Mais

Correio da Bahia - - Brasil - Aman­da Pal­ma aman­da.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Em três anos, 30 no­vas dro­gas são iden­ti­fi­ca­das pe­la po­lí­cia bai­a­na

Com 50 ve­zes mais po­tên­cia do que a he­roí­na, o me­di­ca­men­to fen­ta­nil foi a cau­sa da mor­te do can­tor Prin­ce no ano pas­sa­do. A subs­tân­cia que era usa­da co­mo anes­té­si­co, já che­gou ao Bra­sil e foi apre­en­di­da na Bahia. O fen­ta­nil faz par­te do gru­po das qua­se 30 “no­vas” dro­gas que fo­ram iden­ti­fi­ca­das pe­lo De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca (DPT) em apre­en­sões na Bahia nos úl­ti­mos três anos.

To­das são sin­té­ti­cas e se apre­sen­tam das mais di­ver­sas for­mas: com­pri­mi­dos co­lo­ri­dos, cris­tais, mi­cros­se­los e pó. Se­gun­do a pe­ri­ta cri­mi­nal Ma­ri­sa Fon­tai­nha de Souza, a mai­or par­te das subs­tân­ci­as é apre­en­di­da no in­te­ri­or do es­ta­do, prin­ci­pal­men­te na re­gião Sul. “É on­de acon­te­cem es­sas fes­tas ra­ves, que reú­nem pes­so­as do mun­do to­do e que tra­zem na ba­ga­gem es­sas dro­gas. Elas são mais co­muns na Eu­ro­pa, não são fa­bri­ca­das aqui no Bra­sil”, afir­mou.

Se­gun­do o di­re­tor do De­par­ta­men­to de Re­pres­são e Com­ba­te ao Cri­me Or­ga­ni­za­do (Dra­co), Jor­ge Fi­guei­re­do, no ano pas­sa­do, qua­tro pro­du­to­res des­te ti­po de fes­tas fo­ram pre­sos e 740 com­pri­mi­dos apre­en­di­dos. Ain­da de acordo com ele, a mai­or par­te das dro­gas sin­té­ti­cas vem de São Paulo e do Es­pí­ri­to San­to.

As apre­en­sões acon­te­cem após de­nún­ci­as. “Usa­mos cães fa­re­ja­do­res que pos­su­em trei­na­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra dro­ga sin­té­ti­ca e atu­a­mos em áre­as por on­de es­sa dro­ga en­tra no es­ta­do, co­mo é o ca­so de ae­ro­por­tos, es­tra­das, fer­ry­bo­at e pe­los cor­rei­os”, ex­pli­ca Fi­guei­re­do.

As pri­mei­ras dro­gas “in­co­muns” co­me­ça­ram a apa­re­cer no DPT em 2011, mas a iden­ti­fi­ca­ção pre­ci­sa não era pos­sí­vel. Há qua­tro anos, o la­bo­ra­tó­rio con­ta com três cro­ma­tó­gra­fos - que fa­zem a com­pa­ra­ção com o banco de da­dos dis­po­ní­vel e de­li­mi­ta a qual subs­tân­cia per­ten­ce a amos­tra ana­li­sa­da.

ALUCINÓGENOS

A mai­or par­te das amos­tras ana­li­sa­das e iden­ti­fi­ca­das pe­lo DPT tem efei­to alu­ci­nó­ge­no se­me­lhan­te ao do LSD e ecs­tasy - mas am­bas já co­me­çam a apa­re­cer com me­nos frequên­cia no la­bo­ra­tó­rio.

“O fen­ta­nil tem efei­to 50 ve­zes mais que he­roí­na. Es­sa dro­ga co­me­ça a ser usa­da de for­ma abu­si­va. Não é de­tec­ta­do só na Bahia. Es­tá sen­do co­mum achar em ou­tros es­ta­dos do país”, com­ple­ta Ma­ri­sa.

Se­gun­do o co­or­de­na­dor do Cen­tro de Es­tu­dos e Te­ra­pia do Abu­so de Dro­gas (Ce­tad/Uf­ba), Antô­nio Nery, a mai­or par­te das subs­tân­ci­as é co­nhe­ci­da - ape­nas co­me­ça­ram a ser apre­en­di­das e iden­ti­fi­ca­das pe­la po­lí­cia. “As subs­tân­ci­as não são no­vas, tal­vez se­ja no­vo pa­ra a po­lí­cia que co­me­ça a fa­zer a tri­a­gem. Mas elas são de gran­de po­ten­ci­al de ris­co pa­ra a vi­da, são es­ti­mu­lan­tes as­so­ci­a­dos a ou­tras subs­tân­ci­as”, afir­ma.

MOR­TE

Des­sas “no­vas” dro­gas, as que têm si­do iden­ti­fi­ca­das com mai­or frequên­cia são 25H-NBOMe e NBOMe. A pri­mei­ra, há dois anos, ma­tou um es­tu­dan­te da Uni­ver­si­da­de de São Paulo (USP), e cau­sa di­ver­sos efei­tos co­la­te­rais: for­mi­ga­men­to, náu­se­as e va­so­cons­tri­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.