Re­ló­gio vi­rou pon­to de re­fe­rên­cia pa­ra a po­pu­la­ção

Correio da Bahia - - Mais -

con­tro, de re­fe­rên­cia pa­ra a ci­da­de”, diz.

Quan­do o re­ló­gio dá uma atra­sa­di­nha, seu Wil­son re­ce­be lo­go as co­bran­ças. “Os ve­lhos aqui da pra­ça me li­gam quan­do dá al­gum pro­ble­ma e eu tô sem­pre pas­san­do aqui pra ver. Quan­do eles não me acham no ce­lu­lar, li­gam pa­ra a Fun­da­ção Gre­gó­rio de Mat­tos”, diz Wil­son. Se­gun­do uma am­bu­lan­te, ele che­ga lá sem­pre às 16h30.

Seu João Pe­rei­ra da Sil­va, 75, mo­ra­dor do En­ge­nho Ve­lho da Fe­de­ra­ção, é um dos ob­ser­va­do­res do re­ló­gio. “Eu vi­vo olhan­do pra ele, mas ele atra­sa. Atra­pa­lha mais que ajuda”, pro­vo­ca, en­tre ri­sos. Tra­ba­lhan­do há seis me­ses em fren­te ao re­ló­gio cen­te­ná­rio, o re­lo­jo­ei­ro Antô­nio Ri­bei­ro, 55, de­fen­de o co­le­ga. “Re­ló­gio de cor­da atra­sa sem­pre, é nor­mal atra­sar. Mas Wil­son tá sem­pre aí. Des­de que foi res­tau­ra­do, ele não deu mais pro­ble­ma”, dis­se.

RESTAURO

Se­gun­do a Fun­da­ção Gre­gó­rio de Mat­tos, res­pon­sá­vel pe­la ma­nu­ten­ção do equi­pa­men­to, o re­ló­gio foi res­tau­ra­do em se­tem­bro do ano pas­sa­do, de­pois de dez anos sem fun­ci­o­nar. Na oca­sião, fo­ram re­ti­ra­dos os pon­tos de fer­ru­gem, fei­tos re­pa­ros na par­te me­câ­ni­ca, os vi­dros fo­ram tro­ca­dos e foi re­fei­ta a pin­tu­ra.

O cus­to to­tal da re­for­ma foi de R$ 40 mil pa­ra de­vol­ver o ma­qui­ná­rio fran­cês, mon­ta­do so­bre es­cul­tu­ra do ita­li­a­no Pas­qua­le de Chi­ri­co – o mes­mo res­pon­sá­vel pe­lo fa­mo­so Ca­bo­clo, no Cam­po Gran­de.

O pe­drei­ro Gil­ber­to dos San­tos, 73, pou­co pas­sa pe­lo lo­cal. Mas em to­das as opor­tu­ni­da­des, es­tá lá, olhan­do pa­ra o equi­pa­men­to. “Acho im­por­tan­te, bo­ni­to. O po­vo pa­ra pra olhar e eu, quan­do pas­so aqui, sem­pre olho”, diz o ho­mem, que mo­ra em Tan­cre­do Ne­ves. “A gen­te olha as ho­ras sem­pre por ele mes­mo e tem sem­pre tu­ris­ta ti­ran­do foto”, diz a ven­de­do­ra am­bu­lan­te Ja­mi­le Pai­xão, 26, que tra­ba­lha ao la­do do re­ló­gio.

Tu­ris­tas de Bra­sí­lia, o ser­vi­dor pú­bli­co Bernardo Luiz da Sil­va, 29, e a den­tis­ta Si­mo­ne Qu­ei­roz, 31, nem se im­por­ta­ram com a chu­va. En­quan­to pas­se­a­vam pe­la Ave­ni­da Se­te, na ma­nhã de on­tem, pa­ra­ram, cu­ri­o­sos. “Achei bo­ni­to, in­te­res­san­te e cheio de de­ta­lhes, bem con­ser­va­do, ape­sar do tem­po”. O ar­qui­te­to e his­to­ri­a­dor bai­a­no Chi­co Sen­na ex­pli­ca que o re­ló­gio foi im­por­tan­te na épo­ca da inau­gu­ra­ção não só pe­la be­le­za e por ter se tor­na­do des­de ce­do pon­to de re­fe­rên­cia, mas por ter per­mi­ti­do que a po­pu­la­ção pu­des­se ver as ho­ras com pre­ci­são. “Es­se re­ló­gio na ci­da­de re­al­men­te era uma re­fe­rên­cia pa­ra as pes­so­as sa­be­rem a ho­ra cor­re­ta, por­que os si­nos da igre­ja gui­a­vam, mas só ba­da­la­vam de 12 em 12 ou de seis em seis ho­ras, mas não acu­sa­vam os mi­nu­tos”, ex­pli­ca o his­to­ri­a­dor.

Ele dis­cor­da da ver­são de que o re­ló­gio te­nha si­do re­jei­ta­do na épo­ca da inau­gu­ra­ção. “Ele sem­pre foi mui­to bem re­ce­bi­do e sei que foi um emis­sá­rio aqui da Bahia na Fran­ça bus­car o re­ló­gio. Mas ele só trou­xe o ma­qui­ná­rio com o mos­tra­dor, por­que a es­cul­tu­ra é de Pas­qua­le de Chi­ri­co”, diz.

En­tre­tan­to, em 1999, um aci­den­te aca­bou des­truin­do o re­ló­gio. Um ca­mi­nhão pas­sou mui­to pró­xi­mo aos fi­os, que se en­ros­ca­ram no equi­pa­men­to e aca­ba­ram jo­gan­do-o no chão. “Ele se es­pa­ti­fou. Na épo­ca, eu era pre­si­den­te da Fun­da­ção Gre­gó­rio de Mat­tos e man­dei re­co­lher to­dos os ca­cos e fo­ram du­as equi­pes de tra­ba­lho. Uma do re­lo­jo­ei­ro que foi con­tra­ta­do pa­ra re­for­mar o ma­qui­ná­rio e um es­cul­tor pa­ra to­da a par­te es­cul­tó­ri­ca”, dis­se Sen­na.

Na épo­ca, a po­pu­la­ção co­bra­va que o re­ló­gio fos­se en­tre­gue an­tes da vi­ra­da do mi­lê­nio, pa­ra que ele pu­des­se re­gis­trar a ho­ra da pas­sa­gem. “A gen­te cor­reu atrás e con­tra­tou um re­lo­jo­ei­ro que tra­ba­lha­va na Rua Di­rei­ta da Pi­e­da­de e con­se­gui­mos en­tre­gar na última se­ma­na de de­zem­bro, a tem­po de re­gis­trar a pas­sa­gem pa­ra o ano 2000”, lem­brou Sen­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.