Val­dir co­me­çou car­rei­ra na por­ta de ca­sa

Correio da Bahia - - Mais -

Val­dir Ma­cá­rio ini­ci­ou a car­rei­ra no ra­mo de be­le­za na por­ta de ca­sa, em 1986, cor­tan­do o ca­be­lo de ami­gos e vi­zi­nhos na Tra­ves­sa Ma­no­el Faustino - o Man­gui­nho, no En­ge­nho Ve­lho de Bro­tas. Ami­gos con­tam que ele che­gou a cor­tar ca­be­los de cli­en­tes em­bai­xo de uma ár­vo­re.

“No co­me­ço, a gen­te sen­ta­va nu­ma bo­bi­na de en­ro­lar fio e ele cor­ta­va ali mes­mo”, lem­brou uma cli­en­te. A de­di­ca­ção dos Ma­cá­ri­os ao sa­lão foi em ho­me­na­gem à ma­tri­ar­ca, Aí­da, mãe de oi­to fi­lhos. No si­te do sa­lão, a his­tó­ria do em­pre­en­di­men­to se per­de com a de do­na Aí­da, “mu­lher com al­ma de rai­nha afri­ca­na que es­pa­lha­va, des­de mui­to ce­do en­tre os fi­lhos e fi­lhas, a im­por­tân­cia de se al­can­çar a in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra, o po­der, a união e a so­li­da­ri­e­da­de con­ser­van­do a dig­ni­da­de e a sim­pli­ci­da­de”.

Quan­do o ne­gó­cio co­me­çou a dar cer­to, Val­dir alu­gou um quar­ti­nho na mes­ma rua on­de mo­ra­va. O es­pa­ço fi­cou pe­que­no e ele mu­dou pa­ra uma sa­la na Ave­ni­da Vasco da Ga­ma. Co­mo o tra­ba­lho ga­nhou re­per­cus­são, ele com­prou o pré­dio on­de fun­ci­o­na a atu­al se­de. Ho­je, cer­ca de 15 pes­so­as tra­ba­lham do sa­lão. “A mai­o­ria dos fun­ci­o­ná­ri­os é da fa­mí­lia. Ele da­va opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lho pa­ra to­das as pes­so­as que po­dia. Con­se­guiu tu­do atra­vés do seu es­for­ço, não era en­vol­vi­do com na­da de er­ra­do”, con­tou um ex-fun­ci­o­ná­rio.

Além de ca­be­lei­rei­ro, Val­dir era for­ma­do em Mo­da pe­la FTC. On­tem à tar­de, ele foi ho­me­na­ge­a­do na II Mar­cha do Empoderamento Cres­po, que acon­te­ceu en­tre o Cam­po Gran­de e a Pra­ça Cas­tro Al­ves. “Nós, mu­lhe­res ne­gras, pre­ci­sá­va­mos de al­guém do ní­vel de Val­dir pa­ra le­van­tar a nos­sa au­to­es­ti­ma. Nin­guém che­ga­va na­que­le sa­lão com um pro­ble­ma sem sair de lá com ele re­sol­vi­do. Val­dir veio ao mun­do com es­se dom”, dis­se a ami­ga e cli­en­te Ja­ci­ra Sa­cra­men­to de San­ta­na, 57 anos. Além de ami­gos, fa­mi­li­a­res e cli­en­tes sau­do­sos, Val­dir dei­xou es­po­sa e dois fi­lhos: um me­ni­no de 5 anos e uma me­ni­na de 2. Na saí­da do ce­mi­té­rio, o pe­que­no João se de­cla­rou: “Te amo, pa­pai!” , dis­se, nos om­bros de um tio, a um re­pór­ter de TV.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.