Empoderamento cres­po é te­ma de mar­cha no Cen­tro de Sal­va­dor

Correio da Bahia - - Bahia - CLA­RIS­SA PA­CHE­CO

IDEN­TI­DA­DE Empoderamento, or­gu­lho e lu­ta to­ma­ram o Cam­po Gran­de e a Ave­ni­da Se­te de Se­tem­bro, on­tem à tar­de, na se­gun­da edi­ção da Mar­cha do Empoderamento Cres­po. Ao som da Ban­da Di­dá e acom­pa­nha­dos por um car­ro de som, cen­te­nas de pes­so­as se­gui­ram até a Pra­ça Cas­tro Al­ves pa­ra fa­lar de res­pei­to, es­té­ti­ca ne­gra e com­ba­te ao ra­cis­mo. “Nós con­se­gui­mos vi­si­bi­li­da­de e res­pei­to a par­tir de um sím­bo­lo da in­to­le­rân­cia que aca­bou se tor­nan­do um sím­bo­lo de lu­ta”, dis­se a or­ga­ni­za­do­ra do even­to, Ivy Gu­e­des. Na aber­tu­ra da mar­cha foi fei­ta uma ho­me­na­gem ao ca­be­lei­rei­ro Val­dir Ma­cá­rio, 45 anos, as­sas­si­na­do no sá­ba­do (12), den­tro do pró­prio sa­lão, es­pe­ci­a­li­za­do em ca­be­los cres­pos. “A mar­cha so­freu um du­ro gol­pe na sua vés­pe­ra por­que Val­dir era um sím­bo­lo do empoderamento cres­po”, dis­se Ivy. O rap­per Mr. Ar­men­gue dis­se que o se­gre­do é re­sis­tir. “A gen­te tem que re­sis­tir com mú­si­ca, com po­e­sia, com a nos­sa rou­pa, nos­so ca­be­lo, nos­sa es­té­ti­ca, por­que tu­do na gen­te fa­la”, dis­se. “É o mo­men­to de a gen­te não só lu­tar, mas mos­trar que es­ta­mos lu­tan­do”, dis­se a es­tu­dan­te

Bi­an­ca Araú­jo, 16.

Na aber­tu­ra da mar­cha hou­ve ho­me­na­gem a Val­dir Ca­be­lei­rei­ro, que foi mor­to no úl­ti­mo sá­ba­do (12)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.