OMC tem ra­zão

Correio da Bahia - - Economia -

O governo Te­mer não de­ve­ria se­quer pen­sar em re­cor­rer da con­de­na­ção que os pro­gra­mas de in­cen­ti­vo fis­cal a se­to­res in­dus­tri­ais re­ce­be­ram na OMC. Eles fe­rem, sim, as re­gras do co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal e, pi­or, sub­tra­em re­cur­sos dos com­ba­li­dos co­fres pú­bli­cos. Foi par­te do dis­cu­tí­vel ar­se­nal usa­do pe­lo governo Dil­ma pa­ra dar van­ta­gens a al­gu­mas em­pre­sas, en­quan­to co­bra­va a con­ta das ou­tras.

Os co­fres pú­bli­cos es­tão em pe­nú­ria e mes­mo as­sim es­te ano fo­ram pre­vis­tos R$ 271 bi­lhões em de­so­ne­ra­ções de im­pos­tos, ou 20,9% da re­cei­ta to­tal, se­gun­do es­ti­ma­ti­vas in­cluí­das em es­tu­dos da Re­cei­ta Fe­de­ral. Es­se é o va­lor to­tal da re­nún­cia fis­cal, e al­guns in­cen­ti­vos po­dem até fa­zer sen­ti­do. O sub­sí­dio a se­to­res in­dus­tri­ais que a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC) con­de­nou é ape­nas uma fra­ção des­se to­tal, mas a ques­tão prin­ci­pal é: por que dar van­ta­gens a um de­ter­mi­na­do se­tor?

Quan­do o Rein­te­gra foi lan­ça­do, em 2011, es­cre­vi que ele se pa­re­cia com ou­tros pro­gra­mas já proi­bi­dos pe­la OMC e, por­tan­to, o Bra­sil po­de­ria ser de no­vo con­de­na­do. Foi. Por ele, ex­por­ta­do­res re­ce­bem 3% do va­lor das ex­por­ta­ções. Na épo­ca do lan­ça­men­to, o en­tão mi­nis­tro Gui­do Man­te­ga apre­sen­tou a me­di­da avi­san­do que era pa­ra in­cen­ti­var o cres­ci­men­to — “ago­ra que a in­fla­ção es­tá con­tro­la­da”— e que ela cus­ta­ria R$ 4,5 bi­lhões por ano. Es­ta­va ao la­do de­le seu se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo ad­jun­to Dyo­go Oli­vei­ra, que ho­je é mi­nis­tro do Pla­ne­ja­men­to. Nem a in­fla­ção es­ta­va con­tro­la­da, nem o Rein­te­gra in­cen­ti­vou o cres­ci­men­to. Es­se é ape­nas um dos se­te pro­gra­mas que a OMC con­si­de­rou que des­res­pei­ta as nor­mas de co­mér­cio às quais o Bra­sil ade­riu. O re­la­tó­rio anu­al da Re­cei­ta Fe­de­ral di­vul­ga­do em maio diz que o Rein­te­gra cus­ta­rá R$

9,6 bi­lhões de 2016 a 2018. Ele já cus­tou R$ 11 bi­lhões de 2011 até ju­nho des­te ano. Mas por que mes­mo um país, que es­tá com um rom­bo de R$ 170 bi, tem que pa­gar to­do es­se di­nhei­ro pa­ra que o ex­por­ta­dor ex­por­te? O ar­gu­men­to usa­do pe­lo governo pas­sa­do foi que to­dos os paí­ses de­so­ne­ram su­as ex­por­ta­ções. Mas o que es­se pro­gra­ma faz é mais do que de­so­ne­rar, é dar ao ex­por­ta­dor um va­lor do to­tal ex­por­ta­do. Em sua de­fe­sa, na épo­ca, o governo dis­se que ha­via fi­ca­do um resquí­cio de im­pos­to no va­lor de 3%. Nun­ca con­se­guiu ex­pli­car na OMC co­mo cal­cu­lou o tal “resquí­cio”. Nos anos 1970, o governo mi­li­tar im­ple­men­tou uma política pa­re­ci­da: a do cré­di­to-prê­mio do IPI da­do aos ex­por­ta­do­res. Es­se Rein­te­gra é a re­en­car­na­ção do cré­di­to-prê­mio.

Há ou­tros ab­sur­dos nos pro­gra­mas que be­ne­fi­ci­am os se­to­res au­to­mo­bi­lís­ti­co, si­de­rúr­gi­co e de in­for­má­ti­ca. O Ino­var Au­to, que con­ce­de re­du­ção de im­pos­tos pa­ra car­ros com fá­bri­cas ins­ta­la­das no Bra­sil, ou­tro con­de­na­do pe­la OMC, cus­tou qua­se R$ 3 bi­lhões en­tre 2013 e 2016.

O me­lhor que o governo Te­mer tem a fa­zer é não re­cor­rer da con­de­na­ção. A política que cla­ra­men­te fe­re as re­gras de co­mér­cio foi ado­ta­da pe­lo governo an­te­ri­or. Na épo­ca, aler­ta­dos pe­lo Ita­ma­raty de que a OMC po­de­ria re­a­gir, os mi­nis­té­ri­os da Fazenda e De­sen­vol­vi­men­to avi­sa­ram que o pro­ces­so con­tra nós de­mo­ra­ria anos e quan­do o Bra­sil fos­se con­de­na­do a in­dús­tria já te­ria ti­do be­ne­fí­ci­os. Is­so é um com­por­ta­men­to de­lin­quen­te. To­dos os juí­zes do pai­nel vo­ta­ram con­tra o Bra­sil na re­cla­ma­ção con­jun­ta apre­sen­ta­da pe­lo Ja­pão e pe­la Eu­ro­pa. E es­sa una­ni­mi­da­de é por­que os pro­gra­mas são tos­cos, fei­tos ape­nas pa­ra dar be­ne­fí­ci­os pa­ra mon­ta­do­ras e al­guns ou­tros se­to­res com di­nhei­ro pú­bli­co. Se o país os man­ti­ver, após ter si­do con­de­na­do, po­de ser re­ta­li­a­do em qual­quer ou­tra área, mes­mo que não se­ja a que te­ve a van­ta­gem fis­cal.

O Bra­sil vi­ve uma cri­se agu­da em que fal­ta di­nhei­ro pa­ra os ser­vi­ços mais bá­si­cos. O governo apre­sen­tou um pro­je­to que cria um te­to pa­ra as des­pe­sas pú­bli­cas, con­ge­lan­do-as do pon­to de vis­ta re­al. Em um mo­men­to co­mo es­te, por que mes­mo de­ve­ria bri­gar com a OMC pa­ra con­ti­nu­ar gas­tan­do com a in­dús­tria, prin­ci­pal­men­te a au­to­mo­bi­lís­ti­ca, em um pro­gra­ma do governo Dil­ma? Se­ria uma fal­ta de no­ção re­cor­rer con­tra a de­ci­são da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Co­mér­cio, por­que ela es­tá nos fa­zen­do um fa­vor. É ho­ra de aca­bar com es­sas me­di­das que nem de­ve­ri­am ter si­do re­cri­a­das 40 anos de­pois que fo­ram in­ven­ta­das no governo mi­li­tar.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.