Ti­te x Gor­di­o­la

Correio da Bahia - - Esporte -

O Bra­sil de Ti­te é a gran­de sen­sa­ção do mo­men­to no fu­te­bol mun­di­al. Um ti­me que mu­dou da água pa­ra o vi­nho e que te­ve o jo­go co­le­ti­vo apri­mo­ra­do, fa­zen­do sal­tar aos olhos a qua­li­da­de in­di­vi­du­al de seus jo­ga­do­res. O téc­ni­co da Se­le­ção, en­fim, co­lo­cou em prá­ti­ca tu­do o que es­tu­dou em seu “ano sa­bá­ti­co”, após o fim de sua pe­núl­ti­ma pas­sa­gem pe­lo Co­rinthi­ans.

Ti­te, sem som­bra de dú­vi­das, é o me­lhor téc­ni­co bra­si­lei­ro em ati­vi­da­de. Com con­cei­tos mo­der­nos de fu­te­bol, bus­cou re­fe­rên­ci­as nos prin­ci­pais trei­na­do­res do mun­do. Adap­tou es­ses con­cei­tos ao fu­te­bol bra­si­lei­ro, foi cam­peão da Sé­rie A com o al­vi­ne­gro pau­lis­ta, ano pas­sa­do, re­tor­nan­do ao clu­be após seu pe­río­do de re­ci­cla­gem, e saiu do Co­rinthi­ans dei­xan­do a equi­pe pró­xi­ma dos lí­de­res do Bra­si­lei­rão. Um pro­fis­si­o­nal que con­se­guiu se rein­ven­tar, mes­mo já os­ten­tan­do em seu cur­rí­cu­lo tí­tu­los co­mo os da Co­pa Li­ber­ta­do­res e do Mun­di­al de Clu­bes. Po­rém, fi­ca a dis­cus­são: por que Ti­te é o trei­na­dor mais ca­pa­ci­ta­do do país? Exis­tem téc­ni­cos que se apro­xi­mam de seu tra­ba­lho? O abis­mo é tão gran­de en­tre ele e seus co­le­gas de pro­fis­são?

Co­mo exem­plo, uti­li­za­rei o tra­ba­lho de Gu­to Fer­rei­ra no Bahia, já que é o téc­ni­co há mais tem­po pe­las ban­das da so­te­ró­po­lis. Ló­gi­co que são re­a­li­da­des de elen­cos bem di­fe­ren­tes, mas os con­cei­tos e as me­to­do­lo­gi­as po­dem ser pa­re­ci­dos, in­de­pen­den­te­men­te dos jo­ga­do­res uti­li­za­dos. A ten­dên­cia é que um gru­po com mai­or qua­li­da­de te­nha êxi­to mais rá­pi­do, po­rém, se não for bem trei­na­do, tor­na-se fi­as­co. Dun­ga es­tá aí pa­ra con­fir­mar es­sa te­se. Quan­do se fa­la em apli­ca­ção dos con­cei­tos de jo­go, Gu­to, pro­por­ci­o­nal­men­te, po­de ter o mes­mo su­ces­so de Ti­te. O gaú­cho tem co­mo for­ma­ção ba­se o 4-1-4-1. Des­ta for­ma, es­co­lhe os jo­ga­do­res que se adap­tam ao es­que­ma e, de pre­fe­rên­cia, que es­te­jam atu­an­do em seus clu­bes em sis­te­ma si­mi­lar. Mes­mo que não atu­em, que se apro­xi­mem dos con­cei­tos que ele pre­ga na Se­le­ção. Com pou­co tem­po pa­ra trei­na­men­tos, “mas­ti­ga” o jo­go pa­ra seus co­man­da­dos, or­ga­ni­za as ati­vi­da­des de for­ma que a adap­ta­ção se­ja rá­pi­da e pro­por­ci­o­na uma exe­cu­ção qua­se per­fei­ta dos mo­vi­men­tos du­ran­te a par­ti­da, nun­ca dei­xan­do de va­lo­ri­zar o ta­len­to in­di­vi­du­al do atle­ta.

Pa­re­ce fá­cil quan­do se po­de con­tar com os me­lho­res do mun­do, mas tor­na-se com­ple­xo quan­do se olha pa­ra o relógio. Gu­to Fer­rei­ra, no Bahia des­de ju­nho, dis­põe de mui­to mais tem­po pa­ra trei­nar seu ti­me e apli­car seus con­cei­tos de jo­go. Adep­to do 4-2-3-1, ain­da con­vi­ve com o co­ber­tor cur­to de de­sem­pe­nhos ra­zoá­veis em ca­sa e so­frí­veis lon­ge de Sal­va­dor. Na Fon­te No­va, mos­tra frag­men­tos de bons mi­nu­tos jo­ga­dos, mas sem man­ter uma con­sis­tên­cia por, pe­lo me­nos, dois ter­ços da par­ti­da.

Di­an­te do Lu­ver­den­se, no úl­ti­mo sá­ba­do, Gu­to ar­ris­cou co­me­çar no 4-1-4-1, mas des­fez o es­que­ma ain­da no pri­mei­ro tem­po, quan­do sa­cou Fei­jão pa­ra a en­tra­da de Mi­sa­el e vol­tou ao seu sis­te­ma tra­di­ci­o­nal – per­dia por 1x0 e, só de­pois da al­te­ra­ção, con­se­guiu equi­li­brar a par­ti­da. Pa­ra quem vê de fo­ra, ou os jo­ga­do­res não se adap­ta­ram ao es­que­ma, ou aque­les uti­li­za­dos na apli­ca­ção do 4-1-4-1 não fo­ram bem es­co­lhi­dos. É aí on­de mo­ra a di­fe­ren­ça.

A dis­cus­são vai bem além dos nú­me­ros. Gu­to Fer­rei­ra es­tá pró­xi­mo de con­quis­tar o aces­so à Sé­rie A, atin­gir o ob­je­ti­vo que lhe foi pro­pos­to e ser con­gra­tu­la­do por is­so. Ti­te, na Se­le­ção, em bre­ve ga­ran­ti­rá o Bra­sil na Co­pa do Mun­do da Rús­sia. A di­fe­ren­ça é co­mo se atin­ge a me­ta: cal­ca­do na con­sis­tên­cia dos de­sem­pe­nhos, ou abra­ça­do no prag­ma­tis­mo dos re­sul­ta­dos. Es­ta é o gran­de pa­ra­dig­ma do fu­te­bol bra­si­lei­ro.

Gu­to Fer­rei­ra es­tá pró­xi­mo

de con­quis­tar o aces­so à Sé­rie A e atin­gir o ob­je­ti­vo

que lhe foi pro­pos­to. Ti­te em bre­ve ga­ran­ti­rá o Bra­sil

na Co­pa. A di­fe­ren­ça é co­mo se atin­ge a me­ta: cal­ca­do na con­sis­tên­cia

dos de­sem­pe­nhos ou abra­ça­do no prag­ma­tis­mo

dos re­sul­ta­dos

el­ton.ser­ra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.