Mis­tu­ra de com­po­nen­tes po­ten­ci­a­li­za ris­co

Correio da Bahia - - Mais -

das co­mo me­di­ca­men­tos é uma ma­nei­ra de bur­lar a pri­são. “É uma téc­ni­ca pa­ra bur­lar a pri­são. Quan­do o DPT não en­con­tra a com­po­si­ção do ma­te­ri­al apre­en­di­do na lis­ta­gem de dro­gas da An­vi­sa, aca­ba ocor­ren­do o re­la­xa­men­to da pri­são”, afir­mou.

IDEN­TI­FI­CA­ÇÃO

Pa­ra iden­ti­fi­car as dro­gas apre­en­di­das pe­la po­lí­cia, o tra­ba­lho é mi­nu­ci­o­so - o pro­ces­so po­de du­rar me­ses. Dro­gas mais co­muns co­mo ma­co­nha, co­caí­na e crack já pos­su­em tes­tes de cons­ta­ta­ção, que re­du­zem o tem­po des­sa iden­ti­fi­ca­ção.

“Pe­lo vi­su­al já con­se­gui­mos iden­ti­fi­car mais ou me­nos e fazemos o tes­te de cons­ta­ta­ção, que com­pro­va. Ain­da as­sim, to­das as amos­tras são co­lo­ca­das nos cro­ma­tó­gra­fos, que dão o re­sul­ta­do fi­nal”, ex­pli­ca a pe­ri­ta Márcia Por­te­la. No ca­so da co­caí­na, o tem­po de iden­ti­fi­ca­ção é de cer­ca de 10 mi­nu­tos, por exem­plo.

“Há um mês, o DPT re­ce­beu uma cai­xi­nha com di­ver­sos com­pri­mi­dos di­fe­ren­tes e foi ne­ces­sá­rio fa­zer tes­tes em ca­da um de­les, pa­ra que fos­se iden­ti­fi­ca­da ca­da amos­tra, por­que ca­da uma de­las ti­nha uma em­ba­la­gem di­fe­ren­te, uma cor di­fe­ren­te, um sím­bo­lo di­fe­ren­te, en­tão, pre­ci­sa­va fa­zer es­sa iden­ti­fi­ca­ção”, de­ta­lha a pe­ri­ta Márcia.

Após a iden­ti­fi­ca­ção das dro­gas, o la­bo­ra­tó­rio emi­te um lau­do, que é en­vi­a­do pa­ra quem so­li­ci­tou os tes­tes. Ape­sar do avan­ço, em al­gu­mas si­tu­a­ções o la­bo­ra­tó­rio não con­se­gue fa­zer a com­pa­ra­ção que apon­ta quais são os prin­cí­pi­os ati­vos. Nes­se ca­so, as amos­tras são en­vi­a­das à Po­lí­cia Fe­de­ral ou à Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB), que man­tém par­ce­ria com o DPT.

Es­sa iden­ti­fi­ca­ção tam­bém ser­ve co­mo ba­se pa­ra a lis­ta da An­vi­sa, que re­ce­be as lis­tas de to­dos os es­ta­dos com as apre­en­sões de subs­tân­ci­as com uso abu­si­vo, o que pos­si­bi­li­ta que es­sa lis­ta se­ja atu­a­li­za­da com frequên­cia.

Por meio da as­ses­so­ria de co­mu­ni­ca­ção, a An­vi­sa in­for­mou que a in­clu­são de subs­tân­ci­as é ex­clu­si­vi­da­de da agên­cia, mas ocor­re após en­ca­mi­nha­men­to da Po­lí­cia Fe­de­ral. “Pa­ra a in­clu­são de subs­tân­ci­as ilí­ci­tas é ne­ces­sá­ria uma so­li­ci­ta­ção for­mal do De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Fe­de­ral (DPF). É o DPF que tem o pa­pel de in­ves­ti­gar e iden­ti­fi­car o uso des­sas no­vas dro­gas e, ca­so ne­ces­sá­rio, co­mu­ni­car à An­vi­sa”, diz a no­ta.

Após re­ce­ber o ofí­cio, a An­vi­sa le­va cer­ca de um mês pa­ra ana­li­sar o pe­di­do, e ava­li­ar em qual lis­ta a subs­tân­cia de­ve ser in­cluí­da. Nes­se pe­río­do, a agên­cia tam­bém ana­li­sa qual o ris­co sa­ni­tá­rio da subs­tân­cia e se ela pos­sui al­gu­ma fi­na­li­da­de terapêutica. Pa­ra a pe­ri­ta Márcia Por­te­la, o uso das no­vas subs­tân­ci­as aler­ta pa­ra os ris­cos que elas tra­zem, ain­da des­co­nhe­ci­dos, já que com­bi­nam di­ver­sos prin­cí­pi­os ati­vos. “Al­guns com­pri­mi­dos têm uma, du­as ou três subs­tân­ci­as di­fe­ren­tes. Às ve­zes são vá­ri­as coi­sas mis­tu­ra­das ”, ex­pli­ca.

Pa­ra o co­or­de­na­dor do Cen­tro de Es­tu­dos e Te­ra­pia do Abu­so de Dro­gas (Ce­tad/Uf­ba), Antô­nio Nery, as mis­tu­ras tra­zem ris­co à vi­da e são ma­ni­pu­la­das com o in­tui­to de mo­vi­men­tar ain­da mais o trá­fi­co. “Es­sa an­fe­ta­mi­na tem si­do as­so­ci­a­da a ou­tras

DOC

DOB

Me­ti­lo­na

25I-NBoMe

25C-NBoMe

Ce­ta­mi­na

Clor­ben­zo­rex

2CB coi­sas, em fun­ção do trá­fi­co, pa­ra ven­der mais e lu­crar mais, mis­tu­ra com ou­tras coi­sas, au­men­ta o ris­co da vi­da da pes­soa”, afir­ma.

Além dis­so, os es­pe­ci­a­lis­tas aler­tam que os jo­vens po­dem usar os com­pri­mi­dos ou se­los pen­san­do ser uma subs­tân­cia, quan­do, na ver­da­de, é ou­tra e os efei­tos são des­co­nhe­ci­dos. A fal­ta de in­for­ma­ção pre­ju­di­ca tam­bém o tra­ta­men­to em ca­so de over­do­se. “A pes­soa po­de dar en­tra­da em um hos­pi­tal achan­do que usou uma coi­sa, mas na ver­da­de foi ou­tra. Em al­guns ca­sos, por exem­plo, se usa o fen­ta­nil pa­ra o tra­ta­men­to, se a pes­soa já ti­ver con­su­mi­do es­sa subs­tân­cia, po­de le­var a uma over­do­se”, pon­de­ra a pe­ri­ta Márcia Por­te­la.

Já Antô­nio Nery des­ta­ca que o ris­co do uso abu­si­vo des­sas dro­gas em fes­tas é que as pes­so­as fi­cam mui­to can­sa­das e se des­gas­tam.

“As fes­tas são lon­gas e exis­te o ris­co de de­si­dra­ta­ção. Elas trans­pi­ram mui­to e não to­mam lí­qui­do su­fi­ci­en­te, por is­so o ris­co gra­ve pa­ra a vi­da”, ex­pli­ca. Pa­ra ele, é ne­ces­sá­rio que os jo­vens pen­sem em re­du­zir os da­nos da mis­tu­ra de com­pri­mi­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.