Vai ser com emo­ção

Correio da Bahia - - Esporte -

Se a tor­ci­da é o 12º jo­ga­dor co­mo di­zem por aí, sá­ba­do, o Bra­gan­ti­no po­de es­pe­rar mais um em cam­po jun­to ao ti­me ad­ver­sá­rio. Mais um não, 43.535 tri­co­lo­res pre­ci­sa­men­te. Com in­gres­sos es­go­ta­dos em pou­co mais de 48h do iní­cio das ven­das, o Bahia vai con­tar com a ca­sa cheia no jo­go que po­de ga­ran­tir o aces­so à Sé­rie A.

Mas de­pen­de de re­sul­ta­dos da ta­be­la, di­rão aque­les que gos­tam do fa­mi­ge­ra­do “mi­mi­mi”. De­pen­de sim, pre­ci­sa que o Náu­ti­co per­ca ou em­pa­te com o Tu­pi em ca­so de triun­fo na Fon­te No­va, ou que ele per­ca e que o Lon­dri­na tam­bém não ga­nhe do Avaí em ca­so de em­pa­te con­tra o Bra­gan­ti­no. E daí? Pa­ra qu­em vai sair ce­do e des­cer a La­dei­ra da Fon­te, es­sa ma­te­má­ti­ca à lá Oswald de Sou­za não vai nem pas­sar pe­la ca­be­ça.

Qu­em vai acor­dar ce­do pa­ra co­lo­car a cer­ve­ja no fre­e­zer, qu­em vai lem­brar de ves­tir a ca­mi­sa que usou no úl­ti­mo ten­to e qu­em vai reu­nir os ami­gos pa­ra to­mar uma e co­mer um es­pe­ti­nho, mi­nu­tos an­tes de en­con­trar o me­lhor lu­gar na ar­qui­ban­ca­da, só vai pen­sar no Bahia. Na­que­les 90 mi­nu­tos – ou um pou­qui­nho mais co­mo de cos­tu­me –, os 43.535 tor­ce­do­res só vão ter olhos pa­ra o ti­me de Gu­to Fer­rei­ra.

Não es­pe­re uma ló­gi­ca arit­mé­ti­ca des­sa mul­ti­dão. Não es­pe­re con­tas, não es­pe­re es­pe­cu­la­ção de re­sul­ta­dos. A par­tir do mo­men­to em que pas­sam pe­la ca­tra­ca de aces­so, es­ses tor­ce­do­res são só emo­ção.

Vo­cê po­de es­pe­rar gri­tos. Aos mon­tes, de dei­xar a voz rou­ca no dia se­guin­te. Po­de es­pe­rar mui­to “xa­laiá laiá”, “uh pu­la aê, dei­xa o cal­dei­rão fer­ver”, “59 é nos­so, 88 tam­bém” can­ta­dos a ple­nos pul­mões. Unhas roí­das, mãos no ros­to e ca­mi­sa gi­ran­do no ar tam­bém fa­zem par­te do pa­co­te. E, por­que não, lá­gri­mas, xin­ga­men­tos, de­ses­pe­ro em lan­ces de­ci­si­vos, pra­gas ro­ga­das ao juiz – e a sua po­bre mãe – e ten­são, mui­ta ten­são. Afi­nal, o Tri­co­lor de Aço gos­ta de tes­tar o co­ra­ção dos seus fiéis tor­ce­do­res. Qu­em pre­ci­sa de car­di­o­lo­gis­ta quan­do exis­tem jo­gos co­mo os con­tra Sam­paio Cor­rêa e Lu­ver­den­se?

Po­rém, co­mo to­do amor ver­da­dei­ro igual àque­les de no­ve­la que du­ram a vi­da in­tei­ra, tem so­fri­men­to, mui­to e ao lon­go de mui­to tem­po, mas no fi­nal, bem no fi­nal­zi­nho, tu­do sem­pre dá cer­to. E é es­se fi­nal fe­liz que os mais de 43 mil tri­co­lo­res e os ou­tros mi­lhões es­pa­lha­dos por aí es­pe­ram no pró­xi­mo sá­ba­do. Po­der bo­tar pa­ra fo­ra o gri­to de ale­gria há tan­to tem­po guar­da­do no pei­to, Bahia de no­vo na Sé­rie A, lu­gar de on­de não de­ve­ria ter saí­do. Po­der co­me­mo­rar no­va­men­te co­mo em 2010, de­pois de der­ro­tar a Por­tu­gue­sa por 3x0 em Pi­tu­a­çu.

E se a ma­te­má­ti­ca in­sis­tir em atra­sar, co­mo uma pe­ga­di­nha no me­lhor estilo pro­va de ves­ti­bu­lar, não tem pro­ble­ma. Es­sa mul­ti­dão vai fa­zer o mes­mo ri­tu­al, des­sa vez ru­mo à fren­te da TV. E te­nha cer­te­za que es­se 12º jo­ga­dor vai es­tar on­de seu ti­me es­ti­ver. Por­que pa­ra o Bahia, o úl­ti­mo mi­nu­to tam­bém faz to­da a di­fe­ren­ça.

Co­mo to­do amor ver­da­dei­ro igual àque­les de no­ve­la que du­ram a vi­da in­tei­ra, tem

so­fri­men­to, mui­to e ao lon­go de mui­to tem­po, mas no fi­nal, bem no fi­nal­zi­nho,

tu­do sem­pre dá cer­to

DEU ARO

Por fa­lar em tor­ce­do­res, os dos ti­mes de bas­que­te bra­si­lei­ros não es­tão na­da con­ten­tes. A Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal de Bas­que­te (Fi­ba) sus­pen­deu a Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Bas­que­te (CBB) até o dia 28 de janeiro. Com is­so, o Bra­sil não po­de dis­pu­tar qual­quer com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal or­ga­ni­za­da pe­la Fi­ba e os clu­bes bra­si­lei­ros não po­dem in­te­grar tor­nei­os da en­ti­da­de. É la­men­tá­vel ver que, pou­co me­nos de três me­ses após os Jo­gos Olím­pi­cos do Rio, es­se se­ja o le­ga­do do bas­que­te no país. E, co­mo em ou­tros es­por­tes, a cul­pa é da car­to­la­gem. Dí­vi­das não pa­gas “por um lon­go pe­río­do de tem­po”, can­ce­la­men­to de cam­pe­o­na­to de ba­se e ne­nhu­ma re­pre­sen­ta­ção em cam­pe­o­na­tos in­ter­na­ci­o­nais são al­guns dos exem­plos da má ges­tão ci­ta­dos pe­la Fi­ba. E co­mo dis­se a Ma­gic Pau­la em seu per­fil ofi­ci­al no Twit­ter: “Es­se sis­te­ma es­tá fa­li­do. [...] Que ver­go­nha, CBB”.

mi­ro.palma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.