O quin­tal de Jo­van

Correio da Bahia - - Brasil Mundo - Maria Lan­dei­ro e Tai­la­ne Mu­niz mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br COLABORARAM ALES­SAN­DRA OLI­VEI­RA E VINICIUS GERICÓ

Em Salvador, qu­em tem um pé de qual­quer coi­sa per­to de ca­sa já po­de se dar por fe­liz. Mas nas ca­sas do Bai­xo Sul do estado, é di­fe­ren­te. Ir no quin­tal de ca­sa e pe­gar uma fru­ta do pé pa­ra fa­zer su­co é ro­ti­na. Na nas­cen­te do Rio Ju­li­a­na, em Igra­piú­na, a fa­mí­lia do agri­cul­tor Jo­van Nas­ci­men­to os­ten­ta um quin­tal com 2,1 mil ár­vo­res das mais va­ri­a­das es­pé­ci­es: ja­ca­ran­dá, in­gá, su­cu­pi­ra, se­rin­guei­ra. Is­so sem fa­lar nas fru­tí­fe­ras, que dão des­de cu­pu­a­çu e gra­vi­o­la até gua­ra­ná.

As ár­vo­res do quin­tal de Jo­van são ape­nas uma par­te das mais de 200 mil que fo­ram plan­ta­das na re­gião do Pra­ti­gi des­de 2008. A con­ser­va­ção am­bi­en­tal da re­gião é pro­mo­vi­da pe­la Or­ga­ni­za­ção de Con­ser­va­ção da Ter­ra (OCT), in­te­gran­te do Pro­gra­ma de De­sen­vol­vi­men­to e Cres­ci­men­to In­te­gra­do com Sus­ten­ta­bi­li­da­de (PDCIS), de­sen­vol­vi­do pe­la Fun­da­ção Ode­bre­cht. “A gen­te tra­ba­lha com o pla­ne­ja­men­to de es­pa­ço pa­ra fa­zer o uso ade­qua­do da ter­ra, si­ner­gi­ca­men­te ao uso dos re­cur­sos na­tu­rais. Quan­do se cria uma in­te­gra­ção da agen­da econô­mi­ca e am­bi­en­tal, vo­cê ge­ra sus­ten­ta­bi­li­da­de”, afir­ma o di­re­tor-exe­cu­ti­vo da OCT, Vol­ney Fer­nan­des.

O PDCIS já exis­te há 13 anos e tam­bém atua na ge­ra­ção de tra­ba­lho e ren­da dos pro­du­to­res ru­rais, na in­clu­são so­ci­al, e na edu­ca­ção con­tex­tu­a­li­za­da dos jo­vens da zo­na ru­ral.

A fa­mí­lia de Jo­van foi uma das pri­mei­ras be­ne­fi­ci­a­das pe­la OCT, em 2012. Gra­ças ao Sis­te­ma de Agro­flo­res­tas (SAF), im­ple­men­ta­do pe­la or­ga­ni­za­ção, o fa­tu­ra­men­to de Jo­van au­men­tou cer­ca de 1.000% em três anos. “Nós plan­ta­mos as ár­vo­res pa­ra cons­truir a floresta. Fo­lhas e ga­lhos ca­em das ár­vo­res e ser­vem de adu­bo ao so­lo, fa­zen­do a água em­po­çar e im­pe­dem a ero­são”, con­ta Vol­ney. “O cul­ti­vo acon­te­ce ao re­dor da floresta e ab­sor­ve to­dos es­ses be­ne­fí­ci­os”, com­ple­ta.

Jo­van con­ta que, pa­ra ele, o re­flo­res­ta­men­to foi o prin­ci­pal de­sa­fio. “Aqui não ti­nha ár­vo­re ne­nhu­ma. Fa­zia mui­to ca­lor, mas ago­ra mi­nha ca­sa é ar pu­ro”, lem­bra o agri­cul­tor.

A prin­ci­pal cul­tu­ra da fa­mí­lia é o ca­cau, po­rém, com as mu­dan­ças im­ple­men­ta­das, Jo­van in­tro­du­ziu o cul­ti­vo da man­di­o­ca, do fei­jão, da ba­na­na-da-ter­ra e do ai­pim. “Es­sas são cul­tu­ras de bai­xo im­pac­to, ou se­ja, que ao se­rem plan­ta­das ge­ram me­nos car­bo­no e pre­ju­di­cam me­nos o meio am­bi­en­te”, ex­pli­ca Vol­ney.

