Da­dos mos­tram que 2016 de­ve ser o ano mais quen­te da his­tó­ria

Correio da Bahia - - Brasil -

3º RE­COR­DE CON­SE­CU­TI­VO Os da­dos ain­da são par­ci­ais, mas o au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra ob­ser­va­do de ja­nei­ro a se­tem­bro co­lo­ca o ano de 2016 per­to de que­brar o ter­cei­ro re­cor­de con­se­cu­ti­vo co­mo ano mais quen­te da his­tó­ria. Eles apon­tam que o pla­ne­ta já po­de es­tar 1,2°C mais quen­te que o pe­río­do pré-Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al (fi­nal do sé­cu­lo XVIII). O aler­ta foi di­vul­ga­do na ma­nhã de on­tem pe­la Or­ga­ni­za­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca Mun­di­al (OMM), du­ran­te a 22ª Con­fe­rên­cia do Cli­ma, que ocor­re, até o dia 22, em Mar­ra­kesh, ca­pi­tal do Mar­ro­cos. Se­gun­do a OMM, ape­nas de ja­nei­ro a se­tem­bro a tem­pe­ra­tu­ra mé­dia do pla­ne­ta foi 0,88°C mai­or que a mé­dia ob­ser­va­da no pe­río­do de 1961 a 1990, usa­do co­mo ba­se de re­fe­rên­cia. De acordo com es­ses va­lo­res, a não ser que ou­tu­bro (que já pa­re­ce ter si­do igual­men­te quen­te), no­vem­bro e de­zem­bro se mos­trem anor­mal­men­te fri­os, os ci­en­tis­tas es­ti­mam que o ano atin­gi­rá a mar­ca de 1,2°C aci­ma do que o pla­ne­ta ex­pe­ri­men­ta­va an­tes que as emis­sões de ga­ses do efei­to es­tu­fa co­me­ças­sem a su­bir mui­to, fi­can­do mui­to per­to da me­ta de aque­cer so­men­te 1,5°C até o fi­nal do sé­cu­lo. Es­te é o ob­je­ti­vo al­me­ja­do pe­lo Acordo de Paris, fe­cha­do no ano pas­sa­do e que en­trou em vi­gor no úl­ti­mo dia 4. Se­gun­do os pes­qui­sa­do­res, a não ser que se­jam to­ma­das ati­tu­des drás­ti­cas de re­du­ção de emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa, mui­to além das já pro­me­ti­das, es­ta me­ta po­de ser per­di­da ra­pi­da­men­te. O au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra em 2016 ain­da foi fa­vo­re­ci­do pe­lo El Niño, que atin­giu o pla­ne­ta mais for­te­men­te no ano pas­sa­do, mas con­ti­nu­ou nos pri­mei­ros me­ses des­te ano, con­tri­buin­do com o pi­co de ca­lor. De acordo com os ci­en­tis­tas, po­rém, não foi ape­nas o fenô­me­no o res­pon­sá­vel pe­lo aque­ci­men­to. “O ca­lor ex­tra for­ne­ci­do pe­lo po­de­ro­so El Niño de­sa­pa­re­ceu, mas o ca­lor do aque­ci­men­to glo­bal con­ti­nua”, dis­se Pet­te­ri Ta­a­las, se­cre­tá­rio-ge­ral da OMM. “Em áre­as ár­ti­cas da Rús­sia, as tem­pe­ra­tu­ras fi­ca­ram 6°C a 7°C aci­ma da mé­dia de lon­go pra­zo. Em mui­tas ou­tras re­giões ár­ti­cas e su­bár­ti­cas na Rús­sia, no Alas­ca e no no­ro­es­te ca­na­den­se, a mé­dia foi ul­tra­pas­sa­da em pe­lo me­nos 3°C”, com­ple­tou Ta­a­las. O se­cre­tá­rio acres­cen­tou que o au­men­to na frequên­cia de en­chen­tes e de on­das de ca­lor, bem co­mo o au­men­to do ní­vel do mar, se de­ve a es­sas al­te­ra­ções cli­má­ti­cas. A cur­va de cres­ci­men­to da tem­pe­ra­tu­ra se tor­nou mais vi­sí­vel a par­tir dos anos 2000. Nes­se rit­mo, dos 17 anos mais quen­tes do re­gis­tro his­tó­ri­co, 16 te­rão ocor­ri­do nes­te sé­cu­lo (1998 foi o ou­tro ano). No jar­gão ci­en­tí­fi­co, há 95% de chan­ce de o re­cor­de ser ba­ti­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.