Jen­ner a Voz da Cor

Correio da Bahia - - Vida -

Jen­ner Au­gus­to – A Po­e­sia da Cor é a ex­po­si­ção que es­tá pa­ten­te no Mu­seu da Mi­se­ri­cór­dia, na Pra­ça da Sé, com 22 qua­dros do ar­tis­ta nu­ma ini­ci­a­ti­va do ga­le­ris­ta Ze­ca Fernandes, ne­to do pin­tor. A cu­ra­do­ria é de Ma­rio Brit­to. Es­ta­rá em car­taz até o dia 25. O no­me não po­dia ser mais apro­pri­a­do já que Jen­ner foi um dos mai­o­res co­lo­ris­tas des­te país e ain­da um pai­sa­gis­ta ma­gis­tral. No Bra­sil te­mos pou­cos ar­tis­tas que ma­ne­jam com sa­be­do­ria a cor e cui­dam de pai­sa­gens. Ou­tro as­pec­to im­por­tan­te: em 1949, con­cre­ti­zou a pin­tu­ra de­co­ra­ti­va do bar Ca­ci­que, em Ara­ca­ju, sen­do ma­ni­fes­ta­ção pi­o­nei­ra da ar­te mo­der­na em seu es­ta­do. Nes­te ano, a par­tir de ju­lho, fi­xa-se em Sal­va­dor e co­nhe­ce os ar­tis­tas que de­ram iní­cio ao mo­der­nis­mo bai­a­no, co­mo Ma­rio Cra­vo, Car­los Bas­tos e Ge­na­ro de Car­va­lho, e in­te­gra-se ao mo­vi­men­to re­no­va­dor das ar­tes vi­su­ais da Bahia. Com seu tem­pe­ra­men­to afá­vel, sim­pli­ci­da­de, lo­go con­quis­tou a sim­pa­tia dos co­le­gas. Adap­tou-se à no­va ter­ra, fa­zen­do de­la o sen­ti­do mai­or de sua ar­te. Des­co­briu o bair­ro de Ala­ga­dos, que se tor­nou seu te­ma mais co­nhe­ci­do e mais co­pi­a­do. Ser­gi­pe foi raiz e a Bahia sen­ti­do de vi­da. Jen­ner era de­pen­den­te des­ta ter­ra e deu a ela uma su­ces­são de ima­gens di­fí­ceis de es­que­cer.

Em 1951, fi­gu­ra na I Bi­e­nal de São Pau­lo. Daí, sua car­rei­ra des­lan­chou, sen­do al­vo de co­men­tá­ri­os de crí­ti­cos de ar­te e in­te­lec­tu­ais e se tor­nan­do um dos mais fes­te­ja­dos ar­tis­tas do país. A ex­po­si­ção Jen­ner Au­gus­to - A Po­e­sia da Cor é com­pos­ta por tra­ba­lhos dos anos 50 aos anos 90, on­de se re­ve­lam di­ver­sas fa­ses co­mo a dos co­roi­nhas, dos pes­ca­do­res, dos re­ti­ran­tes, ca­sa­ri­os e ma­ri­nhas.

Jen­ner Au­gus­to (1924 - 2003), pin­tor, de­se­nhis­ta, car­ta­zis­ta, ilus­tra­dor, es­cul­tor e gra­va­dor, era um ar­tis­ta plu­ral, tra­ba­lha­dor ca­rac­te­ri­za­do pe­la cor que ele­va­va sem­pre às po­ten­ci­a­li­da­des má­xi­mas, bus­ca­va sem­pre sur­pre­en­der na ma­té­ria co­ran­te. Era se­nhor das co­res so­nha­das, adi­vi­nha­ções que só ele co­nhe­cia e era de per­ten­ci­men­to ex­clu­si­vo seu. Po­de­mos lo­ca­li­zar Jen­ner e seu es­pa­ço ge­o­grá­fi­co, atra­vés de su­as en­to­na­ções úni­cas, que tor­na qual­quer te­ma, qual­quer as­sun­to num ca­lei­dos­có­pio cro­má­ti­co, te­lú­ri­co e qui­mé­ri­co. Sua pin­tu­ra foi um exer­cí­cio de cor, as pos­si­bi­li­da­des de com­bi­na­ções, os ajus­tes. Cor é luz e Jen­ner sa­bia com­pre­en­der su­as ema­na­ções e seus mis­té­ri­os, ar­ran­car das for­mas, rit­mos so­la­res e lu­na­res.

Seus co­roi­nhas es­tão pos­tos em gran­des pla­nos de cor on­de, por ve­zes, a li­nha do ho­ri­zon­te dis­ten­di­da en­tre céu e mar, ou mar e lon­gín­quas mon­ta­nhas, com pin­ce­la­das flui­das quan­do sur­gem as fi­gu­ras em mis­té­rio, nu­ma at­mos­fe­ra de re­li­gi­o­si­da­de e fé. Em ou­tras ima­gens os co­roi­nhas de fé­ri­as são mais con­fi­gu­ra­dos, si­tu­a­dos en­tre mar e ri­os, brin­can­do em ban­cos de areia. Os ca­sa­ri­os fi­cam en­tre o re­gis­tro afe­ti­vo e o so­nha­do.

Por ve­zes, em perspectivas es­tu­da­das, por ou­tras, em in­ven­ções com pin­ce­la­das tex­tu­ri­za­das, mar­ca­das pe­las cer­das dos pin­céis. Pes­ca­do­res em seus bar­cos de sim­ples fa­tu­ra se es­pe­lham nas águas de co­res di­ver­sas, bus­can­do a ca­da dia um des­ti­no de far­tu­ra. En­tre a li­nha es­ti­ra­da do ho­ri­zon­te, céus e ter­ras sur­gem ma­ri­nhas de in­con­tá­veis re­cor­tes, an­gu­la­ções, co­res, po­vo­a­dos ou na so­li­dão ape­nas dos as­pec­tos for­mais da na­tu­re­za. O mar era um ele­men­to re­cor­ren­te nas pin­tu­ras de Jen­ner, al­go que tra­zia pre­so na me­mó­ria e per­cor­reu qua­se to­da sua tra­je­tó­ria. Sur­pre­en­dia a ca­da ân­gu­lo que es­co­lhia se­ja em pro­xi­mi­da­de ou lon­gín­quos ho­ri­zon­tes aden­tra­vam as te­las com seu de­se­nho se­gu­ro e le­ve, nos le­van­do à fan­ta­sia de uma vi­a­gem mar aden­tro. Jen­ner ti­nha um olhar trei­na­do pa­ra mi­nú­ci­as, vin­do de sua ca­pa­ci­da­de ra­ra de ob­ser­var e do sis­te­ma cu­mu­la­ti­vo que or­ga­ni­zou no pen­sa­men­to.

Jen­ner foi um pin­tor de me­mó­ri­as, do uni­ver­so nor­des­ti­no e su­as con­tra­di­ções, dos ma­res e céus, da vi­da que fluía em ca­da pin­ce­la­da. Dei­xou uma obra vas­ta e fe­cun­da que hon­ra a tra­di­ção bra­si­lei­ra da pin­tu­ra.

crc.ro­me­ro@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.