Bahia é des­ta­que em pes­qui­sas de saú­de

Correio da Bahia - - Mais -

Des­de que foi fun­da­do em 2012, o Par­que Tec­no­ló­gi­co já abri­gou 38 em­pre­sas na in­cu­ba­do­ra Áity (pa­la­vra de­ri­va­da do tu­pi-gu­a­ra­ni, que sig­ni­fi­ca “ni­nho”). Ho­je são 21 star­tups ins­ta­la­das ou em pro­ces­so de ins­ta­la­ção – in­cluin­do as que fo­ram apro­va­das no úl­ti­mo edi­tal.

“Tra­ba­lhar com ino­va­ção ten­de a ser a for­ma de mu­dar o pa­ra­dig­ma do país e im­pul­si­o­nar a eco­no­mia bai­a­na”, afir­ma o co­or­de­na­dor da Áity, Antô­nio Ave­li­no Ro­cha. Ele lem­bra que gran­des em­pre­sas mun­di­ais da atu­a­li­da­de, co­mo Uber e Net­flix, já fo­ram em­pre­sas in­cu­ba­das em ou­tros par­ques de ino­va­ção pe­lo mun­do.

Há ain­da ou­tras 100 em­pre­sas que de­mons­tram in­te­res­se em en­trar no par­que e fa­zem par­te de uma lis­ta. “Não po­de­mos cha­mar de ‘lis­ta de es­pe­ra’ já que o mo­de­lo de en­tra­da no par­que se dá ape­nas por meio de cha­ma­da pú­bli­ca. Mas é um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de in­te­res­sa­dos em bus­ca de um no­vo mo­de­lo de ne­gó­cio, fo­ra ou­tras star­tups que não co­nhe­cem ou não pas­sa­rão, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pe­la Áity”, ana­li­sa o co­or­de­na­dor.

O Par­que Tec­no­ló­gi­co da Bahia tem, atu­al­men­te, 400 co­la­bo­ra­do­res – sen­do 135 so­men­te na in­cu­ba­do­ra de em­pre­sas. “Em 2012 eram 21 em­pre­gos di­re­tos na Áity. En­tão, a gen­te vê um cres­ci­men­to cla­ro da eco­no­mia com a ge­ra­ção des­ses em­pre­gos”, res­sal­ta Ro­cha.

Den­tro do par­que há um Po­lo de Ino­va­ção do Ins­ti­tu­to Fe­de­ral de Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia da Bahia (IFBA) que tra­ba­lha ex­clu­si­va­men­te com pro­du­ção de tec­no­lo­gia vol­ta­da pa­ra a área de saú­de. O po­lo é cre­den­ci­a­do pe­la Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa e Ino­va­ção In­dus­tri­al (Em­bra­pii) e é o úni­co la­bo­ra­tó­rio cer­ti­fi­ca­do pe­lo In­me­tro pa­ra a re­a­li­za­ção de en­sai­os de se­gu­ran­ça em ves­ti­men­tas de pro­te­ção ra­di­o­ló­gi­ca. “Is­so sig­ni­fi­ca que qual­quer fa­bri­can­te do Bra­sil que vá ven­der es­ses itens no mer­ca­do na­ci­o­nal pre­ci­sa pas­sar por uma ve­ri­fi­ca­ção co­nos­co”, de­ta­lha o di­re­tor do po­lo, An­der­son Lei­te. Ele ex­pli­ca que um exem­plo des­tas “ves­ti­men­tas” são aque­les aven­tais de chum­bo que o pa­ci­en­te usa co­mo pro­te­ção sem­pre que vai fa­zer um exa­me de raio X. “Por es­se mo­ti­vo, re­ce­be­mos em­pre­sá­ri­os de to­do o país. Is­so dá vi­si­bi­li­da­de ao nos­so par­que tec­no­ló­gi­co e ao tra­ba­lho que fazemos aqui”.

Ou­tra ins­ti­tui­ção que tam­bém es­tá in­ves­tin­do em pes­qui­sa e ino­va­ção den­tro do Par­que Tec­no­ló­gi­co é a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (UFBA), em par­ce­ria com a fun­da­ção ale­mã Frau­nho­fer. De acor­do com o pró-rei­tor de pes­qui­sa da UFBA, Oli­val Frei­re Ju­ni­or, um no­vo pro­je­to que já es­tá pa­ra ser ini­ci­a­do é a Cer­ti­fi­ca­ção pa­ra Cé­lu­las Fo­to­vo­tái­cas. “As ener­gi­as re­no­vá­veis são um agen­te de fu­tu­ro na ma­triz ener­gé­ti­ca e na eco­no­mia bai­a­na. E além de de­sen­vol­ver tec­no­lo­gia, a gen­te con­tri­bui pa­ra a for­ma­ção de pes­so­al por­que nes­se la­bo­ra­tó­rio va­mos ter alu­nos de mes­tra­do, dou­to­ra­do e ini­ci­a­ção ci­en­tí­fi­ca”.

Pa­ra Bru­no Ca­bral, in­te­grar o Par­que Tec­no­ló­gi­co pas­sa cre­di­bi­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.