se a pro­mis­cui­da­de cul­ti­va­da pe­lo go­ver­no do Rio com al­guns de seus for­ne­ce­do­res “atra­pa­lha­va” a boa ad­mi­nis­tra­ção. Gu­e­des se re­fe­ria ex­pres­sa­men­te ao anel de bri­lhan­tes com que o em­prei­tei­ro Fer­nan­do Ca­ven­dish pre­sen­te­ou o go­ver­na­dor Ser­gio Ca­bral. Coi­sa de 2009, quan­do Pe­zão era seu vi­ce. O go­ver­na­dor tou­re­ou-o por três mi­nu­tos e não res­pon­deu. Atra­pa­lha­va, é ób­vio, tan­to que Ca­bral de­vol­veu-o quan­do a po­lí­cia saiu atrás de Ca­ven­dish.

Pe­zão sa­be o ta­ma­nho da ruí­na do Rio, o que ele não sa­be é se com­por­tar di­an­te de­la. Acha na­tu­ral cor­tar o alu­guel so­ci­al de de­sa­bri­ga­dos ani­nhan­do-se num pa­lá­cio, ou tou­re­ar uma per­gun­ta ba­nal co­mo a de Gu­e­des com a su­ti­le­za de um Mi­ke Ty­son. O dou­tor re­pe­te que não po­de ti­rar co­e­lho da car­to­la por­que nem car­to­la tem mais. Ver­da­de. Po­dia ao me­nos con­tar co­mo co­me­ram o co­e­lho?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.