O ce­ná­rio Rio

Correio da Bahia - - Economia -

O tem­po fi­cou cur­to pa­ra que os es­ta­dos evi­tem, em su­as fi­nan­ças, o ce­ná­rio do Rio. A cri­se é uma com­bi­na­ção de er­ros: au­men­to des­con­tro­la­do de gas­tos com pes­so­al, re­gis­tro es­ta­tís­ti­co fa­lho das des­pe­sas, uso de em­prés­ti­mos e de ou­tras re­cei­tas atí­pi­cas pa­ra pa­ga­men­tos de sa­lá­ri­os. A re­ces­são pro­vo­ca­da pe­lo Go­ver­no Fe­de­ral apro­fun­dou o de­se­qui­lí­brio que acon­te­ce­ria de qual­quer for­ma.

O go­ver­no Dil­ma in­cen­ti­vou es­se qua­dro de des­con­tro­le quan­do deu uma sequên­cia de avais pa­ra que os es­ta­dos se en­di­vi­das­sem. A re­ces­são pro­vo­cou a re­du­ção das des­pe­sas. Por is­so a cri­se fi­cou mais apa­ren­te ago­ra. A se­cre­tá­ria de Fa­zen­da de Goiás, Ana Car­la Abrão, lem­bra que a no­va ma­triz econô­mi­ca fle­xi­bi­li­zou a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF) e per­mi­tiu que os es­ta­dos to­mas­sem em­prés­ti­mos com o aval do Te­sou­ro. Com is­so, re­cei­tas atí­pi­cas fo­ram usa­das pa­ra pa­ga­men­to não só de in­ves­ti­men­tos, mas de sa­lá­ri­os. - A no­va ma­triz ras­gou a LRF pa­ra os es­ta­dos. O Te­sou­ro pas­sou a dar ga­ran­tia aos em­prés­ti­mos, e os go­ver­na­do­res fo­ram aos ban­cos. Em pa­ra­le­lo, ha­via um cres­ci­men­to mui­to for­te dos gas­tos com pes­so­al ati­vo e ina­ti­vo. Ra­pi­da­men­te, es­ses em­prés­ti­mos fo­ram usa­dos pa­ra o pa­ga­men­to de pes­so­al. Quan­do Jo­a­quim Levy as­su­miu a Fa­zen­da, em 2015, ele viu o ta­ma­nho do pro­ble­ma e aca­bou com a fes­ta. Os es­ta­dos per­de­ram es­sa re­cei­ta e veio a re­ces­são. A cri­se se agra­vou - dis­se.

Ana Car­la Abrão as­su­miu a Fa­zen­da de Goiás em ja­nei­ro de 2015 e propôs um for­te ajus­te fis­cal no es­ta­do. O dé­fi­cit pri­má­rio es­ti­ma­do no iní­cio da­que­le ano che­ga­va a R$ 7 bi­lhões, den­tro de um or­ça­men­to de R$ 20 bi­lhões. O de­se­qui­lí­brio já era enorme. Com o ajus­te, o rom­bo foi re­du­zi­do pa­ra R$ 1,8 bi­lhão.

- Mas aí che­gou 2016, a re­ces­são se apro­fun­dou e o es­ta­do con­ti­nu­ou sem cai­xa. É um ajus­te sem fim. Os es­ta­dos têm um pro­ble­ma es­tru­tu­ral de des­pe­sas com pes­so­al e vão ter que re­du­zir o ta­ma­nho da má­qui­na. A ques­tão é que os ges­to­res não têm ins­tru­men­tos pa­ra en­fren­tar o pro­ble­ma. O que um go­ver­na­dor po­de fa­zer quan­do a Po­lí­cia Mi­li­tar fi­ca 60 di­as em gre­ve? Ele vai dar o au­men­to ex­pli­cou. Ana Car­la de­fen­de o en­du­re­ci­men­to da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal, mas com um pra­zo pa­ra adap­ta­ção. Pri­mei­ro, diz que é pre­ci­so cor­ri­gir a con­ta­bi­li­da­de de gas­tos com pes­so­al, por­que a re­gra atu­al têm ex­cluí­do des­pe­sas co­mo au­xí­lio-mo­ra­dia, au­xí­lio-ali­men­ta­ção, ver­bas in­de­ni­za­tó­ri­as e vá­ri­os ou­tros ti­pos de be­ne­fí­ci­os dos ser­vi­do­res. Se­gun­do, de­fen­de mais ins­tru­men­tos aos ges­to­res pú­bli­cos pa­ra li­dar com a cri­se, per­mi­tin­do, por exem­plo, fle­xi­bi­li­za­ção da jor­na­da de tra­ba­lho com re­du­ção de sa­lá­ri­os e a li­ber­da­de pa­ra des­li­gar ser­vi­do­res de em­pre­sas es­ta­tais quan­do elas fo­rem pri­va­ti­za­das. Mas pe­de um pra­zo de ca­rên­cia de 10 anos pa­ra que os es­ta­dos vol­tem a se en­qua­drar na lei.

- Quan­do as des­pe­sas de pes­so­al fo­rem re­gis­tra­das cor­re­ta­men­te (com to­dos os be­ne­fí­ci­os) to­dos os es­ta­dos es­ta­rão num ní­vel de cus­to que des­cum­pre a LRF, es­pe­ci­fi­ca­men­te o te­to de 60% da re­cei­ta cor­ren­te lí­qui­da com gas­tos de pes­so­al. Acho que é pre­ci­so mo­di­fi­car is­so, pa­ra que to­dos se de­sen­qua­drem e aí se en­con­tre uma so­lu­ção con­jun­ta.

O pro­je­to de se­cu­ri­ti­za­ção da dí­vi­da é ape­nas um pa­li­a­ti­vo. Ana Car­la ci­ta o exem­plo de Goiás. O es­ta­do tem R$ 40 bi­lhões de dí­vi­da ati­va, mas cer­ca de R$ 34 bi­lhões são con­si­de­ra­dos cré­di­tos po­dres, de ní­vel H, quan­do tem uma ina­dim­plên­cia de lon­go pra­zo. Di­fi­cil­men­te se­rão re­cu­pe­ra­dos, co­mo no ca­so de em­pre­sas que de­cre­ta­ram fa­lên­cia. Dos R$ 6 bi­lhões res­tan­tes, R$ 5 bi es­tão em ques­ti­o­na­men­to na Jus­ti­ça. So­bram R$ 1 bi­lhão, que po­de­ri­am ren­der cer­ca de R$ 300 mi­lhões aos co­fres do es­ta­do.

Olhan­do ca­da ca­so, é pos­sí­vel ver uma su­ces­são de er­ros. O go­ver­no Dil­ma fez par­te do des­con­tro­le quan­do es­ti­mu­lou que os es­ta­dos to­mas­sem em­prés­ti­mos pa­ra co­brir o rom­bo que se for­ma­va. Aí veio a re­ces­são e as re­cei­tas caí­ram, mas os es­ta­dos já es­ta­vam em cri­se. Há vá­ri­os pro­ble­mas que pre­ci­sam ser en­fren­ta­dos, co­mo ex­pli­cou Ana Car­la Abrão, mas to­dos os es­ta­dos es­tão em di­fi­cul­da­de. O Rio de Ja­nei­ro é ape­nas o ca­so mais gra­ve, o ce­ná­rio que to­dos que­rem evi­tar.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.