Ca­mi­nha­da pe­de paz e fim da in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa

Correio da Bahia - - Bahia -

TRA­DI­ÇÃO Um ta­pe­te bran­co atra­ves­sou on­tem o En­ge­nho Ve­lho da Fe­de­ra­ção, du­ran­te a 12ª Ca­mi­nha­da pe­lo Fim da Violência, da In­to­le­rân­cia Re­li­gi­o­sa e pe­la Paz. Se­gun­do os or­ga­ni­za­do­res, 2 mil pes­so­as par­ti­ci­pa­ram. Nes­te ano, a mar­cha ho­me­na­ge­ou os edu­ca­do­res: “Se­ja um pro­fes­sor for­mal ou uma mãe de san­to, é ele que trans­mi­te pa­ra as cri­an­ças os va­lo­res e os cos­tu­mes”, afir­mou Evan­dro San­ta Rita, ogã do Ter­rei­ro do Co­bre e or­ga­ni­za­dor do even­to. Ape­sar dos pe­di­dos de paz, não fal­ta­ram re­la­tos de pre­con­cei­to. “Uma vez pe­di um tá­xi pe­lo te­le­fo­ne, mas ele pas­sou di­re­to. A te­le­fo­nis­ta dis­se que o ta­xis­ta não pe­ga­va ‘gen­te de ter­rei­ro’”, con­tou João Al­cân­ta­ra, do Ter­rei­ro do Co­bre. Já o ba­ba­lo­ri­xá An­drei Amo­rim, do ter­rei­ro Ilê Axé Odé Fa­ro Eran Omin, dis­se que as re­fe­rên­ci­as e sím­bo­los dos ori­xás que fi­cam na por­ta da ca­sa fo­ram ar­ran­ca­dos três ve­zes. “Mas a in­to­le­rân­cia não vai nos ven­cer”, afir­mou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.