SER­VI­ÇOS AM­BI­EN­TAIS

Um dos mé­to­dos uti­li­za­dos pe­la OTC é o Pa­ga­men­to por Ser­vi­ços Am­bi­en­tais (PSA), que é apli­ca­do em par­ce­ria com a pre­fei­tu­ra da ci­da­de. Se­gun­do Vol­ney, a or­ga­ni­za­ção ori­en­ta os pro­du­to­res ru­rais com téc­ni­cas pa­ra uma pro­du­ção mais sus­ten­tá­vel e eles re­ce­bem o pa­ga­men­to da pre­fei­tu­ra por ca­da área con­ser­va­da. “No iní­cio, é uma for­ma de tor­nar a pre­ser­va­ção mais atra­ti­va pa­ra eles, até que as téc­ni­cas se­jam in­cor­po­ra­das e eles en­ten­dam a re­al im­por­tân­cia da con­ser­va­ção”, afir­ma o di­re­tor da OCT.

Jo­van, por exem­plo, re­ce­beu cer­ca de R$ 1.700 pe­las 2,1 mil ár­vo­res plan­ta­das, du­ran­te três anos. No ano pas­sa­do, fo­ram 76 hec­ta­res de áre­as res­tau­ra­das e mais de 1,5 mil fa­mí­li­as aten­di­das pe­la OCT. Des­sas, 17 fo­ram as pri­mei­ras do Bra­sil a ser cer­ti­fi­ca­das com o Se­lo Rain­fo­rest Al­li­an­ce, uma cer­ti­fi­ca­ção so­ci­o­am­bi­en­tal in­ter­na­ci­o­nal, que ga­ran­te que de­ter­mi­na­da pro­pri­e­da­de es­tá cum­prin­do com su­as fun­ções so­ci­o­am­bi­en­tais. Atu­al­men­te, mais qua­tro fa­mí­li­as es­tão em pro­ces­so de cer­ti­fi­ca­ção.

Jo­van já é cer­ti­fi­ca­do e, há três anos, atua co­mo mul­ti­pli­ca­dor. Ele re­pas­sa pa­ra a co­mu­ni­da­de to­das as tec­no­lo­gi­as que apren­deu. “O pes­so­al pas­sa­va por aqui e via a mu­dan­ça. Aí, da­qui a pou­co, veio meu vi­zi­nho per­gun­tar o que era; de­pois ou­tro ra­paz lá de ci­ma e eu fui ex­pli­can­do tu­do a to­do mun­do”, con­ta or­gu­lho­so. Se­gun­do Vol­ney, o ob­je­ti­vo é trans­for­mar o agri­cul­tor em um ges­tor qua­li­fi­ca­do da pai­sa­gem. “Uma pessoa que res­pei­ta os re­cur­sos na­tu­rais, que faz o es­go­ta­men­to sa­ni­tá­rio da for­ma cor­re­ta”, ilus­tra.

Pro­gra­ma plan­ta mais de 200 mil ár­vo­res e fa­mí­li­as mul­ti­pli­cam ren­da

NO­VAS GE­RA­ÇÕES

A vi­ce-pre­si­den­te da Fun­da­ção Ode­bre­cht, Gra­ci­e­la Reis, ex­pli­ca que o PDCIS vi­sa pas­sar a vi­são de ges­tão a es­sas fa­mí­li­as. “Mos­tra­mos a eles co­mo cui­dar do pró­prio ne­gó­cio e fa­zê-lo dar re­sul­ta­do. Se as pes­so­as es­tão mais pre­pa­ra­das, elas vão pas­sar is­so pa­ra as pró­xi­mas ge­ra­ções. Irão as­su­mir no­vos pa­péis na co­mu­ni­da­de, cons­truin­do um fu­tu­ro pro­mis­sor”, afir­ma ela.

A fi­lha mais no­va de seu Jo­van, Ja­que­li­ne, 17, é um exem­plo. Ela es­tu­dou na es­co­la da Ca­sa Fa­mi­li­ar Ru­ral (CFR), que tam­bém é uma ação do PDCIS na li­nha de edu­ca­ção con­tex­tu­a­li­za­da. Lá, os es­tu­dan­tes têm aces­so ao en­si­no téc­ni­co da agri­cul­tu­ra, in­te­gra­do com o en­si­no mé­dio. Os en­si­na­men­tos na es­co­la a aju­da­ram a ser uma mul­ti­pli­ca­do­ra jun­to com o pai. Ela tra­ba­lha com pis­ci­cul­tu­ra, cul­ti­van­do ti­lá­pi­as. “Não pre­ten­do sair da­qui e que­ro agar­rar as opor­tu­ni­da­des que vi­e­rem. Aju­dar meu pai e mi­nha mãe”, con­ta.

No cam­po, far­tu­ra é sinô­ni­mo de fes­ta. Ad­mi­ran­do o seu quin­tal, Jo­van já faz pla­nos pa­ra re­for­mar a ca­sa, que ain­da é a mes­ma de 30 anos atrás. “O que me faz mais fe­liz é olhar as coi­sas aqui, ver que eu plan­tei e que tá dan­do em quan­ti­da­de”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.