Par­te da ca­te­go­ria re­jei­ta no­vo re­a­jus­te e bandeira 2

Correio da Bahia - - Mais -

O tão aguar­da­do iní­cio da co­bran­ça da bandeira 2 pa­ra os taxistas ao lon­go de to­do o mês de de­zem­bro já não é mo­ti­vo de tan­ta co­bi­ça por boa par­te dos taxistas de Salvador. De acor­do com o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Me­tro­po­li­ta­na dos Taxistas de Salvador (AMT), Val­deil­son Mi­guel, a opi­nião es­tá di­vi­di­da es­te ano, di­an­te da cri­se econô­mi­ca e, es­pe­ci­al­men­te, a con­cor­rên­cia do Uber.

Com o no­vo re­gu­la­men­to da ca­te­go­ria, em vi­gor des­de 14 de mar­ço des­te ano, a co­bran­ça du­ran­te to­do o dia no úl­ti­mo mês do ano é fa­cul­ta­ti­va. E, di­an­te do no­vo ce­ná­rio, pou­cos pre­ten­dem co­brar o va­lor mais ca­ro. “En­quan­to uns que­rem o pre­ço mais al­to, mui­tos não vão co­brar. Na ver­da­de, nes­se mo­men­to, quem co­bra a bandeira 2 tem a per­der, por­que o pas­sa­gei­ro ou vai pa­ra um tá­xi que não co­bra, ou pe­ga um Uber”, ilus­tra Val­deil­son.

O ta­xis­ta Luiz Mar­cos dos San­tos, 44, acre­di­ta que bai­xar os pre­ços po­de ser um re­cuo pe­ri­go­so. “Eu acho que a gen­te es­tá num mo­men­to di­fí­cil, mas a gen­te vi­ve do tra­ba­lho. Se a gen­te for abrir mão de um di­rei­to con­quis­ta­do, co­mo a gen­te vai man­ter a qua­li­da­de do ser­vi­ço? Eu sou con­tra não co­brar”, co­men­ta. O co­le­ga Flá­vio Lo­bo con­cor­da com ele. “O pes­so­al ba­te mui­to em ci­ma da te­cla que a gen­te tem isen­ção de im­pos­tos no car­ro, mas não tem no com­bus­tí­vel, que é on­de a gen­te mais gasta. Se não ti­ver o au­men­to, da­qui a pou­co a gen­te não vai con­se­guir re­no­var o car­ro, que a re­no­va­ção é obri­ga­tó­ria”, ar­gu­men­ta ele.

O tam­bém ta­xis­ta Antô­nio Pau­lo Del­la Cel­la, 46, por sua vez, acha que o mo­men­to não é pa­ra co­brar mais - nem na bandeira 2, nem no re­a­jus­te pre­vis­to. “As ta­xas pa­ra a gen­te tri­pli­ca­ram, mas o mo­men­to é de­li­ca­do de­vi­do à cri­se e acho que não con­vém fa­lar em au­men­to nes­se mo­men­to, por­que ain­da es­tá dan­do pa­ra se­gu­rar. Mas fu­tu­ra­men­te de­ve, sim, ter o au­men­to”, de­fen­de.

A ca­te­go­ria ain­da não co­me­çou a di­a­lo­gar com a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Mo­bi­li­da­de (Se­mob) a res­pei­to do re­a­jus­te ta­ri­fá­rio pa­ra o ano que vem. Mas, de acor­do com Val­deil­son, da AMT, mui­ta gen­te tam­bém se­rá con­tra o au­men­to no pre­ço. “A gen­te já es­tá dan­do des­con­to, co­mo é que vai co­brar mais? Se o re­a­jus­te for a in­fla­ção, já é 10% a mais”, dis­se ele. A Se­mob não in­for­mou quan­do o re­a­jus­te se­rá dis­cu­ti­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.