Pa­ra FMI, Bra­sil tem fer­ra­men­tas pa­ra li­dar com o ‘efei­to Trump’

Correio da Bahia - - Bahia -

CHO­QUE EX­TER­NO O go­ver­no bra­si­lei­ro tem as fer­ra­men­tas pa­ra li­dar com o au­men­to da vo­la­ti­li­da­de no mer­ca­do fi­nan­cei­ro cau­sa­do pe­la sur­pre­sa com a vi­tó­ria de Do­nald Trump nas elei­ções pre­si­den­ci­ais dos Es­ta­dos Uni­dos, dis­se um al­to fun­ci­o­ná­rio do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) em con­ver­sa com jor­na­lis­tas on­tem. O eco­no­mis­ta do FMI des­ta­cou que, em ter­mos co­mer­ci­ais, o Bra­sil não é mui­to ex­pos­to aos EUA e ain­da é mui­to ce­do pa­ra ava­li­ar o que po­de acon­te­cer na mai­or eco­no­mia do mun­do com a vi­tó­ria de Trump. “Ain­da não sa­be­mos o con­teú­do das po­lí­ti­cas do no­vo go­ver­no. Te­mos al­gu­mas in­di­ca­ções, mas ain­da mui­to va­gas”, co­men­tou. O pri­mei­ro im­pac­to sen­ti­do pe­los mer­ca­dos emer­gen­tes com a elei­ção de Trump foi via mo­e­das, e a do Bra­sil foi uma das mais afe­ta­das, per­den­do mais de 8% de va­lor fren­te ao dó­lar. Além dis­so, em al­gu­mas eco­no­mi­as, as cur­vas de ju­ros su­bi­ram, si­na­li­zan­do que os in­ves­ti­do­res pre­ve­em ta­xas mais al­tas no fu­tu­ro. “Is­so é um mo­vi­men­to tí­pi­co de um cho­que ex­ter­no de in­cer­te­za”, ob­ser­vou. O eco­no­mis­ta lem­brou que em ou­tros mo­men­tos de ner­vo­sis­mo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, co­mo em 2013, quan­do o Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed, o ban­co cen­tral dos Es­ta­dos Uni­dos) si­na­li­zou que mu­da­ria a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria dos EUA, o Bra­sil con­se­guiu, por meio da ta­xa de câm­bio fle­xí­vel e das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais, li­dar com o cho­que ex­ter­no. Além dis­so, o BC usou o pro­gra­ma de swaps cam­bi­ais co­mo ou­tra fer­ra­men­ta. “As au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras têm as fer­ra­men­tas pa­ra li­dar com a vo­la­ti­li­da­de que es­ta­mos ven­do ago­ra”, re­for­çou. No ge­ral, o Bra­sil não é mui­to ex­pos­to em ter­mos co­mer­ci­ais aos Es­ta­dos Uni­dos, res­sal­tou o eco­no­mis­ta do FMI. Mas é pre­ci­so ver pri­mei­ro quais se­rão as po­lí­ti­cas de Do­nald Trump pa­ra ava­li­ar even­tu­ais im­pac­tos mais con­cre­tos no país. O FMI di­vul­gou on­tem o re­la­tó­rio Ar­ti­go IV so­bre o Bra­sil, mas o do­cu­men­to foi con­cluí­do em ou­tu­bro, ou se­ja, an­tes do re­sul­ta­do das elei­ções dos Es­ta­dos Uni­dos. No tex­to, o FMI res­sal­ta que as re­ser­vas do Bra­sil, de acor­do com al­gu­mas mé­tri­cas, in­clu­si­ve as do Fun­do, es­tão aci­ma do ade­qua­do, mas de­vem ser pre­ser­va­das. As re­ser­vas e o re­gi­me de câm­bio fle­xí­vel são fon­tes de for­ça pa­ra a eco­no­mia bra­si­lei­ra. O Fun­do tam­bém con­si­de­ra cor­re­ta a es­tra­té­gia do BC de ir re­du­zin­do o es­to­que do pro­gra­ma de swap cam­bi­al. So­bre as ações do BC, na se­ma­na pas­sa­da, pa­ra acal­mar o mer­ca­do de câm­bio, a ava­li­a­ção do al­to fun­ci­o­ná­rio do FMI é que a es­tra­té­gia foi ade­qua­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.