Con­tra a ce­guei­ra

Correio da Bahia - - Esporte -

Fer­nan­do; Jan­car­los, Ali­son, Nem e Ávi­ne; Mar­co­ne, Fá­bio Bahia, Hél­der e Mo­rais; Adri­a­no Mi­cha­el Jack­son e Ja­el. Ao fi­nal da Sé­rie B de 2010 to­do tri­co­lor sa­bia es­sa es­ca­la­ção de cor e sal­te­a­do e qua­se nin­guém ques­ti­o­na­va a ti­tu­la­ri­da­de des­ses 11. Foi o ti­me ba­se que ga­ran­tiu o úl­ti­mo aces­so tri­co­lor pra eli­te do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro.

O ti­me ba­se des­te ano é Mu­ri­el; Edu­ar­do, Jack­son, Ti­a­go e Moi­sés; Re­nê Jú­ni­or ou Luiz Antô­nio, Ju­ni­nho e Re­na­to Ca­já; Ed­gar Jú­ni­or, Her­na­ne e mais um. A dú­vi­da no meio é por­que Re­nê só ga­nhou a po­si­ção de Luiz há três ro­da­das. Na última pon­ta do ata­que, Al­la­no, Mi­sa­el, Wes­ley Na­tan e Vic­tor Ran­gel têm se re­ve­za­do. Al­la­no foi quem mais jo­gou na Sé­rie B, mas Vic­tor é que de­ve ter­mi­nar co­mo ti­tu­lar.

A equi­pe atu­al es­tá mui­to per­to de ga­ran­tir o aces­so tam­bém. Mas, além de che­gar ao fim do cam­pe­o­na­to com uma po­si­ção em aber­to e ou­tra re­cen­te­men­te pre­en­chi­da, vo­cê tem segurança em di­zer que con­fia ple­na­men­te nos ou­tros no­ve des­se ti­me, tor­ce­dor? Pense bem. Vo­cê res­pi­ra ali­vi­a­do quan­do a bo­la vai na di­re­ção de Mu­ri­el, ou es­tá sa­tis­fei­to com o cam­pe­o­na­to que Ca­já e Her­na­ne fi­ze­ram?

A res­pos­ta ne­ga­ti­va a es­sas per­gun­tas ajuda a en­ten­der por que a Sé­rie B des­te ano tem si­do tão so­fri­da. O ti­me não é con­fiá­vel. Tan­to pe­la per­for­man­ce ir­re­gu­lar de al­guns jo­ga­do­res, qu­an­to pe­la in­con­sis­tên­cia co­le­ti­va.

Em 2016, Bahia só jo­ga bem na Fon­te, on­de o ad­ver­sá­rio atua en­co­lhi­do e per­mi­te a im­po­si­ção da mar­ca­ção pres­são. Mas quan­do o jo­go pe­de uma pos­tu­ra di­fe­ren­te, nos jo­gos fo­ra, o tri­co­lor trava. Bem di­fe­ren­te de 2010, quan­do ven­ceu se­te par­ti­das co­mo vi­si­tan­te, gra­ças a um con­tra-ata­que mor­tal, pro­ta­go­ni­za­do por Ávi­ne e Mi­cha­el Jack­son. Em 2016, fo­ram ape­nas três vi­tó­ri­as fo­ra por en­quan­to. Ain­da res­ta um jo­go.

Mais con­fiá­vel, o ti­me de 2010 em­pol­gou mais. Na­que­le ano, o Bahia jo­gou pra lo­ta­ção má­xi­ma em Pi­tu­a­çu (32.157 pa­gan­tes) qua­tro ve­zes. Es­te ano, a Fon­te só vai lo­tar uma vez, nes­se sá­ba­do, con­tra o Bra­gan­ti­no. Pi­tu­a­çu pre­ci­sa­va de me­nos gen­te, é ver­da­de, mas o tí­que­te mé­dio era mais ca­ro – R$ 25, con­tra os R$ 21 atu­ais. Mes­mo as­sim, o ti­me des­te ano só su­pe­rou os mai­o­res pú­bli­cos de 2010 em du­as opor­tu­ni­da­des até aqui - con­tra Vasco e Sam­paio Cor­rêa.

Mais ver­sá­til, há seis anos o Bahia su­biu com du­as ro­da­das de an­te­ce­dên­cia. Che­gou na pe­núl­ti­ma ro­da­da com o aces­so ga­ran­ti­do e no­ve pon­tos de van­ta­gem pro quin­to co­lo­ca­do. Em com­pa­ra­ção ao ti­me atu­al, eram du­as vi­tó­ri­as (19 x 17) e no­ve gols a mais (62 x 53) na atu­al fa­se do cam­pe­o­na­to.

O Bahia de ho­je tem tu­do pra su­bir. Não fa­lo is­so com o co­ra­ção, ape­sar de ser tri­co­lor e es­tar tor­cen­do, e mui­to, pe­lo aces­so. É uma aná­li­se ra­ci­o­nal e ma­te­má­ti­ca. Se­gun­do a UFMG, são qua­se 84% de chan­ces de su­bir, con­tra pou­co mais de 15% do Náu­ti­co, a úni­ca ame­a­ça re­al.

Não fa­ço a com­pa­ra­ção com 2010 pra des­me­re­cer o ti­me atu­al. Ca­so o aces­so se con­fir­me, o ti­me de Gu­to Fer­rei­ra e Mar­ce­lo Sant’Ana te­rá fei­to por on­de, mes­mo com o ní­vel técnico bai­xís­si­mo des­te cam­pe­o­na­to, o que de­ve­ria ter tor­na­do as coi­sas bem mais fá­ceis pra um dos clu­bes mais ri­cos na dis­pu­ta. Ape­sar dis­so, os mé­ri­tos exis­tem e de­vem ser re­co­nhe­ci­dos, so­bre­tu­do a cam­pa­nha qua­se im­pe­cá­vel na Fon­te No­va.

Fiz a com­pa­ra­ção pra pro­vo­car uma re­fle­xão. Em 2010, mes­mo com o ti­me com­pro­va­da­men­te me­lhor na Sé­rie B, ape­nas dois jo­ga­do­res – Ávi­ne e Hél­der - fo­ram ti­tu­la­res na eli­te do ano se­guin­te, em que o Bahia pe­nou pra não cair.

Se o ti­me de 2010, mui­to me­lhor, ren­deu pou­ca gen­te pra Sé­rie A pos­te­ri­or, ima­gi­ne o de ago­ra? Se vi­er, o aces­so de­ve ser mui­to co­me­mo­ra­do. O tor­ce­dor me­re­ce. Mas no dia se­guin­te à fes­ta, ao me­nos pra car­to­la­gem, há mui­to tra­ba­lho pra se fa­zer. A aces­so não po­de ce­gar quem man­da, quem co­bra e quem tor­ce.

Em 2010, mes­mo com o ti­me com­pro­va­da­men­te

me­lhor na Sé­rie B, ape­nas dois jo­ga­do­res

– Ávi­ne e Hél­der fo­ram ti­tu­la­res na eli­te

do ano se­guin­te

da­ri­no.se­na@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.