A lu­ta pe­la re­pú­bli­ca

Correio da Bahia - - Front Page -

Cen­to e vin­te se­te anos de­pois, o país co­me­mo­ra nes­ta ter­ça-fei­ra a Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca – um le­van­te po­lí­ti­co-mi­li­tar, li­de­ra­do pe­lo ma­re­chal De­o­do­ro da Fon­se­ca, que impôs o fim do Se­gun­do Im­pé­rio. O ad­ven­to da Re­pú­bli­ca sig­ni­fi­cou um pas­so im­por­tan­te do Bra­sil ru­mo à mo­der­ni­da­de, em um pro­ces­so que se ar­ras­ta­va des­de as ten­ta­ti­vas abo­li­ci­o­nis­tas e cul­mi­nou com a as­si­na­tu­ra da Lei Áu­rea, um ano an­tes.

A cri­se no Im­pé­rio deu-se, prin­ci­pal­men­te, pe­las re­cla­ma­ções da con­cen­tra­ção do po­der nas mãos do im­pe­ra­dor D. Pedro II. A Igre­ja pro­tes­ta­va con­tra as in­ter­fe­rên­ci­as do mo­nar­ca nos as­sun­tos re­li­gi­o­sos. O Exér­ci­to não apro­va­va a cor­rup­ção na Cor­te, uma do­en­ça que já ti­nha cu­nhos his­tó­ri­cos na­que­la épo­ca. A clas­se mé­dia cres­cia nos cen­tros ur­ba­nos e rei­vin­di­ca­va mai­or par­ti­ci­pa­ção nas de­ci­sões. Os pro­pri­e­tá­ri­os ru­rais, prin­ci­pal­men­te os gran­des pro­du­to­res de café, de­se­ja­vam mais po­der po­lí­ti­co, já que de­ti­nham o econô­mi­co. Com pres­sões de to­dos os la­dos, o Im­pé­rio ruiu em 15 de no­vem­bro de 1889. Ape­sar da in­ten­sa lu­ta política, não hou­ve par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar em tor­no da Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca. Re­la­tos da épo­ca mos­tram que “o po­vo as­sis­tiu a tu­do de for­ma bes­ti­li­za­da”, co­mo con­tou Aris­ti­des Lo­bo, um ju­ris­ta da épo­ca.

A ideia de re­pú­bli­ca nas­ceu na Ro­ma An­ti­ga, quan­do os ro­ma­nos lu­ta­vam con­tra o po­der cen­tra­li­za­do da mo­nar­quia. Re­pú­bli­ca, no la­tim, sig­ni­fi­ca coi­sa pú­bli­ca, sis­te­ma em que o che­fe de governo é es­co­lhi­do por elei­ções. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca im­por­tan­te des­sa for­ma de governo é a obe­di­ên­cia às leis que re­gem uma na­ção. A ideia de re­pú­bli­ca es­tá li­ga­da à de­mo­cra­cia e à cri­a­ção de li­mi­tes pa­ra os de­ten­to­res do po­der.

Pa­ra o fi­ló­so­fo ita­li­a­no Nor­ber­to Bob­bio, o fun­da­men­to de uma boa re­pú­bli­ca, mais até do que as bo­as leis, é a vir­tu­de dos ci­da­dãos. A no­ção con­tem­po­râ­nea des­se for­ma­to de governo es­tá as­sen­ta­da nos prin­cí­pi­os de or­de­na­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal, da pro­te­ção dos in­di­ví­du­os con­tra o ex­ces­so de po­der dos go­ver­nan­tes e do ca­rá­ter abran­gen­te das leis, cri­a­das pe­los re­pre­sen­tan­tes do po­vo.

No fe­ri­a­do que mar­ca a efe­mé­ri­de, fi­ca a re­fle­xão de que, com a re­pú­bli­ca, a de­mo­cra­cia con­so­li­da-se co­mo re­gi­me em que o po­vo es­tá re­pre­sen­ta­do e pro­te­gi­do e on­de to­dos, sem ex­ce­ção, de­vem ser iguais pe­ran­te a lei.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.