A vi­da que nos ale­gra

Correio da Bahia - - Front Page -

Pro­cu­ra­mos o mun­do que nos ale­gra pa­ra au­men­tar nos­sa po­tên­cia de agir, ao pas­so que fu­gi­mos do mun­do que não nos ape­te­ce com o mes­mo ob­je­ti­vo: es­ca­par da tris­te­za que nos ape­que­na e ma­ta em vi­da. O que nos ale­gra, me­re­ce vi­ver; o que en­tris­te­ce, pe­re­cer.

Ao es­co­lher uma vi­da pa­ra vi­ver, dei­xa­mos na ine­xis­tên­cia mi­lhões de ou­tras: des­de que Deus e o su­jei­to mo­der­no mor­re­ram, abra­ça­dos um ao ou­tro, com su­as cer­te­zas e dú­vi­das, pas­sa­mos a de­pen­der sem­pre e ca­da vez mais do ou­tro pa­ra to­mar de­ci­sões.

É nes­ta bus­ca in­sa­na pe­la al­te­ri­da­de que o mo­men­to de dis­cu­tir qual gru­po de po­der vai con­tro­lar o Vi­tó­ria nos pró­xi­mos anos soa en­tris­te­ce­dor no ins­tan­te em que o ti­me pre­ci­sa unir to­das as ener­gi­as pa­ra ale­grar os ru­bro-ne­gros, man­ten­do-se en­tre os for­tes.

Daí, a ne­ces­sá­ria de­so­be­di­ên­cia ao pre­za­do edi­tor que en­co­men­dou es­te ar­ti­go, su­ge­rin­do a abor­da­gem da que­re­la des­to­an­te com a agen­da do clu­be: per­dão, meu ca­ro, é mo­men­to de fo­car em con­quis­tar pon­tos di­an­te do San­tos e do Fi­guei­ren­se.

Can­di­da­to eu te­ria, por co­nhe­cer seu mo­do de tra­ba­lhar, sua ener­gia e for­ça, e re­co­nhe­cer ne­le a ca­pa­ci­da­de de fa­zer o Vi­tó­ria cres­cer, in­con­for­ma­do sem­pre com o que já fez e co­lo­can­do na ine­xis­tên­cia o que pas­sou pa­ra in­ves­tir a ener­gia no pre­sen­te.

A per­gun­ta que fi­ca: qui po­dest? A quem in­te­res­sa, ago­ra, ver os gla­di­a­do­res em ce­na? Que gê­nio ma­lig­no te­ria co­lo­ca­do em ro­ta de co­li­são as li­de­ran­ças, na ho­ra em que to­dos pre­ci­sam cal­çar jun­tos as chu­tei­ras com Ma­ri­nho e to­da a tur­ma ru­bro-ne­gra?

“Os ini­mi­gos sem­pre can­sam”. A fra­se de Lu­cré­cio é de uma eter­ni­da­de in­dis­cu­tí­vel, acres­ci­da da cer­te­za dos dois ma­les da hu­ma­ni­da­de: o pas­sa­do e o fu­tu­ro. É ao pre­sen­te que os gri­lhões de nos­sa exis­tên­cia e tem­po­ra­li­da­de es­tão ir­re­me­di­a­vel­men­te pre­sos.

Uma tor­no­ze­lei­ra ele­trô­ni­ca nos é afi­xa­da des­de o mo­men­to do nas­ci­men­to, quan­do os ins­tin­tos não vão mui­to além da suc­ção do seio ma­ter­no e de ou­tras ma­ni­fes­ta­ções das for­ças vi­tais, in­tes­ti­nos, tri­pas e ór­gãos em sin­to­nia pa­ra fa­zer a vi­da acon­te­cer.

Es­ta re­pre­sen­ta­ção pós-mo­der­na e tec­no­ló­gi­ca da im­po­si­ção de ter de fa­zer es­co­lhas a ca­da se­gun­do é que faz da vi­da uma pro­ble­ma­ti­za­ção éti­ca in­ces­san­te, co­mo es­ta de de­ci­dir ou não ma­ni­fes­tar-se a fa­vor ou con­tra de­ter­mi­na­da cha­pa no plei­to ru­bro-ne­gro. Ou­tro as­pec­to des­fa­vo­rá­vel, não bas­tas­se o ab­sur­do da coin­ci­dên­cia das agen­das do ti­me em lu­ta pa­ra não cair e dos gru­pos po­lí­ti­cos em guer­ra, é a fra­gi­li­da­de da de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va sem que a par­ti­ci­pa­ção das pes­so­as que com­põem o Vi­tó­ria se efe­ti­ve.

Por que a de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va se­rá sem­pre frá­gil se a par­ti­ci­pa­ção ine­xis­te? Por­que igua­la de­si­guais. O vo­to de um ru­bro-ne­gro pre­pa­ra­do, cons­ci­en­te, do­ta­do de re­per­tó­rio, lei­tu­ra, vi­vên­cia, ex­pe­ri­ên­cia, tem o mes­mo pe­so de um im­be­cil e são tan­tos!

O ta­pa­do, o re­a­ti­vo, o ma­ria-vai-com-as-ou­tras, o anal­fa­be­to po­lí­ti­co, es­tes ti­pos com­põem a mai­o­ria, en­quan­to o for­te, o bom, o ca­pa­ci­ta­do, o fera, é ti­po ra­ro e pre­ci­o­so; na ba­lan­ça de­mo­crá­ti­ca, os fra­cos, por se­rem mai­o­ria, po­dem ven­cer.

Os fra­cos e re­a­ti­vos fa­cil­men­te se unem, uma vez que sua fra­gi­li­da­de iso­la­da não os per­mi­te en­fren­tar o for­te, o gi­gan­te, o lí­der que mu­da a his­tó­ria e que vi­ve, não na ide­a­li­da­de ou no pas­sa­do, mas faz de ca­da au­ro­ra seu no­vo ru­gi­do do leão.

Es­te é o se­gun­do mo­ti­vo pe­lo qual abs­tém-se es­te ar­ti­cu­lis­ta de to­car no as­sun­to do qual fo­ge des­de a pri­mei­ra li­nha do tex­to: uma elei­ção por quan­ti­da­de de vo­tos, sem um de­ba­te e o co­nhe­ci­men­to das pro­pos­tas, é ape­nas uma quan­ti­fi­ca­ção de ma­na­das.

Quem ti­ver mais ga­do, ven­ce. Re­jei­tem es­ta pau­ta, des­fo­quem es­ta coi­sa sem no­ção e vão com­prar seus in­gres­sos an­te­ci­pa­dos, re­for­cem as ora­ções a Nos­sa Senhora da Vi­tó­ria, pen­sem po­si­ti­vo na per­ma­nên­cia en­tre os for­tes, pre­pa­rem os go­gós pa­ra gri­tar!

De­pois de ga­ran­tir-se na Sé­rie A, va­mos vi­ver a vi­da da de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va, ain­da que frá­gil. Nos pró­xi­mos di­as, to­da a ener­gia, to­da a for­ça, to­dos os co­ra­ções pre­ci­sam ba­ter jun­tos num só cor­po em vi­bra­ção: fi­ca, Leão, na pri­mei­ra di­vi­são!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.