Adeus, Val­dir!

Correio da Bahia - - Esporte - Aman­da Pal­ma e Cla­ris­sa Pa­che­co re­da­cao@cor­rei­o24ho­ras.com.br

A mul­ti­dão que to­mou o Ce­mi­té­rio do Cam­po San­to on­tem à tar­de, na des­pe­di­da de Val­dir Ma­cá­rio, 45 anos, não dei­xou es­pa­ço pa­ra dú­vi­das: o ca­be­lei­rei­ro, um dos mais co­nhe­ci­dos da ci­da­de, era tam­bém dos mais que­ri­dos. A ca­pe­la do ce­mi­té­rio fi­cou lo­ta­da e, do la­do de fo­ra, ami­gos e cli­en­tes ain­da ten­ta­vam bus­car um porquê pa­ra o as­sas­si­na­to bru­tal, ocor­ri­do na noi­te do sá­ba­do, quan­do o ca­be­lei­rei­ro foi mor­to a ti­ros - de me­tra­lha­do­ra, se­gun­do a PM - no pró­prio sa­lão, na Ave­ni­da Vasco da Ga­ma.

Pe­lo me­nos mil pes­so­as acom­pa­nha­ram o se­pul­ta­men­to, mis­tu­ran­do sau­da­de, tris­te­za e pe­di­dos de Jus­ti­ça. “Fa­lar de­le é mui­to di­fí­cil. Pen­se em to­dos os ad­je­ti­vos bons... ele ti­nha. Não tem pa­la­vras pa­ra des­cre­ver es­sa bru­ta­li­da­de, da for­ma co­mo acon­te­ceu, den­tro do es­ta­be­le­ci­men­to que ele cons­truiu em 30 anos de tra­ba­lho com no­ve ti­ros”, dis­se o ami­go Paulo Cé­sar Sa­cra­men­to, 60.

Du­ran­te o se­pul­ta­men­to, fa­mi­li­a­res pas­sa­ram mal e pre­ci­sa­ram ser am­pa­ra­dos. Mui­tos ain­da bus­ca­vam en­ten­der co­mo tu­do acon­te­ceu. “Des­de on­tem, quan­do eu sou­be, é tu­do uma in­ter­ro­ga­ção. Val­dir dei­xa­va de co­mer e de ves­tir pa­ra dar aos ou­tros. Nun­ca vi re­cla­mar de na­da. Na sex­ta-fei­ra (11), ele foi lá em ca­sa, es­ta­va mui­to ale­gre, cheio de pla­nos, di­zen­do que o sa­lão es­ta­va bom­ban­do. Não era uma pes­soa com ini­mi­gos, não sei se foi al­guém com in­ve­ja, com rai­va”, dis­se a pe­da­go­ga Ja­ci­ra Sa­cra­men­to.

O De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP), que in­ves­ti­ga o cri­me, ain­da não fa­lou so­bre as in­ves­ti­ga­ções, mas já ou­viu tes­te­mu­nhas. Uma das li­nhas de in­ves­ti­ga­ção é a de que Val­dir foi mor­to por con­ta do en­vol­vi­men­to de um ir­mão com a es­po­sa de um tra­fi­can­te, que te­ria or­de­na­do a exe­cu­ção de Val­dir. Nas re­des so­ci­ais, cir­cu­la­ram fo­tos de dois ho­mens pre­sos, que se­ri­am sus­pei­tos do cri­me, mas a po­lí­cia ne­gou que te­nha fei­to pri­sões.

EMPODERAMENTO

Mais que ca­be­lei­rei­ro, Val­dir era um exem­plo de em­pre­en­de­do­ris­mo e empoderamento. “Ele foi a pri­mei­ra pes­soa a cor­tar o meu ca­be­lo, quan­do fui con­cor­rer à Be­le­za Ne­gra do Ilê. Acho que ele veio ao mun­do com es­sa mis­são, de ele­var a au­to­es­ti­ma do po­vo ne­gro. O que te­mos que fa­zer ago­ra é re­zar e pas­sar for­ça pa­ra a fa­mí­lia, por­que Val­dir es­tá bem, es­tá no Orum (mun­do dos es­pí­ri­tos, se­gun­do o can­dom­blé), es­tá nas mãos de Olo­run (ori­xá)”, afir­mou.

