Cu­nha­do é acu­sa­do de as­sas­si­nar so­bri­nha-ne­ta de José Sar­ney

Correio da Bahia - - Brasil -

VI­O­LÊN­CIA A so­bri­nha-ne­ta do ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca José Sar­ney (PMDB), Ma­ri­a­na Cos­ta, foi en­con­tra­da mor­ta em seu apartamento em São Luís, Ma­ra­nhão, com si­nais de as­fi­xia an­te­on­tem à noi­te. Se­gun­do in­for­ma­ções da po­lí­cia, ela te­ria si­do acha­da pe­las fi­lhas de 11 e 9 anos em sua ca­ma. Ma­ri­a­na che­gou a ser le­va­da a um hos­pi­tal par­ti­cu­lar, mas não re­sis­tiu aos fe­ri­men­tos. O prin­ci­pal sus­pei­to do as­sas­si­na­to é o cu­nha­do de­la, o em­pre­sá­rio Lu­cas Leite Por­to, ca­sa­do com a ir­mã da ví­ti­ma. De acordo com a pe­rí­cia da Po­lí­cia Ci­vil, o em­pre­sá­rio foi ao pré­dio pa­ra dei­xar a pró­pria Ma­ri­a­na e as du­as fi­lhas após par­ti­ci­par de um cul­to. Po­rém, ele su­biu uma se­gun­da vez ao apartamento da cu­nha­da e, após des­cer em de­fi­ni­ti­vo, efe­tu­ou lon­gas li­ga­ções no hall do edi­fí­cio. Se­gun­do a po­lí­cia, as câ­me­ras do Con­do­mí­nio Gar­vey Park fo­ram fun­da­men­tais pa­ra efe­tu­ar a pri­são - Por­to foi atu­a­do em fla­gran­te, mas ne­gou ter ma­ta­do a cu­nha­da. Após pres­tar de­poi­men­to, ele foi en­ca­mi­nha­do pa­ra o Com­ple­xo Pe­ni­ten­ciá­rio de Pe­dri­nhas. Ain­da de acordo com a po­lí­cia, Por­to ti­nha mar­cas de ar­ra­nhões no cor­po e no ros­to. O de­le­ga­do-ge­ral da Po­lí­cia Ci­vil do Ma­ra­nhão, La­wren­ce Me­lo, afir­mou que Lu­cas é o úni­co sus­pei­to pe­lo cri­me. “A in­ves­ti­ga­ção vai es­cla­re­cer a mo­ti­va­ção des­se fa­to. Pos­so afir­mar com pre­ci­são que a cau­sa da mor­te foi ini­ci­al­men­te uma ten­ta­ti­va de es­ga­na­du­ra, mas pos­si­vel­men­te uma su­fo­ca­ção, e is­so cor­ro­bo­ra com pro­vas tes­te­mu­nhais. A pes­soa que en­con­trou a ví­ti­ma dis­se que ela es­ta­va des­pi­da na ca­ma de seu quar­to, com o tra­ves­sei­ro so­bre o seu ros­to”, afir­mou o de­le­ga­do-ge­ral. “Ou­tras evi­dên­ci­as apon­tam Lu­cas co­mo sen­do a úni­ca pes­soa que es­te­ve na companhia da ví­ti­ma no pe­río­do que é apon­ta­do co­mo o mo­men­to de sua mor­te”, com­ple­tou. “Câ­me­ras que são lo­ca­li­za­das na re­si­dên­cia da ví­ti­ma mos­tram Lu­cas che­gan­do e pos­te­ri­or­men­te des­cen­do do no­no andar pe­las as es­ca­das. Ele des­ce cor­ren­do e es­tá com uma apa­rên­cia de es­tar trans­tor­na­do. Ao che­gar no tér­reo, ele pas­sa a mão no ros­to, faz uma li­ga­ção. Es­sa li­ga­ção pos­te­ri­or­men­te ele ne­ga”, ob­ser­vou o de­le­ga­do. Ou­tro pon­to apon­ta­do co­mo sus­pei­to é que Lu­cas te­ria ten­ta­do apa­gar evi­dên­ci­as. “Fi­cou de­mons­tra­do que Lu­cas ten­tou apa­gar di­ver­sas evi­dên­ci­as. Por exem­plo, ele apa­gou re­gis­tros do ce­lu­lar, ele se des­fez das rou­pas que ele uti­li­za­va no mo­men­to em que ele vi­si­ta o apartamento da ví­ti­ma e se ne­gou a en­tre­gar as ima­gens do con­do­mí­nio no qual ele é sín­di­co, no qual ele re­si­de, pa­ra que se fi­que de­mons­tra­do o ho­rá­rio em que ele che­ga nes­se con­do­mí­nio”, con­ti­nu­ou o de­le­ga­do. Lu­cas tam­bém ti­nha le­sões no cor­po co­mo se ti­ves­se par­ti­ci­pa­do de uma bri­ga. “Além dis­so, ele ti­nha le­sões no pul­so, tó­rax e no ros­to. Le­sões que de­mons­tram que ele es­te­ve en­vol­vi­do em uma lu­ta cor­po­ral. En­tão, há uma pos­si­bi­li­da­de de que a ví­ti­ma, ao ten­tar se de­fen­der, te­nha le­si­o­na­do o se­nhor Lu­cas; E ele não dá ne­nhum es­cla­re­ci­men­to, não dá ne­nhu­ma ou­tra pos­si­bi­li­da­de pa­ra ex­pli­car o mo­ti­vo des­sas le­sões”, con­cluiu o de­le­ga­do-ge­ral.

Lu­cas é o úni­co sus­pei­to

Ma­ri­na es­ta­va nua na ca­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.