Mé­di­cos anun­ci­am pa­ra­li­sa­ção a par­tir de ho­je em 4 ma­ter­ni­da­des

Correio da Bahia - - Bahia - HILZA CORDEIRO

CON­TRA­TO IR­RE­GU­LAR Mé­di­cos ne­o­na­to­lo­gis­tas de qua­tro ma­ter­ni­da­des da ca­pi­tal anun­ci­a­ram que irão sus­pen­der as ati­vi­da­des a par­tir de ho­je. O mo­ti­vo são atra­sos nos sa­lá­ri­os e ir­re­gu­la­ri­da­des em con­tra­tos com o go­ver­no es­ta­du­al. As ma­ter­ni­da­des Al­bert Sa­bin, Tsyl­la Bal­bi­no, do Hos­pi­tal Ge­ral Ro­ber­to San­tos e o Ins­ti­tu­to de Pe­ri­na­to­lo­gia da Bahia (Iper­ba) fi­ca­rão sem atendimento às ges­tan­tes por tem­po in­de­ter­mi­na­do. A as­sis­tên­cia às cri­an­ças já in­ter­na­das se­rá man­ti­da em ca­rá­ter de ex­ce­ção. Se­gun­do Fer­nan­do Ma­ga­lhães, pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Mé­di­cos da Bahia (Sin­di­med), são cer­ca de 50 ser­vi­do­res pú­bli­cos que es­tão atu­an­do tam­bém co­mo pes­soa ju­rí­di­ca. “Pe­lo es­ta­tu­to dos ser­vi­do­res, is­so não é per­mi­ti­do”, dis­se ele. “Re­ce­be­mos do TCE (Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do) um le­van­ta­men­to apon­tan­do a pro­ble­má­ti­ca des­sa prá­ti­ca, que é proi­bi­da. Os ser­vi­do­res pú­bli­cos não po­dem fa­zer con­tra­to com o pró­prio ór­gão pú­bli­co pa­ra o qual trabalham”, afir­mou a pro­mo­to­ra Ri­ta Tou­ri­nho. A Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do (Se­sab) dis­se que os con­tra­tos de pes­soa ju­rí­di­ca com o se­tor de saú­de são vi­gen­tes há 10 anos e que “es­tá em fa­se avan­ça­da de con­clu­são de um no­vo mo­de­lo de re­la­ção con­tra­tu­al com os mé­di­cos que pres­tam ser­vi­ço à se­cre­ta­ria”. Em no­ta, a Se­sab re­pro­vou a ati­tu­de dos ne­o­na­to­lo­gis­tas e in­for­mou que o pra­zo fi­nal de ne­go­ci­a­ção do no­vo mo­de­lo é no dia 20 de de­zem­bro. “A gen­te sa­be que exis­te pro­ble­ma na pres­ta­ção do ser­vi­ço de saú­de, mas as ile­ga­li­da­des não po­dem ser acei­tas. Não va­mos ado­tar me­di­das ju­di­ci­ais se a ir­re­gu­la­ri­da­de for re­sol­vi­da ime­di­a­ta­men­te”, ga­ran­tiu Ri­ta Tou­ri­nho. O Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na do Es­ta­do da Bahia (Cre­meb) tam­bém emi­tiu uma no­ta co­bran­do so­lu­ção pa­ra a si­tu­a­ção dos pro­fis­si­o­nais. Se­gun­do Jú­lio César Bra­ga, pre­si­den­te do con­se­lho, co­mo al­ter­na­ti­va em re­la­ção ao re­gi­me ir­re­gu­lar ado­ta­do, os mé­di­cos che­ga­ram a tra­ba­lhar co­mo pres­ta­do­res de ser­vi­ço em ca­rá­ter de in­de­ni­za­ção. “O mé­di­co vai lá, tra­ba­lha, emi­te uma no­ta fis­cal e de­pois o go­ver­no pa­ga”, ex­pli­cou. Ain­da con­for­me o pre­si­den­te, es­se pro­ces­so agra­vou a si­tu­a­ção, por­que o pa­ga­men­to fi­cou mais bu­ro­crá­ti­co. De acor­do com Ma­ga­lhães, nes­se sis­te­ma, os pro­fis­si­o­nais le­vam pe­lo me­nos qua­tro me­ses pa­ra re­ce­ber o sa­lá­rio. Com a pa­ra­li­sa­ção, a ori­en­ta­ção dos mé­di­cos é que as ges­tan­tes, que ne­ces­si­ta­rem de atendimento, pro­cu­rem as ma­ter­ni­da­des Cli­mé­rio de Oli­vei­ra, em Na­za­ré; Jo­sé Ma­ria de Ma­ga­lhães Net­to, no Pau Miú­do; e João Bas­tis­ta Ca­ri­bé, em Cou­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.