Um mecânico que tra­ba­lha pró­xi­mo ao sa­lão e pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car não acre­di­ta­va no que acon­te­ceu. “Era uma pes­soa ami­ga da co­mu­ni­da­de, fi­ca­va sen­ta­do aqui, con­ver­san­do com a gen­te, fui cri­a­do com ele no Man­gui­nho. É um ne­gó­cio cha­to, que dei­xa a gen­te mui­to tris­te”, dis­se.

“Acre­di­to que is­so foi um equí­vo­co, mas só Deus sa­be di­zer. Ele foi ví­ti­ma de um cri­me que aba­lou mui­to a fa­mí­lia e os ami­gos. Nin­guém es­ta­va es­pe­ran­do por is­so”, afir­mou ou­tro ami­go.

BRU­TA­LI­DA­DE

Val­dir foi mor­to a ti­ros no sá­ba­do (12), den­tro do pró­prio sa­lão, que fun­ci­o­na­va de se­gun­da a sá­ba­do, até às 20h, sem­pre com a pre­sen­ça de­le. “Ele era um ho­mem do tra­ba­lho. A vi­da de­le era es­se sa­lão. Uma pes­soa mui­to ale­gre, que não fu­ma­va, não be­bia, qua­se não saía pa­ra se di­ver­tir”, dis­se um ami­go.

Ima­gens do cir­cui­to in­ter­no do sa­lão Val­dir Ca­be­lei­rei­ro mos­tram o mo­men­to que dois ho­mens in­va­di­ram o es­ta­be­le­ci­men­to e dis­pa­ram con­tra o do­no. Nas ima­gens, é pos­sí­vel ver vá­ri­as pes­so­as cor­ren­do, en­tran­do no sa­lão, e em se­gui­da, dois ho­mens ar­ma­dos apa­re­cem.

Du­as mu­lhe­res que es­tão sen­ta­das em ou­tro cô­mo­do do sa­lão fi­cam de­ses­pe­ra­das. Uma ou­tra mu­lher apa­re­ce, sen­ta ao la­do de­las, mas vai em­bo­ra. Du­ran­te um mi­nu­to do ví­deo, não é pos­sí­vel ver o que acon­te­ce, mas um dos ho­mens, com uma me­tra­lha­do­ra nas mãos, vol­ta pa­ra a en­tra­da, fa­la com uma das mu­lhe­res e vol­ta pa­ra on­de Val­dir es­ta­ria.

Um ex-fun­ci­o­ná­rio con­tou que, nes­se mo­men­to, Val­dir ten­ta­va pro­te­ger os fa­mi­li­a­res pa­ra que não fos­sem atin­gi­dos. Em se­gui­da, as du­as mu­lhe­res ta­pam os ou­vi­dos e atra­vés do es­pe­lho é pos­sí­vel ver uma mo­vi­men­ta­ção. Se­ria o mo­men­to em que Val­dir é atin­gi­do. De­pois, os ho­mens fo­gem cor­ren­do (o ví­deo es­tá dis­po­ní­vel em www.cor­rei­o24ho­ras.com.br).

Uma dos úl­ti­mos cli­en­tes aten­di­dos por Val­dir no sá­ba­do foi um ami­go de in­fân­cia, que dei­xou o sa­lão por vol­ta das 18h40. “Ele me dis­se que es­ta­va an­si­o­so pa­ra che­gar em ca­sa e fi­car com os fi­lhos”, lem­brou.

Po­lí­cia apu­ra se Val­dir foi mor­to por or­dem de tra­fi­can­te

Ami­gos e fa­mi­li­a­res bus­cam ex­pli­ca­ções pa­ra a mor­te vi­o­len­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.