Trump e os ma­ra­jás bra­si­lei­ros

Correio da Bahia - - Mais -

Do­nald Trump fi­xou em um dó­lar o seu sa­lá­rio anu­al. Per­de­rá US$ 1,6 mi­lhão, uma mi­xa­ria pa­ra qu­em tem um pa­trimô­nio es­ti­ma­do em US$ 3,7 bi­lhões. Po­de-se di­zer que is­so é coi­sa de de­ma­go­go. Ou de vi­ga­ris­ta. Es­se foi o ad­je­ti­vo que lhe de­di­cou Mi­cha­el Blo­om­berg, ou­tro bi­li­o­ná­rio. Co­mo pre­fei­to de No­va

York de 2002 a 2013, ele as­su­miu o mes­mo com­pro­mis­so e re­ce­beu exa­tos US$ 12.

Blo­om­berg foi um gran­de pre­fei­to, e Trump é uma gran­de ame­a­ça. Am­bos emi­ti­ram um si­nal. Se al­guém lhes con­tas­se que no Bra­sil os go­ver­nos da União e dos es­ta­dos têm te­tos cons­ti­tu­ci­o­nais pa­ra os sa­lá­ri­os de seus ser­vi­do­res, mas eles são sis­te­ma­ti­ca­men­te des­cum­pri­dos, ve­ri­am nis­so uma opor­tu­ni­da­de pa­ra mos­trar aos elei­to­res por que en­tra­ram na po­lí­ti­ca. Qu­em es­tou­ra os te­tos não são os ser­vi­do­res que to­ma­rão fer­ro com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia ou os que es­tão sen­do cha­ma­dos a pa­gar a con­ta da far­ra do Rio de Janeiro. Es­tou­rar te­to é coi­sa pa­ra ma­ga­nos, gran­des bu­ro­cra­tas, ma­gis­tra­dos e até mes­mo pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os. Nin­guém faz na­da ile­gal, e aí é que es­tá o pro­ble­ma. Den­tro da le­ga­li­da­de, fa­bri­cam-se mi­mos que, li­vres da den­ta­da do Im­pos­to de Ren­da, cus­tam à Viú­va al­go co­mo R$ 10 bi­lhões anu­ais. Es­se di­nhei­ro se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra sal­var as fi­nan­ças do Rio por um ano e ain­da so­bra­ria al­gu­ma coi­sa.

Quan­do apa­re­cem os mi­mos da ma­gis­tra­tu­ra e dos pro­cu­ra­do­res, vem a gri­ta de que se pre­ten­de mu­ti­lar a in­de­pen­dên­cia do Ju­di­ciá­rio. Se al­guém di­vul­ga a lis­ta de pre­mi­a­dos do ma­gis­té­rio, vê-se uma ame­a­ça à au­to­no­mia uni­ver­si­tá­ria. Qu­em pe­de pa­ra ver o pre­ço dos au­xí­li­os e van­ta­gens do Le­gis­la­ti­vo é um pe­ri­go­so cer­ce­a­dor das li­ber­da­des pú­bli­cas. Mi­nis­tros da ca­ra­va­na de Te­mer, mui­to bem apo­sen­ta­dos an­tes de com­ple­tar 60 anos, in­for­mam que o Bra­sil pre­ci­sa re­for­mar sua Pre­vi­dên­cia e con­ti­nu­am acu­mu­lan­do os con­tra­che­ques que pro­du­zem a ruí­na fis­cal.

Ca­da cor­po­ra­ção be­ne­fi­ci­a­da em­bol­sa em si­lên­cio, dei­xan­do a de­fe­sa de seus in­te­res­ses a car­go de va­gas as­so­ci­a­ções de clas­se. A dos ma­gis­tra­dos che­gou a cri­ti­car os mi­nis­tros do Su­pre­mo que con­de­na­ram "gam­bi­ar­ras" e "pu­xa­di­nhos" que le­vam os sa­lá­ri­os de de­sem­bar­ga­do­res a R$ 56 mil (MG), R$ 52 mil (SP) e R$ 39 mil (RJ), quan­do o te­to sa­la­ri­al dos ser­vi­do­res é de R$ 33,7 mil. Um le­van­ta­men­to dos re­pór­te­res Edu­ar­do Bres­ci­a­ni e An­dré de Sou­za mos­trou que a Jus­ti­ça tem pe­lo me­nos 13.790 ser­vi­do­res ga­nhan­do aci­ma do te­to.

Che­ga a ser uma mal­va­de­za acre­di­tar que o Ju­di­ciá­rio é o pai da far­ra sa­la­ri­al dos ma­ra­jás. Ele é ape­nas o mais as­tu­to e, mui­tas ve­zes, o mais pre­po­ten­te. Po­den­do ser par­te da so­lu­ção, de­ci­diu se trans­for­mar em pa­la­di­no do pro­ble­ma.

Trump e Blo­om­berg to­pa­ram tra­ba­lhar por um dó­lar, mas são bi­li­o­ná­ri­os. A ma­gis­tra­tu­ra bra­si­lei­ra po­de­ria lim­par es­se tri­lho, de­ci­din­do que ne­nhum ser­vi­dor, a qual­quer tí­tu­lo, po­de le­var pa­ra ca­sa mais de R$ 33,7 mil men­sais. Nin­guém pas­sa­rá fo­me. In­fe­liz­men­te, em ju­nho pas­sa­do o juiz mi­nei­ro Luiz Gui­lher­me Mar­ques pe­diu pa­ra fi­car sem o seu re­a­jus­te en­quan­to du­rar a cri­se da eco­no­mia na­ci­o­nal. Den­tro da lei, ele ga­nha R$ 41 mil lí­qui­dos. O Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de Mi­nas Ge­rais in­de­fe­riu seu pe­di­do, pois sa­lá­rio é coi­sa "ir­re­nun­ciá­vel".

Qu­em es­tou­ra os te­tos não são os ser­vi­do­res que to­ma­rão fer­ro com a re­for­ma da

Pre­vi­dên­cia ou os que es­tão sen­do cha­ma­dos a pa­gar a con­ta da far­ra do Rio de Janeiro. Es­tou­rar te­to é coi­sa pa­ra

ma­ga­nos, gran­des bu­ro­cra­tas, ma­gis­tra­dos e

até mes­mo pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os. Nin­guém faz na­da ile­gal, e aí é que

es­tá o pro­ble­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.