Ré­veil­lon te­ve chei­ro de la­van­da na Pra­ça Cai­ru

Correio da Bahia - - Mais -

chei­ro, se­rá que é bom pa­dro­ni­zar aque­le chei­ro igual pa­ra uma ci­da­de?”, ques­ti­o­na.

Ain­da as­sim, Ro­ber­to elo­gia a es­co­lha das no­tas do per­fu­me. “Achei le­gal por­que tem um fres­cor e Salvador tem um pou­co dis­so, por­que faz mui­to ca­lor e te­mos aque­la coi­sa do ba­nho, de es­tar sem­pre chei­ro­so. Tem al­gu­mas coi­sas quen­tes, que são nos­sas tam­bém, e uma sen­su­a­li­da­de que o al­mís­car dá. Acho que cap­ta­ram bem a es­sên­cia e é sem­pre uma óti­ma no­tí­cia na área. E o no­me é óti­mo”, co­men­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

LANÇAMENTO

O per­fu­me se­rá lan­ça­do pri­mei­ro em São Pau­lo, ama­nhã, du­ran­te a di­vul­ga­ção dos even­tos do Ve­rão de Salvador. Jor­na­lis­tas, ar­tis­tas e em­pre­sá­ri­os se­rão os pri­mei­ros a co­nhe­cer o Xê­ro – Sin­ta Salvador, em uma ca­sa de even­tos na ca­pi­tal pau­lis­ta com a pre­sen­ça do pre­fei­to ACM Ne­to e dos can­to­res Sau­lo e Da­ni­e­la Mer­cury.

A di­re­to­ra da Ava­tim, Mô­ni­ca Bur­gos, ex­pli­ca co­mo foi o pro­ces­so de es­co­lha. “Co­me­çou de um so­nho meu, que sou car­na­va­les­ca apai­xo­na­da e co­me­cei a pen­sar na im­por­tân­cia de cri­ar um chei­ro. Eu acha­va que a ci­da­de po­dia ter uma iden­ti­da­de ol­fa­ti­va, por­que ela já tem tan­tas coi­sas que mar­cam: a ale­gria, os fes­te­jos, as re­li­giões. De­ci­di­mos co­lo­car tu­do is­so num chei­ro”, ex­pli­ca.

A pro­pos­ta é, a prin­cí­pio, es­pa­lhar o chei­ro em ho­téis, aviões, ae­ro­por­tos, agên­ci­as de vi­a­gem, além dos pon­tos turísticos e du­ran­te as fes­tas po­pu­la­res. Fu­tu­ra­men­te, o Xê­ro po­de­rá, tam­bém, ser ven­di­do co­mo sou­ve­nir. “Vai ser um sou­ve­nir ba­ca­na, pa­ra que as pes­so­as pos­sam le­var o chei­ro e re­lem­brar o que vi­ve­ram em Salvador. Va­mos dis­po­ni­bi­li­zar di­fu­so­res de am­bi­en­te, per­fu­mes de am­bi­en­te em ae­ros­sol e sa­bo­ne­tes”, diz Mô­ni­ca Bur­gos.

DE­FI­NI­ÇÃO

Pa­ra che­gar ao aro­ma da ca­pi­tal bai­a­na, fo­ram ou­vi­dos so­te­ro­po­li­ta­nos e tu­ris­tas de ida­des e clas­ses so­ci­ais va­ri­a­das. A par­tir das res­pos­tas, a em­pre­sa foi mon­tan­do op­ções de aro­mas. A per­fu­mis­ta Lu­ci­a­na Ber­ga­mas­co, da Voll­mens, gru­po par­cei­ro no for­ne­ci­men­to da es­sên­cia, as­si­na a cri­a­ção, mas o chei­ro fi­nal foi es­co­lhi­do por um gru­po de in­te­gran­tes da pre­fei­tu­ra, in­cluin­do ACM Ne­to. “A es­co­lha dos acor­des fi­nais cou­be a ele (pre­fei­to) de­ci­dir”, lem­bra.

O ge­ren­te de mar­ke­ting da Ava­tim, Ro­dri­go Qu­a­dros, um dos res­pon­sá­veis pe­la fra­grân­cia, ex­pli­ca o que faz o per­fu­me fi­car no ar. “As no­tas de saí­da são as pri­mei­ras a se­rem per­ce­bi­das ao bor­ri­far a fra­grân­cia”, diz. “A sen­sa­ção ol­fa­ti­va se­gue pa­ra as no­tas de cor­po, que car­re­gam a iden­ti­da­de do per­fu­me. Aqui, bus­ca­mos re­al­çar a for­ça e a fé do po­vo de Salvador”, com­ple­ta.

O Xê­ro é ins­pi­ra­do, tam­bém, na ale­gria e fes­ti­vi­da­de da po­pu­la­ção. Já os to­ques de flo­res bran­cas bus­cam tra­zer à me­mó­ria as ofe­ren­das, as águas de chei­ro das bai­a­nas usa­das nas la­va­gens. São es­sas fra­grân­ci­as que car­re­gam a iden­ti­da­de do per­fu­me. “As no­tas de fun­do são as mais den­sas e per­ma­ne­cem por mais tem­po no ar. Elas am­pli­am a mag­ni­tu­de dos de­mais acor­des e fi­na­li­zam o Xê­ro com no­tas ama­dei­ra­das de cash­me­re, ve­ti­ver e âm­bar cin­za, en­tre­la­ça­dos ao equi­lí­brio do al­mís­car”, fi­na­li­za Ro­dri­go. A pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia de Salvador com iden­ti­da­de ol­fa­ti­va foi no Ré­veil­lon, na vi­ra­da de 2015 pa­ra 2016. O chei­ro de la­van­da, ins­pi­ra­do nas águas de chei­ro, tam­bém foi de­sen­vol­vi­do pe­la Ava­tim e ba­ti­za­do de Mer­ca­do Mo­de­lo. Du­ran­te a quei­ma de fo­gos, 140 li­tros do per­fu­me fo­ram va­po­ri­za­dos pró­xi­mo ao pal­co e nos ca­ma­ro­tes na Pra­ça Cai­ru. “Fi­ze­mos um tra­ba­lho mo­des­to, uma coi­sa sim­ples. Aí es­se ano eu cha­mei Isa­ac (Eding­ton, pre­si­den­te da Sal­tur) pa­ra fa­lar­mos so­bre per­fu­me e is­so ca­mi­nhou pa­ra o pro­je­to do chei­ro pa­ra o Ve­rão de Salvador”, ex­pli­ca Mô­ni­ca Bur­gos, di­re­to­ra da Ava­tim.

Eding­ton ex­pli­ca co­mo sur­giu a par­ce­ria. “A gen­te tem bus­ca­do to­das as opor­tu­ni­da­des pa­ra for­ta­le­cer a ci­da­de. Eu já co­nhe­cia a Ava­tim e num diá­lo­go com eles, pen­sei que a gen­te po­dia fa­zer al­go que mar­cas­se a iden­ti­da­de da ci­da­de. No Ré­veil­lon, a gen­te já ti­nha fei­to a la­van­da, ago­ra va­mos dis­tri­buir al­guns brin­des e es­ta­mos pre­pa­ran­do al­gu­mas sur­pre­sas”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.