Sa­lão Val­dir Ca­be­lei­rei­ro não abre; po­lí­cia apu­ra mo­ti­va­ção do cri­me

Correio da Bahia - - Bahia -

VI­O­LÊN­CIA O Ins­ti­tu­to de Be­le­za Val­dir Ca­be­lei­rei­ro, na Ave­ni­da Vasco da Ga­ma, não abriu na ma­nhã de on­tem, dois di­as após o as­sas­si­na­to do do­no do es­ta­be­le­ci­men­to, Val­dir Ma­cá­rio, 45 anos. O ho­rá­rio de fun­ci­o­na­men­to nor­mal do sa­lão era de se­gun­da a sá­ba­do, das 9h às 20h. O ca­be­lei­rei­ro foi mor­to no úl­ti­mo sá­ba­do à noi­te, quan­do aten­dia um cli­en­te no lo­cal. Um ví­deo mos­tra o mo­men­to em que ho­mens ar­ma­dos in­va­dem o sa­lão e ma­tam a ví­ti­ma, atin­gi­da com di­ver­sos dis­pa­ros, in­clu­si­ve de me­tra­lha­do­ra. As ofi­ci­nas e ou­tras lo­jas que fun­ci­o­nam no tér­reo e pró­xi­mo ao sa­lão es­ta­vam aber­tas, mas nin­guém quis fa­lar so­bre o cri­me. A mai­or par­te dos fun­ci­o­ná­ri­os do es­ta­be­le­ci­men­to é da fa­mí­lia de Val­dir, in­cluin­do seis ir­mãos do ca­be­lei­rei­ro. O COR­REIO ten­tou, mas não con­se­guiu con­ta­to com a fa­mí­lia de Val­dir on­tem. A po­lí­cia dis­se que não iria di­vul­gar in­for­ma­ções so­bre a au­to­ria do cri­me, pa­ra não atra­pa­lhar as in­ves­ti­ga­ções. Uma das hi­pó­te­ses pa­ra o as­sas­si­na­to de Val­dir é que o ca­so te­nha re­la­ção com o aten­ta­do so­fri­do há um mês pe­lo ir­mão de­le, Re­gi­nal­do Ma­nu­el da Sil­va, 45, co­nhe­ci­do co­mo Re­gi­nho, tam­bém den­tro do sa­lão. O mo­ti­vo do aten­ta­do se­ria o en­vol­vi­men­to de Re­gi­nho com uma mu­lher ca­sa­da com um ho­mem li­ga­do ao trá­fi­co de dro­gas. A mor­te de Val­dir con­ti­nu­ou re­per­cu­tin­do en­tre ami­gos. O can­tor da ban­da Psi­ri­co, Már­cio Vic­tor, dis­se es­tar de­vas­ta­do e mui­to tris­te com a no­tí­cia. “Val­dir foi um pai, um gran­de ami­go, um ir­mão. Um ho­mem bom pa­ra seus ami­gos e fa­mi­li­a­res. Ele aju­dou a qua­se to­das as ban­das de Sam­ba da Bahia”, es­cre­veu o ar­tis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.